Martinho Lutero - Precursor da Unificação da Língua Alemã
Publicado neste site no dia:
19 de Agosto de 2017, Sábado, 20h43

Série 500 Anos da Reforma Protestante

Martinho Lutero, ao receber o título de doutor na Universidade de Wittenberg, na Alemanha, em 1512, declarou: - "Profiro publicamente um caro voto pela Sagrada Escritura e prometo, para a vida toda, estudá-la e pregar sua mensagem, defender a fé cristã contra todos os hereges, por discussão e escritos. Que Deus me ajude". E ele, efetivamente, se dedicou a esta missão como professor universitário, pelo resto de sua vida. É importante frisar que o pensamento teológico de Lutero era profundo e de muita riqueza. Sua vida foi marcada por centenas de escritos e muitas disputas teológicas com dezenas de intelectuais. Tanto nas obras escritas quanto nos debates, demonstrava ser mestre, tanto no conteúdo tratado, como no uso dos recursos retóricos, linguísticos e literários da época.

Dentre os maiores desafios da Reforma, estava a necessidade de traduzir a Bíblia para a língua alemã, língua de seu povo. Entretanto, surgiu um impasse, pois o Sacro Império Romano Germânico era dividido em várias regiões e cada qual tinha um dialeto diferente. Tão diferente que os alemães do norte não conseguiam compreender o que os do sul falavam. Por esta razão, a tradução do Novo Testamento da língua grega, em 1522, e do Antigo Testamento do hebraico, concluída em 1534, se tornaram uma obra monumental. Ao iniciar este trabalho desafiador, Lutero escreveu a seu amigo George Spalatino: - "Estou começando a tradução da Bíblia que, a despeito de me ter incumbido desta tarefa, excede as minhas forças. Agora compreendo o que significa traduzir e por que ninguém se encarregou disto, disposto a lhe emprestar o nome".

A pergunta que surge é: Por que Lutero estava tão determinado em traduzir a Bíblia das línguas originais? A razão estava no seguinte: a versão que era utilizada pela Igreja Católica, na época, era a Vulgata, uma tradução da Bíblia para o latim, escrita entre fins do quarto século e início do quinto, por São Jerônimo, e nos mosteiros também se encontrava a Septuaginta, uma versão grega do Antigo Testamento. Além disto, a Igreja não estimulava a tradução para outros idiomas, por considerar a Bíblia um livro obscuro e não apropriado para ser lido por leigos. Isso fazia com que o povo sequer compreendesse o que era dito e estava escrito, pois o latim era a língua utilizada nas igrejas e o texto bíblico ficava nas mãos do clero. Os padres liam e interpretavam a bel prazer os ensinos da Bíblia, e afirmavam que os dogmas da Igreja tinham o mesmo peso ou ainda maior do que o que estava nas Escrituras Sagradas.

No entanto, como fazer uma tradução para o alemão, com uma diversidade tão grande de dialetos? Exemplificando: para a palavra irmã, ou schwester no alemão padrão, criado por Lutero, na região de Köln ou Colônia, se utilizava a palavra suster, em München ou Munique, swester. Para a palavra amor, Liebe no alemão padrão, em Colônia se utilizava a palavra minne. Poderia aqui, mencionar inúmeros outros exemplos, mas são suficientes para se entender o que Lutero teve que fazer.

Antes de tudo, temos que compreender uma questão geográfica da época. Lutero residia na região da Saxônia, localizada na parte leste da atual Alemanha e que estava em franca ascensão. As vias de comércio da Europa passavam pela Saxônia, e isto fazia com que pessoas de todos os territórios de língua alemã migrassem em grande quantidade para lá. E cada um vinha com um falar próprio o que acabava gerando uma mistura e a criação de uma língua comum, chamado de "alemão forense de Meissen" (Meissner Kanzleideutsch). Este dialeto local era entendido em quase todo o Sacro Império Romano da Nação Germânica, e foi a partir dele que Lutero iniciou a tradução, com algumas particularidades.

Para Lutero, a tradução da Bíblia não poderia ser palavra por palavra, teria que ser de uma forma que o texto final pudesse ser compreendido pelos leitores e ouvintes, tinha que ter sentido. Para tanto, orientou os seus auxiliares que fossem procurar as crianças na rua, falar com as donas de casa, com o padeiro e açougueiro, com as pessoas simples do mercado, para saber como se expressavam. Portanto, a recomendação era que o tradutor não focasse na complexidade da língua da qual se traduz, mas sim, a forma como o povo se expressava. Lutero não tinha dúvida, a Bíblia traduzida tinha que "falar a língua do povo". Com esta arte de tradução, Lutero resgata o profundo significado do texto sagrado e fez isto a partir do universo linguístico do povo pobre. O fez de tal forma que, com fidelidade, conseguiu traduzir o sentido da língua original, e, assim, o povo alemão pode conhecer a Palavra de Deus em sua própria língua.

Por outro lado, apesar de unificar a língua alemã, não eliminou os mais variados dialetos que até hoje ainda existem na Alemanha. O que fez foi criar uma língua padrão, com um vocabulário e gramática próprias, apesar de algumas palavras serem pronunciadas de forma diferenciada em algumas regiões. O passo seguinte foi a criação das escolas em todo o Império Germânico, onde meninos e meninas aprendiam os aspectos léxico-gramaticais desta língua e, assim, podiam ler e interpretar a Bíblia. Além disso, podiam aprender todas as artes e conhecimentos previstos no currículo da época.

Formou-se um idioma alemão uniforme e erudito, que contribuiu diretamente para a sedimentação do sentimento de unidade cultural e econômica de uma nação alemã. Por isso, no século 18, quase trezentos anos depois, o poeta, filósofo e teólogo alemão Johann Gottfried von Herder afirmou que Martinho Lutero era merecedor do título: - "Mestre da nação alemã, sim, como correformador de toda a Europa, agora iluminada". E Johann Wolfgang von Goethe, considerado uma das mais importantes figuras da literatura alemã e do Romantismo europeu, que, no final do século 18 e início do século 19, escreveu o drama trágico Fausto, sua obra prima, além de romances, peças de teatro, poemas, escritos autobiográficos, reflexões teóricas nas áreas da arte, literatura e ciências naturais, declarou: - "Os alemães só se tornaram um povo por intermédio de Lutero". Tanto Goethe como Friedrich Schiller, poeta, filósofo, médico e historiador alemão, em dos grandes homens das letras da Alemanha no século 18, escreveram as suas obras nesta língua criada por Lutero.

E, 1763, o Império da Prússia derrotou a Saxônia na Guerra dos Sete Anos. Com isso, a Saxônia perdeu o papel de modelo cultural e, a partir de então, a língua oficial passou a ser o alemão padrão prussiano. Na Conferência para a Unificação da Ortografia Alemã, ocorrida em 1901, foram impostas regras fundamentais para a língua, uniformizando-a na Alemanha, na Suíça e na Áustria, que adotaram a ortografia prussiana. Entretanto, as regras léxico-gramaticais criadas por Martinho Lutero, testadas há séculos permaneceram, apesar da pronúncia das palavras serem modificadas. Isto mais uma vez tornou o reformador Martinho Lutero como pioneiro e precursor de uma língua padrão unificada.

Outro fator agregado a todo este panorama histórico é que na Alemanha o movimento que mais valorizou o nacionalismo foi a Reforma Protestante. Ao traduzir a Bíblia das línguas originais para o alemão, Martinho Lutero deu um grande passo para o nacionalismo e a unificação da própria Alemanha. A Reforma Protestante com o princípio de livre interpretação, e o Renascimento com sua arte foram e são elementos fundamentais para a nacionalidade, unificação e fortalecimento da Nação Alemã.

A tradução da Bíblia foi tão importante que estudiosos têm considerado Lutero como o pai da língua alemã e, além disso, muitos aprenderam a ler, na época, porque queriam ler as Escrituras. Eis um grande legado de Lutero e da Reforma Protestante para a atualidade.


Demais artigos da série 500 Anos da Reforma Protestante:

1- Luteranos e Católicos em paz?
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2016/10/luteranos-e-catolicos-em-paz.html

2- 500 Anos da Reforma Luterana
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/01/500-anos-da-reforma-luterana-02.html

3- A educação que transformou Lutero no herói da Reforma
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/02/a-educacao-que-transformou-lutero-no.html

4- Lutero - um monge agostiniano que encontrou a liberdade
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/03/lutero-um-monge-agostiniano-que.html

5- Mudança do sistema escolar promovida por Martinho Lutero
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/04/mudanca-do-sistema-escolar-promovida.html

6- Concepções de Lutero para a educação: escola pública, universal, gratuita e obrigatória
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/05/concepcoes-de-martinho-lutero-para.html

7 - Martinho Lutero - um escritor incansável
https://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/06/martinho-lutero-um-escritor-incansavel.html




Fonte: Alfarrábio Pensar


Prof. Wolfgang Teske
Colunista



Links Relacionados
[Colunista Wolfgang Teske] Martinho Lutero - Um Escritor Incansável
Em 2016, a UNESCO declarou como patrimônio mundial 14 escritos, únicos e autênticos de Martinho Lutero, com destaque especial para um cartaz contendo as 95 teses, que foram afixadas na Igreja do Castelo de Wittenberg, em 31 de outubro de 1517, data em que se deu início à Reforma Protestante, e um exemplar da Bíblia de Lutero, além de cartas, outros escritos e livros originais.


[Artigos Interessantes] Unesco Declara Escritos de Lutero Patrimônio Mundial
Entre os documentos está cartaz contendo 95 teses que introduziram a Reforma Protestante, em 1517. Lista de patrimônios inclui itens únicos, autênticos, de relevância internacional e insubstituíveis. A comissão alemã da Unesco incluiu nesta quinta-feira (17/03) 14 escritos de Martinho Lutero na lista de Patrimônios Mundiais. Trata-se de cartas e impressões originais, entre elas um exemplar da edição da Bíblia de Lutero em hebraico e um cartaz contendo as 95 teses que serviram de introdução à Reforma Protestante, em 1517.


[Estudos & Reflexões] A Teologia de Martinho Lutero
Antes de continuar narrando a vida de Lutero e seu trabalho reformador, devemos nos deter para considerar a sua teologia, que foi a base dessa vida e dessa obra. Ao chegar o momento da dieta de Worms, a teologia do Reformador havia alcançado sua maturidade. Então a partir daí, o que Lutero fez foi simplesmente elaborar as conseqüências dessa teologia. Portanto, este parece ser o momento adequado para interromper nossa narrativa, e dar ao leitor uma idéia mais adequada da visão que Lutero tinha da mensagem cristã. Ao contarmos sua peregrinação espiritual, dissemos algo sobre a doutrina da justificação pela fé. Porém essa doutrina, apesar de ser fundamental, não é a totalidade da teologia de Lutero.


[Estudos & Reflexões] Lutero e a Educação Cristã na Contemporaneidade
O presente artigo tem como objetivo levantar uma reflexão sobre o papel da igreja na contemporaneidade com relação à fomentação de uma educação verdadeiramente cristã. Para tanto, parte-se de uma sucinta análise do primeiro motivo para o investimento em escolas cristãs apresentado por Martinho Lutero (1483-1546) em sua carta aberta "Aos Conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs" de 1524. Após tal análise textual, faz-se uma crítica ao modelo educacional vigente, especialmente em nosso país. Conclui-se o artigo com uma reflexão sobre a necessidade urgente de formar uma nova geração de cristãos capazes de professarem sua fé em meio à sua atuação na sociedade.


[Estudos & Reflexões] A Reforma Protestante: Perguntas e Respostas
A Reforma Protestante foi importante para o cristianismo porque chamou a atenção para verdades (doutrinas) e práticas bíblicas que haviam sido esquecidas ou distorcidas pela Igreja Medieval. Não foi um movimento inovador, mas restaurador das convicções e ênfases do cristianismo original. Algumas de suas principais contribuições foram: retorno às Escrituras; a centralidade de Cristo; a salvação vista como dádiva da graça de Deus, a ser recebida por meio da fé; a Igreja não é a instituição ou a hierarquia, mas o povo de Deus – cada cristão é um sacerdote.

Comente!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008