A Educação Que Transformou Lutero no Herói da Reforma Protestante


Publicado neste site no dia:
02 de Abril de 2017, Domingo, 18h23

Lutero é considerado um herói da Reforma Protestante. Entretanto, para entendermos esta história, é necessário fazer uma retrospectiva analítica da vida deste homem que abalou a sociedade medieval nos dois principais pilares, a religião e a política.

Lutero foi o primogênito de uma família pobre e humilde. Nasceu no dia 10 de novembro de 1483, na cidade de Eisleben, na Alemanha. Seus pais Hans e Margarethe eram muito religiosos e, por isso, levaram seu primeiro filho ao batismo no dia seguinte, na Igreja de São Pedro e São Paulo e lhe deram o nome de Martinho, em homenagem ao santo reverenciado naquele dia. A infância de Lutero se deu na cidade de Mansfeld, onde aprendeu a ler e escrever, a memorizar os Dez Mandamentos, o Credo Apostólico e a oração do Pai Nosso, entretanto sem a menor explicação e aplicação do verdadeiro sentido destes preceitos. Ainda na infância, a vocação pela música e pelo canto já era evidente.

A vida escolar de Lutero não foi fácil. Não havia escolas públicas gratuitas e mais tarde deixaria escrito:

"Meu pai, em sua juventude, era um pobre mineiro; mamãe trazia toda a lenha para casa nas costas, sacrificando-se para nos poder educar. Sujeitaram-se a uma vida extremamente penosa".

No inverno, ainda garotinho, foi carregado nos braços por amigos mais velhos, por causa da neve que dificultava a ida e o retorno da escola. Por outro lado, todo este processo fez parte do início de sua formação intelectual. Desde cedo, demonstrava interesse pelos estudos e, aos 14 anos, tendo concluído todas as séries iniciais, deixou a casa de seus pais para ingressar na escola do mosteiro de Magdeburgo.

Para avançar nos estudos, mudou-se para Eisenach, onde passou muitas dificuldades e privações. Mesmo assim não desistiu. Para custear os seus estudos e ter o pão de cada dia, cantava diante das casas da cidade e em troca recebia algum dinheiro e alimentos. Sua voz se destacava e o casal Conrado e Úrsula Cotta o acolheu em sua casa. Assim ganhou mais tempo para os estudos. Foi nesta época que aprendeu oratória, línguas antigas, poesia e a tocar alaúde, um instrumento de cordas de origem árabe.

Aos 18 anos, Lutero ingressou na conceituada Faculdade de Direito de Erfurt, para estudar jurisprudência. Seu pai, que trabalhava nas minas de cobre, já imaginava o seu filho prefeito ou pessoa influente, talvez conselheiro municipal.

Lutero sempre se destacou na universidade, ao ponto dos próprios colegas o apelidarem de filósofo e músico. Nesta universidade, considerada a mais famosa da Alemanha, ele estudou ciências naturais, história, direito, filosofia e astronomia, e foi na biblioteca que ele descobriu, aos 20 anos, pela primeira vez, uma Bíblia completa escrita em latim. Sem dúvida, a leitura deste Livro Sagrado prendeu a sua atenção, e, por outro lado, aumentou ainda mais o conflito com que se debatia em seu espírito e que lhe perturbava sobremaneira. Pois a religião que conhecia até então, era de um Deus irado e que exigia dos fiéis muita penitência e a realização de muitas boas obras para que se pudesse obter a bem-aventurança e a salvação eterna.

Aos 19 anos, conquistou o título de bacharel e com 21 anos, alcançou o mestrado em artes em segundo lugar. A alegria dele e da família foi muito grande, pois, a partir deste momento, estava apto a lecionar filosofia na Universidade de Erfurt. Contudo, uma mudança radical em sua vida ocorreu em uma de suas viagens, ao passar por uma terrível tempestade. Com medo de morrer invocou a proteção de Santa Ana para livrá-lo daquele momento e, em troca, ingressaria em um convento e se tornaria monge.

Esta decisão não agradou o seu pai que ficou muito contrariado. Já os colegas da universidade ficaram perplexos com esta decisão, sem compreenderem esta atitude.

Lutero entrou para o Convento Agostiniano dos Frades Mendicantes, uma das Ordens mais severas de Erfurt, fazendo o tríplice voto de obediência, pobreza e castidade. Foi neste Convento que continuou a estudar, mas com o foco centrado nos ensinamentos bíblicos e nas línguas antigas, principalmente, dedicando-se a estudar o livro dos Salmos, as cartas de Paulo aos Romanos e aos Gálatas.

ção de Lutero era notável, e o príncipe Frederico, o Sábio, que havia fundado uma universidade na cidade Wittenberg, o convidou para lecionar, pois necessitava de pessoas com alto grau de conhecimento. Continuando seus estudos, agora na biblioteca desta universidade, começou a atrair cada vez mais jovens e, inclusive, ilustres professores para ouvir as explicações que dava sobre as Escrituras. O reitor Pollich afirmou em certa ocasião: "Nenhuma filosofia poderá destruir esta Palavra". As pregações de Lutero causaram um grande impacto e admiração por parte de quem o ouvia, pois falava com conhecimento e asseverava com firmeza: "Está escrito! Assim diz o Senhor".

ítulo acadêmico, o de doutor em Teologia. Enquanto todos os sinos de Wittenberg tocavam, lhe foi entregue o capelo e o anel de doutor. Seus estudos continuaram e se convencia cada vez mais da necessidade da Igreja mudar e abandonar seus erros, e seguir pelos caminhos traçados pelo próprio Jesus e pelos apóstolos. Infelizmente, as consequências da determinação de Lutero foram a sua condenação decretada pelo Imperador Carlos V e a excomunhão por parte da Igreja Católica. A argumentação de Lutero sempre foi: "Me convençam com as Escrituras Sagradas e reconhecerei o erro do qual me acusam".

Lutero tornou-se um intelectual, escritor, professor, educador e pregador por causa da educação. Esta foi a mola propulsora e a chave da mudança de sua vida, da história do cristianismo e da sociedade de sua época, com repercussão pelo mundo até os dias atuais. Nada o afastou dos estudos, nem a neve na infância, nem as dificuldades financeiras, ou as enfermidades. Tornou-se o líder da reforma protestante pela sua persistência e capacidade em divulgar a grande redescoberta do que está escrito na carta de Paulo aos Romanos 1.17: "O justo viverá por fé".

Lutero deixou escrito que: "A Bíblia é uma erva, quanto mais se manuseia, mais perfume ela exala". Que possamos nós, em pleno século 21, ao comemorarmos os 500 anos da Reforma, ter a mesma determinação de Lutero pelos estudos, principalmente das verdades reveladas na Bíblia e, assim, encontrar a paz.


Fonte: Alfarrábio Pensar


Prof. Wolfgang Teske
Colunista



Links Relacionados
[Estudos & Reflexões] Lutero Vs Eck: Debate e Defesa do Fr. Martinho Lutero Contra as Acusações do Dr. João Eck
Ao final da entrevista com Miltitz[2] (4 e 5 de janeiro de 1519), Lutero prometera não publicar mais nada sobre a questão das indulgências, desde que seus adversários não publicassem mais nada contra ele. Entrou então em cena o dr. João Eck[3], principal teólogo da Universidade de Ingolstadt e renomado debatedor. Eck fora um dos primeiros a atacar, no início de 1518, as 95 teses de Lutero, numa obra (não impressa) intitulada Obeliscos, na qual já chamava Lutero de hussita fanático e de herege. Lutero respondeu de forma igualmente violenta em seus Asteriscos[4].


[Estudos & Reflexões] A Teologia e a Vida Espiritual na Baixa Idade Média
A baixa Idade Média em geral é descrita sobretudo sob o aspecto do declínio, da desintegração e da decadência, uma interpretação que se reflete no título de um estudo clássico desse período, The Waning of the Middle Ages [O Declínio da Idade Média], de Johan Huizinga. Época de adversidade e instabilidade, os séculos XIV e XV tornaram-se terra de ninguém entre a síntese medieval do século XIII, com suas catedrais góticas e sumas escolásticas, e os grandes movimentos reformadores do século XVI.


[Estudos & Reflexões] A Teologia de Martinho Lutero
Antes de continuar narrando a vida de Lutero e seu trabalho reformador, devemos nos deter para considerar a sua teologia, que foi a base dessa vida e dessa obra. Ao chegar o momento da dieta de Worms, a teologia do Reformador havia alcançado sua maturidade. Então a partir daí, o que Lutero fez foi simplesmente elaborar as conseqüências dessa teologia. Portanto, este parece ser o momento adequado para interromper nossa narrativa, e dar ao leitor uma idéia mais adequada da visão que Lutero tinha da mensagem cristã. Ao contarmos sua peregrinação espiritual, dissemos algo sobre a doutrina da justificação pela fé. Porém essa doutrina, apesar de ser fundamental, não é a totalidade da teologia de Lutero.


[Estudos & Reflexões] Escritos de Lutero: Que Jesus Cristo Nasceu Judeu (1523) / Sobre os Judeus e Suas Mentiras (1543)
Esta página é a mais longa do site, pois nela decidi passar os dois escritos completos de Martinho Lutero sobre os Judeus em um só local. O motivo deste meu trabalho é simplesmente mostrar a obra completa de Lutero. Pois quando pesquisamos sobre a relação que Lutero teve com os judeus pela internet, infelizmente apenas encontramos pedaços de trechos de suas obras. Nunca a obra completa. E acabamos que interpretando uma frase isolada sem nos importarmos com o contexto.


[Estudos & Reflexões] Lutero e a Educação Cristã na Contemporaneidade
O presente artigo tem como objetivo levantar uma reflexão sobre o papel da igreja na contemporaneidade com relação à fomentação de uma educação verdadeiramente cristã. Para tanto, parte-se de uma sucinta análise do primeiro motivo para o investimento em escolas cristãs apresentado por Martinho Lutero (1483-1546) em sua carta aberta "Aos Conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs" de 1524. Após tal análise textual, faz-se uma crítica ao modelo educacional vigente, especialmente em nosso país. Conclui-se o artigo com uma reflexão sobre a necessidade urgente de formar uma nova geração de cristãos capazes de professarem sua fé em meio à sua atuação na sociedade.


[Estudos & Reflexões] Um Sermão Sobre a Indulgência e a Graça
1. Em primeiro lugar, cumpre que saibam que vários novos mestres, tais como o mestre das Sentenças[2], S. Tomás[3] e seus seguidores, atribuem três partes à Penitência, quais sejam: a contrição, a confissão e a satisfação. Esta distinção, em seu conceito, dificilmente ou mesmo de forma alguma se acha fundamentada na Sagrada Escritura e nos antigos santos mestres cristãos. Mesmo assim queremos admiti-la por ora ou falar ou modo deles.


[Estudos & Reflexões] Conversas à Mesa com Lutero (Parte 2) - As Obras de Deus
Todas as obras de Deus são inescrutáveis e inexplicáveis. Nenhum sentido humano pode descobri-las. Somente a fé é que pode apreendê-las, sem o poder ou auxílio humanos. Nenhuma criatura mortal pode compreender Deus em sua majestade. Por isso, ele veio a nós de maneira mais simples, foi feito homem, não é mesmo? Pecado, morte e fraqueza. Em todas as coisas, nas menores criaturas e nos seus membros, brilham claramente o poder supremo e as obras maravilhosas de Deus. Pois qual é o homem, por mais poderoso, sábio e santo, que pode fazer de um figo uma figueira ou um outro figo, ou de um grão de cereja uma cereja ou um pé de cerejas? Qual é o homem que sabe como Deus cria e preserva todas as coisas e faz com que se desenvolvam? Nem mesmo podemos entender como o olho vê, ou como são simplesmente pronunciadas palavras inteligíveis quando a língua se move e se mexe na boca, tudo coisas naturais, diariamente vistas e praticadas. Como é que, então, seríamos capazes de compreender ou entender os secretos conselhos da majestade de Deus, perscrutá-los com nossos sentidos, razão e entendimento humanos? Deveríamos, então, admirar a nossa própria sabedoria? Eu, de minha parte, me considero um tolo e me mantenho cativo.


[Estudos & Reflexões] Conversas à Mesa com Lutero (Parte 1) - Palavra de Deus
Que a Bíblia é a palavra de Deus e o seu Livro, eu o provo desta forma: Todas as coisas que existiram e existem no mundo e a forma sob a qual existem encontram-se descritas no primeiro livro de Moisés sobre a criação; exatamente como Deus criou e deu forma à terra, e assim a terra permanece até hoje. Potentados infinitos se iraram contra esse livro e tentaram destruí-lo e exterminá-lo – o rei Alexandre Magno, os príncipes do Egito e da Babilônia, os monarcas da Pérsia, da Grécia e de Roma, os imperadores Júlio e Augusto – porém eles não prevaleceram; estão todos liquidados e extintos, enquanto que o Livro permanece e permanecerá para sempre, perfeito e intacto, como foi dito primeiro. Quem o assim auxiliou – quem o assim protegeu contra tais forças poderosas? Com certeza ninguém, a não ser Deus mesmo que é o senhor de todas as coisas. E não se trata de um milagre pequeno Deus tem preservado e protegido esse Livro; pois o diabo e o mundo são-lhe inimigos furiosos. Acredito que o maligno tenha destruído muito bons livros da igreja, da mesma forma que outrora matou e destruiu muitas pessoas piedosas, cuja memória agora está esquecida, porém a Bíblia Deus de bom grado deixou subsistir. Da mesma forma, o batismo, o sacramento do altar, o verdadeiro corpo e sangue de Cristo e o ofício da pregação permaneceram até nós, a despeito de uma infinidade de tiranos e de perseguidores heréticos. Deus, pelo seu poder único, conservou tais coisas; vamos, então, sem medo de impedimento batizar, administrar o sacramento e pregar. Homero, Virgílio e outros escritores nobres, finos e profícuos legaram-nos livros de longa antiguidade, mas estes representam zero em relação à Bíblia. Enquanto a igreja papista preponderava, a Bíblia nunca foi franqueada às pessoas em uma forma tal que pudesse ser lida de forma clara, inteligível, segura e fácil, como agora podem fazê-lo na versão em alemão que, graças a Deus, preparamos aqui em Wittenberg.

Comente!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008