Luteranos e Católicos em Paz?
Publicado neste site no dia:
26 de Abril de 2017, Quarta Feira, 15h55

No dia 31 de outubro de outubro de 2016 iniciam as comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante, na cidade de Lund, Suécia, com a presença do Papa Francisco, do presidente da Federação Luterana Mundial Bispo Munib A. Youman e do Secretário-geral Rev. Martin Junge. As cerimônias conjuntas ocorrerão em dois locais, inicialmente na Catedral da cidade e depois na cidade vizinha, na Arena de Malmö.

Esta celebração é inédita e passa a ser um marco em âmbito mundial, e, diga-se de passagem, está gerando controvérsias e alguns conflitos entre luteranos e católicos de vários países. Entretanto, é bom ressaltar que o objetivo maior deste encontro do Papa Francisco com a Federação Luterana Mundial representa um enorme passo na construção de um diálogo construtivo e ecumênico entre os mais de 72 milhões de cristãos luteranos de 98 países, e cristãos católicos com cerca de 1,3 bilhão de pessoas no mundo.

Para que se entenda melhor o que está ocorrendo é necessário conhecer o fato histórico da gênese do luteranismo e associada às palavras do Papa Francisco.

No dia 31 de outubro de 1517, o monge da Ordem dos Agostinianos, Martin Luther, ou Martinho Lutero, doutor em teologia, profundo conhecedor da filosofia grega e da história da igreja cristã, publicou e afixou 95 teses na porta da igreja de Wittenberg, na Alemanha. Neste documento denunciava os desvios da Igreja do seu tempo, contestava veementemente e negava a prática oficial da igreja, que era a venda de indulgências, o que significava auferir o perdão de pecados mediante pagamentos em dinheiro.

Este ato, no século XVI, representa uma ruptura de Lutero com a Igreja Católica Romana. Para Lutero, a salvação não poderia ser alcançada pelas boas obras ou por quaisquer méritos humanos, mas tão somente pela fé em Jesus Cristo, conforme descrito no livro de Romanos, na Bíblia, e obtida unicamente por graça divina. Isso gerou a base da teologia luterana conhecida como sola fide - só pela fé, sola gracia - só pela graça, e sola scriptura - somente pela escritura.

Como Lutero recusou a retratar-se, tanto pelas suas atitudes e, principalmente, por tudo o que tinha escrito e publicado, o Papa Leão X o excomungou da Igreja Romana, no dia 3 de janeiro de 1521 e, em seguida solicitou ao imperador do Sacro Império Romano Germânico Carlos V que ele fosse julgado perante a lei civil. Para não se indispor com o papado, o imperador realizou o julgamento, e no dia 25 de maio de 1521, Martinho Lutero foi condenado e declarado fugitivo e herege. Isto também significava que qualquer pessoa poderia matar o reformador sem temer o Império e nem a Igreja.



Agora, faltando um ano para se completarem os 500 anos deste evento histórico, ao iniciarem as celebrações, o Papa Francisco e os luteranos se unem em torno de um lema: "Do conflito para a Comunhão - Juntos na esperança". O Papa Francisco declarou que: "Acredito que as intenções de Lutero não tenham sido erradas, era um reformador, [...] ele protestou, era inteligente e deu um passo adiante justificando o porquê o fazia. Vemos que a Igreja não era precisamente um modelo a imitar: havia corrupção, mundanismo, apego à riqueza e ao poder. Hoje, protestantes e católicos estamos de acordo com a doutrina da justificação".
Não tenho dúvidas, de que este é um dos caminhos na construção da paz.



Publicado no Jornal do Tocantins, 31/10/2016.
Disponível em: http://www.jornaldotocantins.com.br/
editorias/opiniao/tend%C3%AAncias-ideias-1.456289/luteranos-e-cat%C3%B3licos-em-paz-1.1171534.



Fonte: Alfarrábio Pensar


Prof. Wolfgang Teske
Colunista



Links Relacionados
[Estudos & Reflexões] Lutero Vs Eck: Debate e Defesa do Fr. Martinho Lutero Contra as Acusações do Dr. João Eck
Ao final da entrevista com Miltitz[2] (4 e 5 de janeiro de 1519), Lutero prometera não publicar mais nada sobre a questão das indulgências, desde que seus adversários não publicassem mais nada contra ele. Entrou então em cena o dr. João Eck[3], principal teólogo da Universidade de Ingolstadt e renomado debatedor. Eck fora um dos primeiros a atacar, no início de 1518, as 95 teses de Lutero, numa obra (não impressa) intitulada Obeliscos, na qual já chamava Lutero de hussita fanático e de herege. Lutero respondeu de forma igualmente violenta em seus Asteriscos[4].


[Estudos & Reflexões] A Teologia de Martinho Lutero
Antes de continuar narrando a vida de Lutero e seu trabalho reformador, devemos nos deter para considerar a sua teologia, que foi a base dessa vida e dessa obra. Ao chegar o momento da dieta de Worms, a teologia do Reformador havia alcançado sua maturidade. Então a partir daí, o que Lutero fez foi simplesmente elaborar as conseqüências dessa teologia. Portanto, este parece ser o momento adequado para interromper nossa narrativa, e dar ao leitor uma idéia mais adequada da visão que Lutero tinha da mensagem cristã. Ao contarmos sua peregrinação espiritual, dissemos algo sobre a doutrina da justificação pela fé. Porém essa doutrina, apesar de ser fundamental, não é a totalidade da teologia de Lutero.


[Estudos & Reflexões] Lutero e a Educação Cristã na Contemporaneidade
O presente artigo tem como objetivo levantar uma reflexão sobre o papel da igreja na contemporaneidade com relação à fomentação de uma educação verdadeiramente cristã. Para tanto, parte-se de uma sucinta análise do primeiro motivo para o investimento em escolas cristãs apresentado por Martinho Lutero (1483-1546) em sua carta aberta "Aos Conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs" de 1524. Após tal análise textual, faz-se uma crítica ao modelo educacional vigente, especialmente em nosso país. Conclui-se o artigo com uma reflexão sobre a necessidade urgente de formar uma nova geração de cristãos capazes de professarem sua fé em meio à sua atuação na sociedade.


[Estudos & Reflexões] Um Sermão Sobre a Indulgência e a Graça
1. Em primeiro lugar, cumpre que saibam que vários novos mestres, tais como o mestre das Sentenças[2], S. Tomás[3] e seus seguidores, atribuem três partes à Penitência, quais sejam: a contrição, a confissão e a satisfação. Esta distinção, em seu conceito, dificilmente ou mesmo de forma alguma se acha fundamentada na Sagrada Escritura e nos antigos santos mestres cristãos. Mesmo assim queremos admiti-la por ora ou falar ou modo deles.


[Colunista Wolfgang Teske] 500 Anos da Reforma Luterana
O ano de 2017 está sendo um período de muitas comemorações para os luteranos. Diversos eventos ocorrerão no mundo todo, para lembrar o momento em que o monge e teólogo da Ordem dos Agostinianos Dr. Martinho Lutero pregou 95 teses na porta da igreja de Wittenberg, na Alemanha, no dia 31 de outubro de 1517. Estas teses eram afirmações que contestavam veementemente a venda de perdão de pecados mediante o pagamento em dinheiro.


[Colunista Hudson Lebourg] A Queima na Bula Papal. Um Basta nas Indulgências.
"Se eu pelo texto ou uma razão plausível certificados motivo convincente, querem uma resposta objetiva: Não - Porque nem concílios e nem o papa, penso, estão certo, mas errados que se contradizem muitas vezes - e por ISSO a carta citada fico por mim, amarrado As Palavras".


[Estudos & Reflexões] A Reforma Protestante: Perguntas e Respostas
A Reforma Protestante foi importante para o cristianismo porque chamou a atenção para verdades (doutrinas) e práticas bíblicas que haviam sido esquecidas ou distorcidas pela Igreja Medieval. Não foi um movimento inovador, mas restaurador das convicções e ênfases do cristianismo original. Algumas de suas principais contribuições foram: retorno às Escrituras; a centralidade de Cristo; a salvação vista como dádiva da graça de Deus, a ser recebida por meio da fé; a Igreja não é a instituição ou a hierarquia, mas o povo de Deus – cada cristão é um sacerdote.

Comente!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008