IGREJA SANGRENTA - Ecoar a Voz de Cristo
Publicado neste site no dia:
28 de Fevereiro de 2018, Quarta Feira, 12h09


O dia-dia, na maioria das vezes, nos propõe uma vida objetiva, isto é: qual o time que você torce? De que lado você está? Isso é certo ou errado? Você é de direita ou esquerda (no campo da política)? Essas são as exigências da vida que, também, na maioria das vezes, nos enquadramos e alinhamos a nosso pensamento a fim de alcançar aceitação e uma definição de quem nós somos. A motivação de vida definida em vários contextos pressupõe a ideia de que você seja uma pessoa "bem resolvida" e capaz de viver de maneira livre das alienações.

Embora, essa perspectiva seja boa e necessária para atendermos uma coisa legal e saudável definida pela filosofia, que é o espanto - a capacidade de duvidar das coisas - não podemos esquecer que a nossa fé cristã já se preocupou com a nossa identidade, ou seja, no esforço do enquadramento ideológico que virá imprescindivelmente acompanhado de um posicionamento (ainda que não seja a nossa intenção), se faz necessário o resgate da lembrança que Cristo, habitou entre nós, e nos deu um modelo de vida a ser seguido que logo seria identificado como cristãos. Essa identidade proposta por Cristo é inegociável a qualquer custo e sentimento: "Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre a filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra. Assim, os inimigos do homem serão os da sua própria casa. Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim. Quem acha a sua vida perdê-la-á; quem, todavia, perde a vida por minha causa achá-la-á". Mat 10.34-39

Embora possa soar estranho o Príncipe da Paz promover a guerra, essa passagem precisa ser entendida pela intenção de Jesus em promover a definição de identidade que irá encontrar conflitos com outras, não por sentimento de CAUSAS, mas por um sentimento de SEGUIMENTO, pois quem acha que achou sua vida, nele perdeu. Nesse sentido, Cristo promoveu uma identidade aos seus discípulos que não poderia ser falsificada, nem tampouco, duplicada. Porém, essas questões precisam ser vistas com delicadeza, a final, não podemos ter apatia pelas questões que achamos que estão além da lente cristã, uma vez que, temos a tendência de dicotomizar as coisas e através dos discursos separamos o que é sagrado e profano.

Um filósofo francês chamado Albert Camus, aproximou a relação do cristão com a sociedade e escreveu: "O que o mundo espera dos cristãos é que se expressem em voz alta e clara... de tal maneira que nenhuma dúvida sequer, por mais ínfima que seja, possa surgir no coração até do mais simples dos homens". E é exatamente esse o chamado de Cristo: o pronunciamento da voz Dele que habita em nós e não a repetição da voz que a sociedade já possui. Portanto, é necessário um espanto da própria voz, de modo que gere uma voz do Cristo, para que não seja uma voz modificada por efeitos sociais, sentimentais, políticos e até mesmo religiosos.


Rilton Filho
Colunista



Links Relacionados
Não há links relacionados no momento;

Comente!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008