Publicado neste site no dia:
28 de Dezembro de 2016, Quarta Feira, 17h13

A história deste notável volume, quase tão extraordinário quanto o seu conteúdo, é dada pelo Capitão Bell:

NARRATIVA DO CAPITÃO HENRY BELL:
Ou a preservação do livro Colloquia Mensalia de Martin Luther foi um milagre, ou seus divinos discursos à mesa foi realizada com diversos aprendizes piedosos; tais como Philip Melancthon, Caspar Cruciger, Justus Jonas, Vitus Dietrich, John Bugenhagen, John Forster, etc. Foram levantados diversos discursos sobre religião, e outros principais pontos de doutrinas, como também muitas histórias notáveis, e todos os tipos de aprendizagem, confortos, conselhos, profecias, admoestações, direções e instruções.

Eu, capitão Henry Bell, declaro, tanto para o tempo presente, e também para a posteridade, que sendo empregado para além dos mares nos assuntos do Estado mergulhamos juntos, tanto pelo Rei James, e também pelo último rei Charles, na Alemanha. Eu fiz ouvir e compreender, em todos os lugares, uma grande lamentação feita, em virtude da destruição e queima de mais de quatro mil livros de Martin Luther, sendo o seu último intitulado 'Seus Últimos Discursos Divinos'.

Pois, após o momento em que Deus suscitou o espírito de Martin Luther para detectar as corrupções e abusos do papado, e pregar Cristo e, claramente, expor a simplicidade do evangelho, muitos reis, príncipes, estados, cidades imperiais, e suas cidades, saíram da religião papista, e tornaram-se protestantes e permanecem até hoje.

E, para o maior avanço deste grande trabalho da Reforma, os príncipes acima citados, ordenaram que os referidos discursos divinos de Luther devem imediatamente serem impressos; e cada Paróquia deve receber um dos livros impressos mencionados em todas as igrejas, em todos os principados e domínios, para que todas as pessoas comuns possam ler.

A Reforma que começou na Alemanha, foi maravilhosamente promovida e se expandindo, espalhando tanto aqui na Inglaterra, quanto em outros países.

Mas, devido a pressão, o papa Gregório XIII tomou conhecimento da dor e do preconceito que ele e sua religião papista havia recebido devido aos Divinos Discursos de Luther. E, também, temendo que o mesmo pode trazer ainda mais desprezo e mal sobre si e sobre a igreja papista, decidiu ferozmente instigar o imperador, Rudolphus II, para levantar um édito por todo o império ordenando que todos os livros de Luther fossem queimados e, também, deveria ser condenado a morte todo aquele que manter uma cópia das obras de Luther. O édito foi rapidamente posto em execução, de modo que nenhum livro de Luther poderia ser descoberto, nem ouvido falar em qualquer lugar.

No entando, pela Graça de Deus, em 1626, me familiarizei com um cavalheiro alemão chamado Casparus Van Sparr, com quem iniciei os negócios do Rei James na Alemanha, e tive a oportunidade de construir uma velha fundação de uma casa onde seu avô morava naquela época quando o referido edital foi publicado na Alemanha para a queima dos livros de Luther. Tive que escavar profundamente o solo bem abaixo da velha fundação e, felizmente, encontrei um dos livros originais de Luther. O livro estava em um buraco profundo e escuro, embrulhado com um pano de linho forte que foi encerado com cera de abelha por dentro e por fora; o livro estava perfeitamente preservado, sem qualquer defeito.

E, ao mesmo tempo, Ferdinandus II, sendo imperador na Alemanha e, também, um inimigo e perseguidor ferrenho da religião protestante, o cavalheiro e o seu avô tinham escondido o livro de Luther no buraco escuro, temendo que o imperador descubra sobre a existência do tal livro na região que estava sob sua custódia. Para que eles não sejam punidos e nem o livro seja destruído; e, também, sabendo que eu tinha um conhecimento fluente da língua holandesa, o cavalheiro encaminhou o livro para a Inglaterra junto com uma carta na qual ele relatou as passagens da preservação do livro e de sua descoberta.

E, sinceramente, sua carta me mudou para o avanço da glória e da Igreja de Cristo. Então, eu gostaria de tomar as dores para traduzir o dito livro até o fim, para que a obra divina de Lutero possa novamente acender.

Portanto, tomei o livro para mim e comecei a traduzi-lo, mas sempre surgiam alguns imprevistos, pois eu era chamado à realizar outros negócios: não haviam possibilidades de eu permanecer neste trabalho da tradução. Então, cerca de seis semanas depois de eu ter recebido o livro, desisti da tradução. Mas, naquela noite, quando o relógio marcava entre doze e um, minha esposa havia adormecido e eu permaneci acordado. Logo, um velho homem vestido de branco apareceu para mim de pé na cabeceira da minha cama. Ele tinha uma longa barba branca e me tomou a orelha direita falando tais palavras para mim: "Sirrah! Você não tem tempo para traduzir esse livro que foi enviado para você de fora da Alemanha? Eu lhe darei tempo e lugar para fazê-lo"; e então ele desapareceu da minha vista.

Diante disso, fiquei muito assustado e com tanto suor que minha mulher acordou e me encontrou todo molhado. Então ela me perguntou o que me afligia. E eu disse a ela o que vi e ouvi. Mas, também, nunca mais dei tanta atenção no que diz respeito a tal visão. E logo a mensagem sumiu da minha mente.

Em um domingo, cerca de uma quinzena após a visão que tive, eu fui para Whitehall para ouvir um sermão; após o término, eu voltei para o meu alojamento na King-Street em Westminster, e fui jantar com a minha esposa. Então dois mensageiros vieram com um mandado para me levar para Gatehouse em Westminster. Lá eu estaria preso até a nova ordem dos senhores do conselho. Eles não me mostraram a causa em que eu estava comprometido. Então fui mantido por dez anos como prisioneiro, onde passei cinco anos traduzindo o livro de Luther. Por incrível que pareça, lembrei daquelas verdadeiras palavras do velho homem da minha visão que me disse: 'Eu lhe darei tempo e lugar para fazê-lo'.

Então, depois que eu tinha terminado a tradução na prisão, o arcebispo de Canterbury Dr. Laud, estando atrasado, compreendeu que eu tinha traduzido um livro chamado "Martin Luther's Divine Discourses", e encaminhou o seu capelão até a mim. Dr. Bray, na prisão, e me trouxe essa mensagem:

Capitão Bell, 'Meu senhor de Canterbury me enviou a vós para dizer-lhe que soube que vós traduzistes um livro comovente de Luther, o qual por muito tempo, o senhor de Canterbury anseia por um exemplar. Ele soube da queima de tantos milhares de livros na Alemanha pela ordem do então imperador. Portanto, a sua graça deseja que vós envieis o livro original, com a sua tradução em holandês e, após a leitura, o livro será devolvido com segurança para vós.'

Então, eu tinha dito para o Dr. Bray que passei por muitas dificuldades na tradução do livro de Luther, e que seria muito complicado continuar com os meus trabalhos estando o livro longe das minhas mãos. Portanto, eu pedi perdão à sua graça pois não gostaria de emprestar-lhe o livro. Então, tendo recebido a resposta, o Dr. Bray voltou para o seu mestre.

Mas, no dia seguinte, Dr. Bray veio até a mim novamente para dizer que o livro estará seguro sob sua custódia. Pois ele iria trancá-lo em seu próprio gabinete para que ninguém possa encontrá-lo. Então, vendo que seria inútil para eu recusar o envio do livro pela razão que ele foi, decidi encaminhar o livro. Então, ele manteve o livro sob sua custódia por dois meses realizando leituras diárias, e viu que eu tinha realizado um trabalho digno de eterna memória dizendo que nunca tinha lido uma obra tão divina como esta. E, por isso, ele não iria devolver o livro tão cedo novamente. O motivo foi porque quanto mais ele lia, mais desejo ele tinha de continuar com o livro; e assim me oferecia dez libras em ouro pelos empréstimos.

Quando passou um ano inteiro com os livros sob sua custódia, eu achei que o bispo tinha lido todas as páginas, então pedi humildemente a sua graça para devolver meus livros. Ele então me respondeu através do Dr. Bray que não tinha ainda terminado de lê-los. E, por isso, fiquei mais um ano sem meus livros.

Nesse tempo, fiquei sabendo que tinha sido concluído pelo rei e pelo Conselho, um chamado imediato do Parlamento; era uma notícia que me alegrou profundamente. Depois que encaminhei uma humilde petição a sua graça, meu livro foi devolvido com segurança; Caso contrário, eu disse a ele que eu seria forçado a torná-lo conhecido, e prestar queixa ao parlamento, que estava então chegando. Então ele me enviou novamente em segurança tanto o livro original quanto as minhas traduções, e pela causa do seu capelão, o doutor disse para mim que irá mostrar a Sua Majestade o excelente trabalho que eu tinha traduzido, e que iria obter uma ordem de sua majestade para que a referida tradução seja impressa, e que seja disperso por todo o reino, como foi na Alemanha que tinha ouvido falar; Então ele me forneceu novamente quarenta libras em ouro.

Recentemente, depois que fui libertado do mandado da Câmara dos Lordes, de acordo com o posicionamento de sua majestade, o arcebispo teve os seus problemas, e foi enviado pelo Parlamento para a Torre, e depois decapitado. Eu nunca mais poderia ouvir a respeito da impressão do meu livro.

Depois que a Câmara dos Comuns reconheceu que eu tinha traduzido o referido livro, eles enviaram um comitê para me ver e analisar se a tradução está de acordo com o original ou não; Então eles me pediram para levar a tradução até eles, numa reunião na Câmara do Tesouro onde Sir Edward Dearing era o presidente. Ele me disse que estava familiarizado com um ministro erudito beneficiado em Essex que morou por muito tempo na Inglaterra, mas nasceu na Alta Alemanha, no Palatinado, chamado Mr. Paul Amiraut, com quem a comissão enviou para tomar o original e a minha tradução sob sua custódia, para realizar relatórios para o comitê e provar que eu tinha realizado a tradução corretamente e fielmente de acordo com o original: Ele fez o relatório em conformidade, e eles ficaram satisfeitos referindo-se a dois da assembléia, Mr. Charles Herle e Mr. Edward Corbet, que desejava um relatório que julgue conveniente para que a obra seja impressa e publicada.

Após a realização do relatório, datado a 10 de Novembro de 1646, eles consideraram um excelente trabalho, digno de clareza e da publicação, expecialmente no que diz a respeito de Lutero com seus discursos onde ele tinha revogado a sua opinião sobre a Consubstanciação no Sacramento. Depois disso, a Câmara dos Comuns, em 24 de Fevereiro de 1646, deu a ordem para a sua impressão.

Sendo assim, tendo sido recentemente estabelecido os escritos das passagens ao referido livro, bem como para a satisfação dos cristãos judiciosos e piedosos, quanto à conservação da memória da providência extraordinária de Deus na miraculosa preservação dos já mencionados Discursos Divinos, e agora trazendo-os novamente à luz, eu fiz de acordo com a simples vontade dele, sem dúvidas, e provarão uma notável vantagem da glória de Deus, e para o bem e edificação de toda a Igreja, além do consolo indizível de cada membro particular do mesmo.

Feito com a minha mão no terceiro dia de Julho de 1650. "Henry Bell"
Uma cópia da Ordem da Câmara dos Comuns
24 de fevereiro de 1646.


Enquanto o Capitão Henry Bell descobriu um livro de Martin Luther chamado Discursos Divinos, que foi perfeitamente reservado por muito tempo na Alemanha; O tal livro, conforme dito por Henry Bell aos seus grandes custos e dores, traduziu da língua alemã para o inglês e foi aprovado pelo Divino Reverendo da Assembléia, como aparece em um certificado escrito por suas próprias mãos:

É socilitado e ordenado pelos Senhores Comuns reunidos no parlamento, que o dito Henry Bell terá a única disposição e benefício para imprimir o referido livro traduzido para o inglês como mencionado acima, para um espaço de quatorze anos, a partir da presente data. E que ninguém mais possa imprimir ou reimprimir o mesmo sem a permissão pelo dito capitão.

(Vera Copia) Henry Elsyng.

Os próprios conteúdos do livro foram recolhidos da boca de Luther por seus amigos e discípulos, principalmente por Antony Lauterbach e John Aurifaber (Goldschmidt), que estavam com o grande Reformador até o fim de sua vida. Consistem em notas de seus discursos, de suas opiniões, de suas observações superficiais, na liberdade da amizade privada, em suas caminhadas, durante o desempenho de seus deveres clericais, e na mesa. Os relatores estavam cheios de zelo: o que o "homem de Deus" proferiu foi imediatamente inscrito em suas tábuas. Estavam com ele na sua revolta e no seu leito; Eles olhavam por cima do ombro enquanto lia ou escrevia suas cartas; realizando exclamações de dores ou de prazeres, de alegrias ou de tristezas: Aspirou um pensamento acima da respiração, foi pego pelo ouvido intencional de um ou outro dos ouvintes, e comprometido com o papel. Uma anedota, contada pelo próprio Luther ao Dr. Zinegreff, ilustra de uma forma divertida a assiduidade desses Boswells alemães. Durante um colóquio, no qual Dominus Martinus exibia sua vigorosa vivacidade, observou um discípulo trabalhando com lápis e papel. O doutor encheu uma enorme colher de pau com o mingau de que estava a discutir durante o jantar, levantou-se e dirigiu-se ao absorvido anotador, jogou-lhe a farinha no rosto e disse, rindo, lustroso: "Coloque isso também." Poderia haver algumas dúvidas quanto à integridade e quanto à autenticidade de suas notas. Cobertos com o mais profundo respeito ao "venerável homem de Deus", teriam considerado sacrilégio omitir, alterar ou modificar qualquer coisa que saísse dos seus lábios. O oráculo tinha falado; era o orgulho deles em repetir suas palavras com a mais escrupulosa fidelidade. Descreveremos o resultado nas palavras de uma carta eloqüente ao tradutor, prefixadas à edição folio de 1652;

Aqui está um caráter completo do espírito livre e zeloso de Martin Luther, que era um homem de Deus levantado em sua geração com coragem invencível para derrubar as fortalezas mais fortes de Satanás, em que por muitas gerações ele tinha cativado os espíritos de nossos antepassados sob o Papa. A profundidade e a solidez de seu julgamento podem ser descobertas nos escritos que ele mesmo publicou em sua vida: mas nesta coleção de seus discursos extemporâneos publicados desde a sua morte, pode-se ver a plenitude de seu afeto e a prontidão genuína de seu espírito, o que o levou a avançar a verdade do evangelho e a manifestar o testemunho de Jesus sobre todos na ocasião. E, verdadeiramente, encontrei-me com muitas verdades excelentes e fundamentais, que são necessários ter em mente nesta época, assim como naquela em que ele as falou; E a graciosidade que eles têm em seu vestido familiar e descuidado, torná-los mais louváveis a todos os homens de engenho, não só de capacidades populares, mas mesmo de pensamentos mais elevados. De onde eu provavelmente suponho que a simplicidade e a grande variedade de matérias contidas nestes discursos, fez na primeira reforma congratular a entrega e insinuar a consideração das verdades mais eminentes com a aceitação em todas as apreensões dos homens, até agora, como para fazer com que os inimigos dessas verdades se empenhem na supressão deste livro que eles achavam que estava contagiando a todos, e tão cheios de golpes mortais de acordo com a sua superstição e hierarquia, a sua profanidade, hipocrisia e impiedade.

Deveríamos procurar, em vão, outros espécimes mais impressionantes e interessantes dos talentos, da disposição e dos costumes do grande Reformador, do que neste volume de sua "Conversa de Mesa". E, certamente, se o caráter pessoal de qualquer indivíduo merecer ser abordado, é o de Luther. Em nenhum outro caso tais grandes acontecimentos dependiam da coragem, da sagacidade e da energia de um único homem, nem se poderia encontrar um estudo mais lucrativo que o temperamento e as peculiaridades de um, que, por seus esforços únicos e sem ajuda, fez sua célula solitária, o coração e o centro da comoção mais maravilhosa e importante que o mundo já testemunhou; que, pela força nativa e vigor de seu gênio, atacou e resistiu com sucesso e, finalmente, derrubou a autoridade mais terrível e sagrada que jamais impôs seus comandos sobre a humanidade.

Ao examinar a obra em si, podemos observar aqui que deve sempre ser lembrado que eles mostram o Reformador em sua despir, e não devem ser tomados como espécimes do que ele escreveu ou pregou quando cingido para grandes ocasões; - embora se possa observar que, como a maioria dos homens gênios, havia menos diferença na linguagem e maneira de Luther em particular e em público, do que com aqueles que não podiam se dar ao luxo de serem livres, caseiros e familiares: - uma grande peculiaridade de sua pregação e escrita, desprezando toda a forma de autoridade, foi direto para o coração de seus ouvintes e leitores, e nunca hesitou em usar uma imagem ou uma impressão, porém grosseiro ou caseiro, desde que transmitiu seu significado com vivacidade e força.

A primeira edição alemã do Tischreden, ou Table-Talk, de Martin Luther, um volume folio, foi publicado em Eisleben, em 1566, sob o cuidado editorial de John Aurifaber. Esta edição foi reimpressa duas vezes em 1567, e um quarta vez em 1568. A última reimpressão é precedida por algumas novas páginas da caneta do editor que se queixa de um Dr. Kugling, em uma edição rival, por ter feito alterações materiais do texto. Esta edição rival, no entanto, parece nunca ter ido além da forma manuscrita; em todo o caso, é desconhecido pelos biógrafos. As quatro edições já especificadas são reproduções exatas, uma das outras, com infinitos erros tipográficos. Em 1569, apareceu uma nova edição (Frankfurt, folio) com um apêndice "de profecias que o venerável homem de Deus, pouco antes da sua santa morte, entregou a diversos teólogos e eclesiásticos instruídos, com muitas cartas consoladoras, opiniões, narrativas, etc, nunca antes tornado público." A dedicação "para o Conselho de Rauschemberg", datada de 24 de março de 1568, indica que o editor, John Pink, derivou seus novos materiais de vários livros e escritos de Martin Luther. Acrescenta-se que as profecias foram devidas à pesquisa de George Walther, pregador em Halle.

Fabricius (Centifolium, Lutheranum p. 301), menciona duas outras edições em folio, Eisleben, 1569 e 1577, mas nenhuma cópia dessas edições são atualmente conhecidas.

O editor seguinte do Tischreden era um prussiano Andrew Stangwald, o continuador dos Séculos de Magdeburg que, em seu prefácio, queixa-se das edições precedentes como muito defeituoso em sua matéria, e cheio de erros flagrantes de tipografia. Ele afirma em sua própria edição corrigida e ampliada, que foi preparada a partir de várias conversas de manuscristos em sua posse, auxilidado por amplas notas marginais a uma cópia da edição original, pertencente anteriormente a um dos íntimos associados de Luther, o Dr. Joachim Merlinus. A compilação de Stangwald que apareceu em 1751 (Frankfurt), foi reimpressa em 1590, com uma dedicação ao conselho de Mulhausen, e um prefácio, em que o editor anuncia um volume suplementar de colóquios e ditos que, no entanto, nunca foi produzido. O mesmo texto, mas com o prefácio de Aurifaber em vez do de Stangwald, foi reimpresso em 1603 (Jena) e novamente em 1621 (Leipzig), e mais uma vez, após um intervalo de 80 anos, em 1700 (Leipzig), quando o prefácio de Stangwald foi dado, assim como Aurifaber, com a coleção de Profecias de Walther anexada. Este arranjo foi reproduzido em 1723 (Dresden e Leipzig).

Outro contemporâneo com Luther, Nicholas Selneuer, também se dedicou na tarefa de organizar o Table-Talk do seu mestre, e o resultado dos seus trabalhos, precedida por uma vida do grande Reformador, surgiu em 1577, e novamente em 1580 na versão folio. Esta edição, contudo, não se distancia materialmente dos textos de Stangwald.

Os Tischreden, que até então haviam sido excluídos das várias edições coletivas das obras alemãs de Luther, foram incorporadas por Walch numa edição importante de 1743 (Halle), mas nunca foram inseridos nas edições foliares das obras latinas do reformador. Na verdade, uma seleção deles apareceu em latim imediatamente após a sua primeira publicação em alemão. Esta seleção (Frankfurt, 1566, 8vo.) é intitulada "Silvula Sententiarum, exemplarum, Historiarum, allegoriarum, similitudinum, facetiarum, j partim ex reverendi Viri D. Martini Luther ac Philippi Melaethonis cum privatis tum publicis relationibus, partim ex aliorum veterum atque recentium doctorum monumentis observata." O tradutor Dr. Ericius, no entanto, enquanto extraiu apenas os textos de Aurifaber, fornece uma série de artigos omitidos pelo editor alemão. Em seguida, em 1558 e 1571, o Dr. Henry Peter Rebenstok, pastor de Eschersheim, publicou dois volumes (Frankfurt-on-the-Main, 8vo.): "Colloquia, Meditationes, Consolationes, Consilia, judicia, sententiae, narrationes, responsa, facetiae, D. Martine Lutheri, pise et sanctae memorizae in mens prandiia et caense et in peregrenationibus observata et fideliter transcripta." Dr. Rebenstok nos informa que sua versão foi feita não de Aurifaber, mas de editores posteriores. Foi a partir desta tradução, formulada no latim mais bárbaro, e repleto de erros de todas as descrições, que Bayle criticou o "Colloquia Mensalia". A própria edição, agora excessivamente rara, é descrita pelo Marquês du Roure, em sua "Analecta-biblion," (Techener, 1840).

Da tradução inglesa, pelo Capitão Bell, uma narração já foi dada.

Ao preparar essa tradução, o capitão apresentava ânimo pela mesma fidelidade estreitamente escrupulosa e um tanto indiscriminada que caracterizava os trabalhos daqueles que compilaram a obra original. Alguns dos mais aparentes impossíveis, de fato, que escaparam da fala alemã através da elasticidade da conversação pós-prandial, o tradutor omitiu ou modificou, mas as repetições infinitas de "Meditationes, Consolationes, consilia, judicia, narrationes, responsa," e outras palavras semelhantes, reproduziram com a mais provocativa pertinácia.

É pela omissão cuidadosamente considerada - dessas repetições, que eu tenho sido capaz de dar, na presente versão, não apenas o conteúdo da coleção de Aurifaber, mas grandes adições de vários outros editores acima especificado. Os capítulos, em particular, do Anticristo, do Diabo e suas obras, e dos Turcos (que Michelet especificou como particularmente interessante), foram todos materialmente ampliados desta forma. O amplo índice agora dado é um recurso inteiramente novo. W. Hazlitt. Middle Temple.


Fonte: CRTA - Center for Reformed Theology and Apologetics
Tradução para o português: Marcell de Oliveira



"Conversas à Mesa" de Lutero
(Defesa da Fé Cristã)
"Conversas à Mesa" (Tischreden, em alemão) é a compilação de anotações feitas por alunos e colaboradores de Martinho Lutero durante encontros informais, como as refeições. A primeira edição das Tischreden foi publicada por Johann Aurifaber, em 1566, vinte anos após a morte de Lutero. A edição completa, porém, só foi publicada em 1836. O texto utilizado aqui vem da tradução para o inglês que o capitão Henry Bell traduziu e publicou por volta de 1650. Semanalmente, publicaremos aqui porções do texto traduzido.

COMENTE!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008