Publicado neste site no dia:
21 de Junho de 2020, Domingo, 21h38

CCLXIV.
Eu acredito que as palavras dos apóstolos são obras do Espírito Santo; pois somente o Espírito Santo poderia ter anunciado coisas tão grandiosas em termos tão precisos e expressivos, além de poderosos. Nenhuma criatura humana é capaz de realizar tais obras, nem mesmo nenhuma criatura de dez mil mundos diferentes. Essa crença, portanto, deve ser o centro de nossa atenção. Para mim, não posso admirá-lo ou venerá-lo muito.


CCLXV.
O catecismo deve governar a igreja e permancer como senhor e reinante; isto é, os dez mandamentos, o credo, a oração do Senhor, os sacramentos, etc. Embora possa haver muitos da oposição, ainda assim permanecerá firme e manterá a preeminência, por meio da qual está escrito: "Tu és sacerdote para sempre"; porque ele será sacerdote, e também terá sacerdotes, apesar do diabo e de todos os seus instrumentos terrenos.


CCLXVI.
Poucos sermões edificam pouco as nossas crianças, e aprendem pouco com isso; é necessário que sejam mais ensinados e bem instruídos nas escolas e em casa, e que sejam ouvidos e examinados sobre o que aprenderam; dessa maneira, o lucro torna-se maior; É muito cansativo? Sim. Mas, necessário. Os papistas evitam tais esforços, e seus filhos passam a ser negligenciados e abandonados.


CCLXVII.
É no catecismo onde temos um caminho exato, direto e curto para toda a religião cristã. Pois o próprio Deus Pai que nos deu os dez mandamentos, o próprio Cristo que ensinou a Oração do Senhor e o próprio Espírito Santo que reuniu os artigos da fé. Essas três peças são apresentadas de uma maneira tão excelente que nunca poderiam ter sido melhores; mas eles são menosprezados e rejeitados por nós como se fossem coisas de pouco valor, porque as crianças pequenas os dizem diariamente.

O catecismo é a mais completa e melhor doutrina e, portanto, deve ser continuamente pregado; todos os sermões públicos devem ser fundamentados e construídos sobre o mesmo. Eu gostaria que o catecismo fosse lido e pregado diariamente. Mas os nossos pregadores e ouvintes carregam o catecismo na ponta dos dedos, já tragando tudo; eles têm vergonha dessa doutrina tão leve e simples no modo que a sustentam que passam a atentá-los no ensino superior. Os paroquianos dizem: Nossos pregadores tocam sempre uma canção; eles pregam nada além do catecismo, dos dez mandamentos, do credo, da oração do Senhor, do batismo e da Ceia do Senhor; tudo o que já sabemos bem o suficiente; mas o catecismo, eu insisto, é a Bíblia correta dos leigos, na qual está contida toda a soma da doutrina cristã necessária para ser conhecida por todo cristão para a salvação.

Primeiro, existem os dez mandamentos de Deus, Doutrina Doctrinarum, a doutrina de todas as doutrinas, pelas quais a vontade de Deus é reconhecida, o que Deus terá para nós e o que está faltando em nós. Segundo, há a confissão de fé em Deus em em nosso Senhor Jesus Cristo; História Historiarum, a história das histórias, ou a história superior, na qual nos são entregues as maravilhosas obras da Majestade divina desde o início até toda a eternidade; como nós e todas as criaturas somos criados por Deus; como somos libertados pelo Filho de Deus através de sua humildade, paixão, morte e ressurreição; e também como somos renovados e reunidos, o único povo de Deus, e temos remissão de pecados e vida eterna.

Terceiro, há a oração do Senhor, Oratio Orationum, a oração acima de todas as orações, uma oração que o Mestre Altíssimo nos ensinou, em que são compreendidas todas as bênçãos espirituais e temporais, e os confortos mais fortes em todas as provocações, tentações e problemas, até na hora da morte.

Em quarto lugar, temos os sacramentos abençoados, Cerimoniae Cerimoniarum, as cerimônias mais elevadas, que o próprio Deus instituiu e ordenou, e a partir daí assegurou sua graça. Devemos estimar e amar o catecismo, pois nela está a doutrina antiga, pura e divina da igreja cristã. E tudo o que é contrário a essa doutrina é fraco e falso, apesar de sempre aparentar um brilho glorioso; devemos prestar muita atenção à maneira como nos envolvemos com isso. Em toda a minha juventude, nunca ouvi nenhuma pregação, nem dos dez mandamentos, nem da oração do Senhor.

As futuras heresias obscurecerão essa luz, mas agora temos o catecismo mais puro nos púlpitos do que tem sido nos últimos mil anos, Deus seja louvado. Muito não pôde ser acolhido de todos os livros dos Padres, mas, pela graça de Deus, agora é ensinado a partir do pequeno catecismo. Eu só li na Bíblia em Erfurt, no mosteiro; e Deus então maravilhosamente operou, contrariando toda a minha expectativa humana, de modo que fui obrigado a sair de Erfurt e ir para Wittenberg onde, sob Deus, dei ao diabo, ao papa de Roma, um golpe tão grande, como nenhum imperador ou rei poderia ter lhe dado; no entanto, não fui eu, mas Deus por mim, que sou um instrumento podre, fraco e indigno.

O Decálogo - ou seja, os Dez Mandamentos de Deus, é um espelho e uma breve soma de todas as virtudes e doutrinas sobre como devemos nos comportar perante a Deus e ao próximo; isto é, para toda a humanidade.

Em nenhum momento foi escrito um livro de virtudes com maior excelência como o Decálogo.


CCLXIX.
Deus diz: "Eu, o Senhor teu Deus, sou um Deus zeloso". Ora, Deus é ciumento de duas maneiras; primeiro, Deus se enfurece contra aqueles que preferem a criatura ao invés do Criador; que edifica sobre os favores dos grandes; que dependem de seus amigos, de seu próprio poder - riquezas, artes, sabedoria, etc.; aqueles que abandonam a justiça da fé e a condenam e que se justificam através de suas próprias boas obras. Deus também fica zangado com aqueles que se gabam pela força que tem; como vemos em Senaqueribe, rei da Assíria, que se gabava de seu grande poder e pensava em destruir totalmente a cidade de Jerusalém. Da mesma forma, vemos no rei Saul que pensava em manter o reino através de sua força e poder, e transmití-lo aos seus filhos quando reprimiu Davi e o rebaixou.

Em segundo lugar, Deus tem ciúmes daqueles que O amam e seguem a Sua Palavra; Deus os ama em dobro como um pai ama o seu filho, resistindo aos adversários e espancando-os para que não sejam capazes de realizar o mal que pretendiam fazer. Portanto, esse ciúme compreende o ódio e o amor, vingança e proteção; pela causa de tanto temor quanto fé; temor este que não provoquemos a Deus com raiva, e nem trabalhemos com seu descontentamento; a fé onde, em meio aos problemas, acreditamos que Ele nos ajudará e nos defenderá nesta vida, perdoando os nossos pecados e nos preservando para a vida eterna no amor de Cristo. Pois a fé deve regulamentar e governar sobre todas as coisas, tanto espirituais quanto temporais; o coração deve certamente acreditar que Deus nos olha, nos ama, nos ajuda e não nos abandona como diz o Salmo: "Clame-me em tempos de angústia; assim eu te livrarei, e você me louvará". etc. Também "O Senhor está perto de todos os que o invocam; sim, todos os que invocam fielmente". E "Aquele que invocar o nome do Senhor será salvo".

Além disso, o Senhor diz: "E visitará os pecados dos pais sobre os filhos, até a terceira e quarta geração", etc. Esta é uma palavra de ameaça que agrada justamente os nossos corações e desperta o temor em nós. É totalmente contrário à nossa razão, pois consideramos que é um processo injusto que os filhos e a posteridade sejam punidos pelas ofensas de seus pais e antepassados. Mas desde que Deus assim decretou, então o nosso dever é reconhecê-lO como Justo e que nunca erra em nada. Vendo que essas ameaças que são contrárias ao nosso entendimento, significa que carne e sangue não as consideram e a lançam ao vento, como se elas fossem como o assobio de um ganso. Mas nós, que somos cristãos, acreditamos que a Palavra é certa e que o Espírito Santo toca nossos corações; e que esse processo é justo e correto e, portanto, permanecemos no temor de Deus. Aqui, novamente, podemos ver que o livre-arbítrio do homem pode fazer aquilo que nada entende e nada teme. Se tomamos o conhecimento sobre o quão séria é essa ameaça, deveríamos, por temor, cairmos mortos; e temos exemplos, como Deus disse: que pelos pecados de Manassés, Ele lançará o povo em miserável cativeiro.

Mas alguns podem argumentar: Então vejo que a posteridade não tem esperança da graça quando seus pais pecam. Eu respondo: Aqueles que se arrependem, é a lei tirada e abolida, para que os pecados de seus pais não os magoem; como o profeta Ezequiel diz: "O filho não levará a iniqüidade do pai"; todavia, Deus permite que o castigo externo e corporal continue, sim, às vezes também sobre os filhos penitentes, por exemplo, até o fim de que outros possam fugir do pecado e levar uma vida divina.

"Mas Ele fará o bem e será misericordioso com milhares", etc. Essa é uma promessa grande, gloriosa e confortável, que ultrapassa em muito toda a razão e entendimento humano, de que, pelo bem de uma pessoa piedosa, muitos devem ser participantes de bênçãos e misericórdias imerecidas. Pois encontramos muitos exemplos de que uma multidão de pessoas desfrutou de misericórdias e benefícios pelo bem de um homem piedoso; quanto ao amor de Abraão, muitas pessoas foram preservadas e abençoadas, e também pelo amor de Isaque; e por causa de Naamã, todo o reino da Assíria foi abençoado por Deus.

O amor de Deus nos traz a certeza de que Deus é misericordioso conosco, que Ele nos ajuda e nos faz bem. Portanto, o amor procede da fé para acreditar que Ele promete tudo de bom para nós.


CCLXX.
O primeiro mandamento sempre suporta e permanece de que Deus é o nosso Deus; isso não é realizado somente no presente, mas também para a vida eterna. Todos os outros mandamentos cessarão; pois, na vida futura, o mundo cessará juntamente com toda "aparente" adoração a Deus, e toda a política e governo mundiais; somente Deus e o primeiro mandamento permanecerão para sempre.

Devemos assinalar com que grande diligência e habilidade Moisés lida com o primeiro mandamento e o explica. Ele era sem dúvida um excelente doutor. Mais tarde, Davi foi uma grande porta de Moisés. Pois ele havia estudado bem as leis de Moisés, e assim tornou-se um excelente poeta e orador; os Salmos são totalmente ligados ao primeiro mandamento. Maior, o primeiro, é a própria Palavra de Deus; Menor, a segunda, fé. A conclusão é o ato, o trabalho e a execução, de modo que é feito como acreditamos. As, Major: Misericors Deus, respicit miseros: Minor: Ego sum miser; Conclusio; Ergo Deus me queoque respicit.

Quando cremos no primeiro mandamento e, portanto, agradamos a Deus, todas as nossas ações passam a ser agradáveis a Ele. Se você ouvir a sua Palavra, se orar, se mortificar, então diz Deus para você: Estou muito satisfeito com o que você faz. Além disso, quando observamos o primeiro mandamento, esse voto passa por todos os outros mandamentos e obras. Você é cristão? Queres ter uma esposa? Queres comprar e vender? Queres trabalhar nas obras de tua vocação? Tu castigarás e condenarás os desgraçados ímpios e perversos? Tu queres comer, beber e dormir? etc. Deus diz continuamente: Acorde!

Mas se você não guardar o primeiro mandamento, então Deus irá julgar todas as suas obras e ações: Elas não me agradam. Cristo assume o primeiro mandamento sobre si mesmo, onde diz: "Quem me honra, honra o Pai; quem não honra o Filho, não honra o Pai".



Fonte: CRTA - Center for Reformed Theology and Apologetics
Tradução para o português: Marcell de Oliveira




"Conversas à Mesa" de Lutero
(Defesa da Fé Cristã)
"Conversas à Mesa" (Tischreden, em alemão) é a compilação de anotações feitas por alunos e colaboradores de Martinho Lutero durante encontros informais, como as refeições. A primeira edição das Tischreden foi publicada por Johann Aurifaber, em 1566, vinte anos após a morte de Lutero. A edição completa, porém, só foi publicada em 1836. O texto utilizado aqui vem da tradução para o inglês que o capitão Henry Bell traduziu e publicou por volta de 1650. Semanalmente, publicaremos aqui porções do texto traduzido.

COMENTE!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008