Os Ecos do Martelo de Martinho Lutero Ressoam há 500 Anos
Publicado neste site no dia:
29 de Novembro de 2017, Quarta Feira, 00h10

Série 500 Anos da Reforma Protestante

O dia 31 de outubro de 1517, amplamente difundido como o marco inicial da Reforma Protestante, relembra o momento em que o doutor Martinho Lutero, segurando em uma das mãos um martelo e na outra algumas folhas de papel, segue determinado até a porta da igreja do Castelo de Wittenberg, na Alemanha, onde afixou as 95 teses.

Nestas teses, denunciava claramente o vergonhoso e escandaloso comércio de perdão de pecados, tanto para os vivos como para os mortos, com garantias da saída das almas do purgatório e até perdão total, garantindo o céu, a depender do valor pago pelas indulgências. Lutero escrevera estas teses em latim, para que os intelectuais, professores e alunos que dominavam a língua latina, pudessem refletir sobre a gravidade da situação, que afrontava a essência da verdade bíblica sobre a salvação e justificação unicamente pela graça de Deus, mediante a fé em Jesus Cristo, e que a Igreja retornasse às verdades bíblicas. Em seguida, traduzidas para várias línguas, se espalharam pela Europa.

Para compreendermos esta atitude de Lutero, é necessário conhecer o contexto histórico, em seu aspecto religioso, eclesiástico, político e econômico. As indulgências eram uma prática antiga na Igreja Católica Romana, que tinham por objetivo remir as penas temporais dos pecados cometidos, em outras palavras, após a pessoa reconhecer os pecados cometidos e confessá-las perante o monge, teria que pagar de diversas formas. Entretanto, com o passar do tempo, a Igreja viu a possibilidade de se fazer um grande negócio com as indulgências, visando arrecadar fundos para a sua manutenção e para a construção da Basílica de São Pedro. É neste contexto, que os abusos desta prática revoltam o doutor Martinho Lutero, profundo conhecedor das Escrituras Sagradas.

O comércio das indulgências estava diretamente ligado à veneração das chamadas relíquias sagradas, que eram considerados verdadeiros tesouros, inclusive com certificados de autenticidade, mesmo que falsos. Em Roma se encontrava a maior coleção destas relíquias, que poderiam ser veneradas ou adquiridas, movimentando o comércio religioso. Para citar apenas alguns exemplos: ali se encontrava parte da fogueira de Moisés; a toalha de Verônica que tinha a face de Jesus gravada após ter enxugado o seu rosto; uma das moedas que Judas Iscariotes recebera pela traição de Jesus; pedaços da cruz de Cristo; alguns espinhos, a lança que perfurou o corpo de Jesus na cruz; pedaços de roupas e até terra de sepulturas de alguns santos; até a escadaria de 28 degraus do palácio de Pilatos, na qual Jesus subira para se apresentar para ser julgado e, que, segundo a Igreja, teria sido transportada por anjos pelos ares até lá, e quem subisse nela de joelhos, mediante pagamento, receberia uma indulgência de nove anos. Além destas, havia milhares de outras relíquias.

Mas não era só em Roma que se encontravam este tipo de relíquias, pois em Wittenberg, na Alemanha, Frederico, o Sábio, príncipe eleitor da Saxônia e dono da Universidade que contratou Lutero como professor, tinha um acervo de 17.443 relíquias sagradas, atraindo romeiros de muitos lugares, o que rendia muito dinheiro ao príncipe. Entre estas relíquias se encontrava uma pena da asa do arcanjo São Miguel; o único pedaço da arca de Noé; uma lasca do presépio de Jesus; fios de cabelo e barba de São Cristóvão; entre milhares de outras coisas. Após o príncipe Frederico ter aderido ao luteranismo abandonou estas suas "preciosidades".

Associada a esta prática, surge a venda das cartas de indulgências a partir de uma decisão do papa Júlio II, apelidado por Maquiavel de "o terrível". O papa necessitava de dinheiro, pois comandava pessoalmente exércitos em campanhas militares para conquistar mais territórios, além de ter iniciado a construção da Basílica de São Pedro, em 1506. Após sua morte em 1513, foi sucedido pelo papa Leão X, que decidiu concluir a obra monumental da Basílica. Como necessitava de muito dinheiro para isto, fez um empréstimo na casa bancária mais poderosa da Europa, localizada em Augsburgo, na Alemanha. Para pagar este empréstimo, se elaborou um enorme sistema mercadológico de vendas de indulgências, muito bem organizado: havia um produto ou serviço, havia uma equipe de vendas, tabela de preços para os diversos tipos de pecados, uma política de propaganda e, inclusive, a possibilidade de franquias.

O arcebispo da Alemanha, Alberto von Hohenzollern ficou responsável pela negociação bancária e o pagamento, e na medida em que a arrecadação ia acontecendo parte desta teria que ser enviada para Roma, outra para pagamento do empréstimo, e mais uma para o próprio banqueiro que fez o negócio em parceria. O arcebispo Alberto foi designado como comissário-mor que, por sua vez, contratou João Tetzel, como subcomissário. Tetzel tinha um poder de amedrontar as pessoas com as ameaças da Igreja e ficou conhecido pela frase: - "Antes que o dinheiro tilinte na caixa, a alma sai do purgatório".

Os ecos do martelo de Lutero atingiram o centro do sistema econômico da Igreja. Na 82ª tese, estava escrito: - "Por que o papa não livra de uma só vez todas as almas do purgatório, movido pela santíssima caridade e considerando a mais premente necessidade das mesmas, havendo santa razão para tanto, quando, em troca de vil dinheiro para a construção da Basílica de São Pedro, livra inúmeras delas, logo por motivo tão insignificante"? Na 62ª tese escreveu: - "O verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo Evangelho da glória e da graça de Deus". Na 52ª tese afirmou: - "Vã é a confiança de salvação conferida pelas cartas de indulgências, mesmo que o comissário ou até mesmo o próprio Papa dessem sua alma como garantia pelas mesmas".

Por causa das 95 teses, Lutero foi classificado como um sujeito problemático e uma ameaça, pois estava acabando com os negócios da Cúria Romana. Em um dos sermões, João Tetzel acusou o monge Lutero de heresiarca, herege, cismático, errôneo, temerário e caluniador. Se isso não bastasse, também o chamou de diabo travestido de monge, cultura vulgar e maligna, desprezível criatura, fradeco e monstro da universidade de Wittenberg. Dizia também: - "É preciso cortar sua cabeça antes que lace mais chamas sobre a cristandade. Basta de mentiras! Basta de lançar os cristãos contra o amado papa". O ódio de Tetzel se revelou ainda com maior intensidade ao queimar as 95 teses e sermões de Lutero e exclamar: - "Assim como queimo os pensamentos de um herege, assim quero ver arder o corpo e a alma do amaldiçoado Martinho Lutero".

Os ecos do martelo de Lutero chegaram à Roma e, por sua vez, foram a causa de sua excomunhão pelo Papa Leão X. Os ecos do martelo também chegaram ao imperador Carlos V, que o condenou, tornando-o um criminoso, um fora da lei que merecia a morte. Entretanto os ecos do martelo de Lutero também chegaram a muitos que acreditaram na mensagem salvadora revelada pelo reformador, dando sequência aos seus ensinamentos, fazendo surgir o luteranismo e o protestantismo. Os ecos do martelo de Lutero atravessaram cinco séculos e ressoaram novamente em Roma, momento em que o papa Francisco afirma: - "Acredito que as intenções de Lutero não tenham sido erradas, era um reformador, [...] ele protestou, era inteligente e deu um passo adiante justificando por que o fazia. Vemos que a Igreja não era precisamente um modelo a imitar: havia corrupção, mundanismo, apego à riqueza e ao poder".

Os ecos do martelo de Lutero ainda não chegaram a muitas igrejas ditas evangélicas da atualidade, que oprimem os seus fiéis com uma teologia da prosperidade, que é uma nova versão das indulgências do passado. Contudo, os ecos do martelo de Lutero já chegaram a todos os continentes com a mensagem salvadora de Deus que ocorre por graça, mediante a fé, conforme está escrito nas Escrituras Sagradas. Soli Deo Gloria.


Demais artigos da série 500 Anos da Reforma Protestante:

1- Luteranos e Católicos em paz?
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2016/10/luteranos-e-catolicos-em-paz.html

2- 500 Anos da Reforma Luterana
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/01/500-anos-da-reforma-luterana-02.html

3- A educação que transformou Lutero no herói da Reforma
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/02/a-educacao-que-transformou-lutero-no.html

4- Lutero - um monge agostiniano que encontrou a liberdade
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/03/lutero-um-monge-agostiniano-que.html

5- Mudança do sistema escolar promovida por Martinho Lutero
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/04/mudanca-do-sistema-escolar-promovida.html

6- Concepções de Lutero para a educação: escola pública, universal, gratuita e obrigatória
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/05/concepcoes-de-martinho-lutero-para.html

7 - Martinho Lutero - um escritor incansável
https://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/06/martinho-lutero-um-escritor-incansavel.html


8 - Martinho Lutero - precursor da unificação da língua alemã
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/07/martinho-lutero-precursor-da-unificacao.html

9 - Martinho Lutero - um intelectual à frente de seu tempo
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/08/martinho-lutero-um-intelectual-frente.html

10 - Martinho Lutero e a Música
http://alfarrabioteske.blogspot.com.br/2017/09/martinho-lutero-e-musica.html





Fonte: Alfarrábio Pensar


Prof. Wolfgang Teske
Colunista



Links Relacionados
[Colunista Wolfgang Teske] Martinho Lutero - Um Escritor Incansável
Em 2016, a UNESCO declarou como patrimônio mundial 14 escritos, únicos e autênticos de Martinho Lutero, com destaque especial para um cartaz contendo as 95 teses, que foram afixadas na Igreja do Castelo de Wittenberg, em 31 de outubro de 1517, data em que se deu início à Reforma Protestante, e um exemplar da Bíblia de Lutero, além de cartas, outros escritos e livros originais.


[Artigos Interessantes] Unesco Declara Escritos de Lutero Patrimônio Mundial
Entre os documentos está cartaz contendo 95 teses que introduziram a Reforma Protestante, em 1517. Lista de patrimônios inclui itens únicos, autênticos, de relevância internacional e insubstituíveis. A comissão alemã da Unesco incluiu nesta quinta-feira (17/03) 14 escritos de Martinho Lutero na lista de Patrimônios Mundiais. Trata-se de cartas e impressões originais, entre elas um exemplar da edição da Bíblia de Lutero em hebraico e um cartaz contendo as 95 teses que serviram de introdução à Reforma Protestante, em 1517.


[Estudos & Reflexões] A Teologia de Martinho Lutero
Antes de continuar narrando a vida de Lutero e seu trabalho reformador, devemos nos deter para considerar a sua teologia, que foi a base dessa vida e dessa obra. Ao chegar o momento da dieta de Worms, a teologia do Reformador havia alcançado sua maturidade. Então a partir daí, o que Lutero fez foi simplesmente elaborar as conseqüências dessa teologia. Portanto, este parece ser o momento adequado para interromper nossa narrativa, e dar ao leitor uma idéia mais adequada da visão que Lutero tinha da mensagem cristã. Ao contarmos sua peregrinação espiritual, dissemos algo sobre a doutrina da justificação pela fé. Porém essa doutrina, apesar de ser fundamental, não é a totalidade da teologia de Lutero.


[Estudos & Reflexões] Lutero e a Educação Cristã na Contemporaneidade
O presente artigo tem como objetivo levantar uma reflexão sobre o papel da igreja na contemporaneidade com relação à fomentação de uma educação verdadeiramente cristã. Para tanto, parte-se de uma sucinta análise do primeiro motivo para o investimento em escolas cristãs apresentado por Martinho Lutero (1483-1546) em sua carta aberta "Aos Conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs" de 1524. Após tal análise textual, faz-se uma crítica ao modelo educacional vigente, especialmente em nosso país. Conclui-se o artigo com uma reflexão sobre a necessidade urgente de formar uma nova geração de cristãos capazes de professarem sua fé em meio à sua atuação na sociedade.


[Estudos & Reflexões] A Reforma Protestante: Perguntas e Respostas
A Reforma Protestante foi importante para o cristianismo porque chamou a atenção para verdades (doutrinas) e práticas bíblicas que haviam sido esquecidas ou distorcidas pela Igreja Medieval. Não foi um movimento inovador, mas restaurador das convicções e ênfases do cristianismo original. Algumas de suas principais contribuições foram: retorno às Escrituras; a centralidade de Cristo; a salvação vista como dádiva da graça de Deus, a ser recebida por meio da fé; a Igreja não é a instituição ou a hierarquia, mas o povo de Deus – cada cristão é um sacerdote.

Comente!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008