A Mariologia de João Calvino (Parte 1)

Publicado neste site no dia:
17 de Janeiro de 2021, Domingo, 14h41


Não há muito material detalhado sobre a mariologia de Calvino. Um dos poucos é o historiador católico romano Thomas O'Meara em seu livro, Mary in Protestant and Catholic Thought [Nova York: Sheed and Ward, 1963]. O'Meara assim diz sobre a Mariologia de Calvino:

Dificilmente se pode dizer que Martinho Lutero escreveu uma teologia mariana, mas mesmo assim ele escreveu obras centradas em Maria, um comentário sobre o Magnificat, sermões para seus dias de festa. Este não é o caso de Calvino. Exceto por seus comentários sobre os primeiros capítulos de Lucas e seus sermões nesta mesma área do Novo Testamento, Calvino trata Maria apenas de passagem [O’Meara, p. 125]. Veja aqui: Mary in Protestant and Catholic Theology.

Irei colocar abaixo, algumas das citações que os apologistas católicos usam em tentar provar que Calvino era devoto de Maria:

"Helvídio mostrou-se por demais ignorante, ao dizer que Maria teve vários filhos, porque em algumas passagens se faz menção aos irmãos de Cristo." (Calvino traduziu "irmãos" neste contexto para significar primos ou parentes.) [Bernard Leeming, "Protestants and Our Lady", Marian Library Studies, janeiro de 1967, p.9].

A fonte fornecida não é João Calvino, mas sim, "Bernard Leeming, Protestants and Our Lady, Marian Library Studies, janeiro de 1967, p.9". O artigo de Leeming pode ser encontrado aqui: Protestants and Our Lady.

Ele afirma:

Max Thurian diz: "O próprio Calvino acredita que Maria não teve outros filhos, e ataca Helvídio --- não, ao que parece, para defender a virgindade perpétua de Maria, mas sim para afirmar a plenitude do dom de Deus em Jesus Cristo. "Helvídio mostrou-se muito ignorante, ao dizer que Maria teve vários filhos, porque em algumas passagens se faz menção aos irmãos de Cristo". Calvino traduz adelphoi por 'primos' ou 'parentes'. Já dissemos em outro lugar que de acordo com o costume dos hebreus todos os parentes são chamados de 'irmãos'"

Leeming está citando Thurian que está citando Calvino! Aqui está o que Thurian declarou: Mary Mother Of All Christians.



Vejam como as palavras de Thurian foram citadas por Leeming e como Leeming foi posteriormente citado por The Protestant Reformers on Mary. Para a citação de Calvino em questão, Thurian cita "O Comentário sobre Mateus 13:55". Vejam a citação do comentário de Calvino sobre Mateus 13:55: Commentary on harmony of the evangelist, Matthew, Mark, and Luke. 1845-46.

55. Não é este o filho do carpinteiro? Foi, sabemos, pelo maravilhoso propósito de Deus, que Cristo permaneceu na vida privada até os trinta anos de idade. Mais imprópria e injustamente, portanto, foram os habitantes de Nazaré ofendidos por isso; pois deviam antes tê-lo recebido com reverência, como alguém que desceu repentinamente do céu. Eles vêem Deus operando em Cristo, e intencionalmente desviam seus olhos desta visão, para contemplar José, Maria e todos os seus parentes; interpondo assim um véu para bloquear a luz mais clara. A palavra irmãos, como mencionamos anteriormente, é empregada, de acordo com o idioma hebraico, para denotar quaisquer parentes; e, consequentemente, Helvídio demonstrou excessiva ignorância ao concluir que Maria deve ter tido muitos filhos, porque os irmãos de Cristo às vezes são mencionados.

Sobre este mesmo assunto, Calvino diz em seu comentário sobre Mateus 1:25: Commentary on harmony of the evangelist, Matthew, Mark, and Luke. 1845-46.

25. E não a conhecia. Essa passagem serviu de pretexto para grandes perturbações, que foram introduzidas na Igreja, em um período anterior, por Helvídio. A inferência que ele tirou disso foi que Maria permaneceu virgem não mais do que até seu primeiro nascimento, e que depois ela teve outros filhos com seu marido. Jerônimo, por outro lado, zeloso e copiosamente defendeu a virgindade perpétua de Maria. Vamos ficar satisfeitos com isso, que nenhuma inferência justa e bem fundamentada pode ser tirada dessas palavras do evangelista, quanto ao que aconteceu depois do nascimento de Cristo. Ele é chamado de primogênito; mas é com o único propósito de nos informar que ele nasceu de uma virgem. É dito que José não a conheceu até que ela deu à luz seu filho primogênito: mas isso é limitado àquele mesmo tempo. O que aconteceu depois, o historiador não nos informa. Essa é bem conhecida a prática dos escritores inspirados. Certamente, nenhum homem jamais levantará uma questão sobre este assunto, exceto por curiosidade; e nenhum homem obstinadamente manterá a discussão, exceto por um gosto extremo pela disputa.

Calvino diz aqui que uma inferência necessária de que Maria teve outros filhos não pode ser feita a partir dos textos bíblicos de Mateus 13:55 e 1:25. O ponto principal de Calvino é que o escritor do evangelho não desejou registrar o que aconteceu depois com Maria. Calvino chama isso de "loucura" em um ponto, ao descrever aqueles que desejam fazer um texto dizer mais do que diz. Aqueles que fariam uma inferência necessária onde o escritor do Evangelho apenas tornou possível inferência se envolver em tolice (de acordo com Calvino). Portanto, não se pode realmente concluir que Calvino está ensinando aqui a virgindade perpétua de Maria. Parece mais que Calvino está simplesmente sendo cuidadoso. Embora eu mesmo fizesse a inferência dessas passagens que Maria tinha outros filhos, não se pode concluir a partir desses comentários que Calvino acreditava na virgindade perpétua de Maria, ou em sua impecabilidade, apenas que Calvino sustentava que o escritor do evangelho não diz explicitamente, de uma maneira ou de outra. Essa conclusão foi alcançada de forma semelhante por William Bouwsma em seu livro John Calvin: A 16th Century Portrait. Ele diz em uma nota de rodapé na página 275: "Entre os assuntos sobre os quais (Calvino) desencorajou a especulação estavam a ordem dos anjos e a virgindade perpétua de Maria."

Outra citação bastante usada por apologistas católicos para tentarem provar que Calvino era devoto de Maria é essa:

"Não se pode negar que Deus, ao escolher e destinar Maria para ser a Mãe de seu Filho, concedeu-lhe a mais alta honra". [John Calvin, Calvini Opera, Volume 45, 348].

A fonte fornecida é "John Calvin, Calvin Opera, Volume 45, 348". A página 348 pode ser econtrada aqui: Hoc elogio extollere voluit mulier Christi. O texto em questão afirma:



A citação é encontrada com bastante facilidade no comentário de Calvino sobre a Harmonia dos Evangelhos. O contexto é o seguinte: By this eulogium the woman.

Lucas 11:27. Bendito seja o útero. Com este elogio, a mulher pretendia exaltar a excelência de Cristo; pois ela não tinha nenhuma referência a Maria, a quem, talvez, ela nunca tivesse visto. E, no entanto, tende em alto grau a ilustrar a glória de Cristo, que ela declara o ventre que o deu à luz como nobre e abençoado. Nem era a bênção inadequada, mas em estrita conformidade com a maneira das Escrituras; pois sabemos que a descendência, e particularmente quando dotada de virtudes distintas, é declarado um notável dom de Deus, preferível a todos os outros. Não se pode negar que Deus conferiu a maior honra a Maria, escolhendo e designando-a para ser a mãe de seu Filho. No entanto, a resposta de Cristo está tão longe de concordar com essa voz feminina, que contém uma reprovação indireta.

O que Calvino diz, eu sei que nenhum protestante negaria. Na providência de Deus Maria foi escolhida para ser a mãe de Jesus Cristo. Na verdade, é uma grande honra. Calvino continua, porém, ao ponto real deste texto. Ele diz:

Não, antes, bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus. Vemos que Cristo trata quase como uma questão de indiferença aquele ponto em que a mulher tinha dado um alto valor. E, sem dúvida, o que ela supunha ser a maior honra de Maria era muito inferior aos outros favores que ela recebera; pois era muito mais importante ser regenerado pelo Espírito de Deus do que conceber Cristo, segundo a carne, em seu ventre; ter Cristo vivendo espiritualmente dentro dela do que amamentá-lo com seus seios. Em suma, a maior felicidade e glória da Santa Virgem consistia em ser membro de seu Filho, de modo que o Pai Celeste a contasse no número de novas criaturas. Na minha opinião, porém, foi por outra razão, e com vista a outro objetivo, que Cristo corrigiu agora o dito da mulher. Foi porque os homens são comumente responsáveis por negligenciar até mesmo os dons de Deus, para a qual eles olham com espanto e dão o maior elogio. Esta mulher, ao aplaudir a Cristo, deixou de fora o que era da mais alta conseqüência, que Nele a salvação é exibida a todos; e, portanto, foi um elogio fraco, que não fez nenhuma menção de sua graça e poder, que é estendido a todos. Cristo justamente reivindica para si outro tipo de louvor, não que somente Sua mãe seja considerada bem-aventurada, mas que Ele nos traz felicidade perfeita e eterna. Nunca fazemos uma estimativa justa da excelência de Cristo, até que consideremos com que propósito ele nos foi dado pelo Pai, e percebamos os benefícios que Ele nos trouxe, para que nós, que somos miseráveis em nós mesmos, possamos nos tornar felizes Nele. Mas por que Ele não diz nada sobre Si mesmo, e menciona apenas a palavra de Deus? É porque assim Ele abre para nós todos os seus tesouros; pois sem a Palavra, Ele não tem relação conosco, nem nós com Ele. Comunicando-se a nós pela Palavra, Ele justo e corretamente nos chama a ouvi-la e guardá-la, para que pela fé se torne nosso.

Na estimativa de Calvino, embora fosse uma "honra" para Maria dar à luz a Cristo Jesus, muito mais importante era que ela recebeu vida espiritual de nosso Senhor. Na verdade, todos nós somos abençoados se Jesus nos dá vida espiritual. Tirar uma frase do comentário de Calvino sobre Maria e pensar que isso representa Calvino como um firme defensor da Mariologia Católica Romana não é uma maneira precisa de lidar com textos. Observe como Calvino trata a Ave Maria e o que significa chamar Maria de bem - aventurada:

A seguir vem a terceira cláusula, que ela (Maria) é abençoada entre as mulheres. A bênção é aqui colocada como resultado e prova da bondade divina. A palavra bem-aventurado não significa, em minha opinião, digno de louvor; mas sim significa, feliz. Assim, Paulo freqüentemente suplica pelos crentes, primeiro "graça" e depois "paz" (Romanos 1:7; Efésios 1:2), isto é, todo tipo de bênçãos; implicando que então seremos verdadeiramente felizes e ricos, quando formos amados por Deus, de quem todas as bênçãos procedem. Mas se a felicidade, retidão e vida de Maria fluem do amor imerecido de Deus, se suas virtudes e toda a sua excelência nada mais são do que a bondade Divina, é o cúmulo do absurdo nos dizer que devemos buscar dela o que ela deriva de outro trimestre da mesma maneira que nós.

Com extraordinária ignorância, os Papistas, por meio de um truque de feiticeiro, transformaram esta saudação em uma oração, e levaram sua loucura tão longe, que seus pregadores não têm permissão, no púlpito, de implorar a graça do Espírito, exceto por meio da Ave Maria [...] Eles assumem injustificadamente um cargo que não lhes pertence e que Deus não confiou a ninguém, exceto a um anjo. Sua tola ambição os levam a um segundo erro crasso, pois saúdam quem está ausente.

Mais uma outra citação bastante usada por apologistas católicos para tentarem provar que Calvino era devoto de Maria:

"Até hoje não podemos desfrutar da bênção que nos foi trazida em Cristo sem pensar ao mesmo tempo naquilo que Deus deu como adorno e honra a Maria, ao desejar que ela fosse a mãe de seu Filho unigênito." [John Calvin, A Harmony of Matthew, Mark and Luke (St. Andrew's Press, Edimburgo, 1972), p.32].

De início, aqui está a citação na página 32: "To this day we cannot enjoy the blessing brought".

Vejamos a citação no contexto:

42. Bendita és tu. Ela parece colocar Maria e Cristo em pé de igualdade, o que seria altamente impróprio. Mas concordo alegremente com aqueles que pensam que a segunda cláusula indica o motivo [...]. Conseqüentemente, Isabel afirma que sua prima foi abençoada por causa da bem-aventurança de seu filho. Carregar Cristo em seu ventre não foi a primeira bem-aventurança de Maria, mas foi muito inferior à distinção de ser nascida de novo pelo Espírito de Deus para uma nova vida. No entanto, ela é justamente chamada de bem-aventurada, a quem Deus concedeu a notável honra de trazer ao mundo seu próprio Filho, por meio do qual ela foi espiritualmente renovada. E, neste dia, a bem-aventurança que nos foi trazida por Cristo não pode ser objeto de nosso louvor, sem nos lembrar, ao mesmo tempo, a distinta honra que Deus teve o prazer de conceder a Maria, ao torná-la mãe de seu único Filho gerado.

Esta citação é semelhante à segunda citação. Calvino novamente nota graus de bem-aventurança. Realmente não há nada de chocante ou não protestante no que Calvino diz aqui sobre Maria. Foi uma grande honra para Maria ser a Mãe de Jesus. Mas Calvino está dizendo que devemos honrar Maria? Dificilmente. Ele está dizendo que devemos venerar Maria? Não. Ele está dizendo que devemos orar para Maria? Não. Ele está simplesmente lembrando aos seus leitores de se lembrarem da honra que foi para Maria em ser a mãe de Jesus.


Conclusão:

Aqui está um comentário final pertinente ao que foi escrito até agora de Calvino: Works, Volume 47.

Todos nós conhecemos os epítetos que (o papado) se aplicavam a Maria - chamando-a de porta do céu, esperança, vida e salvação; e a tal grau de paixão e loucura que eles procederam, que deram a ela o direito de ordenar a Cristo! Pois ainda em muitas igrejas se ouve a estrofe execrável e ímpia: "Pergunte ao Pai; comandar o Filho." Em termos nada mais modestos eles celebram alguns dos santos, e estes, também, santos de sua própria criação, isto é, indivíduos que eles, em seu próprio julgamento, admitiram no catálogo dos santos. [...] As formas de oração de uso diário estão repletas de blasfêmias semelhantes. O Senhor denuncia as ameaças mais severas contra aqueles que, seja por juramentos ou orações, confundiram Seu nome com Baal. Que vingança, então, se impõe sobre nossas cabeças quando não apenas o confundimos com os santos como deuses menores, mas com o insulto sinalizado roubamos a Cristo os títulos próprios e peculiares com os quais Ele é distinguido, a fim de que possamos conferi-los às criaturas? Deveríamos ficar calados aqui, também, e por meio do silêncio pérfido invocar sobre nós seus julgamentos pesados?



Fonte:
Beggars All Reformatino & Apologetics - On John Calvin`s Mariology.



Fabio Jefferson
Colunista


Links Relacionados
[Colunista Fabio Jefferson] Martinho Lutero Acrescentou a Palavra "Sola" em Romanos 3:28?
E, finalmente, ele admitiu ter acrescentado a palavra "somente" em Rom. 3:28 de sua própria vontade: "Se incomoda papista a palavra ("somente"), diga-lhe logo, o Dr. Martinho Lutero vai tê-la assim mesmo.: papista e burro são uma e a mesma coisa. Quem não quiser minha tradução, que se dê a ele um 'vá-se embora'... O diabo agradece àqueles que o censuram sem minha vontade e conhecimento. Lutero assim o quer, e ele, que é doutor acima de todos os doutores do papado, assim o terá." (Amic. Discussões, 1,127, "Os Fatos Sobre Lutero, O'Hare, TAN Books, 1987, p. 201.)


O texto principal usado de Lutero para esse tipo de comentário são de "Traduzindo em Carta Aberta" [1530] (http://www.bible-researcher.com/luther01.html).

COMENTE!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008