Jacques Lefèvre d'Étaples (1455-1536)


Publicado neste site no dia:
12 de Fevereiro de 2017, Domingo, 01h26

Jacques Lefèvre d'Étaples ou Jacobus Faber Stapulensis (1455-1536) foi um teólogo e humanista francês precursor da Reforma Protestante na França. O "d'Étaples" não fazia parte de seu nome como tal, mas costumava distingui-lo de Jacques Lefèvre de Deventer, um contemporâneo menos significativo e um amigo correspondente de Erasmus. Ambos os nomes são chamados também às vezes pela versão alemã Jacob / Jakob Faber. D'Étaples possuia um relacionamento complicado com Erasmus, cujo trabalho sobre a tradução bíblica e na teologia eram muito parecidos com o seu.

Embora tenha antecipado algumas idéias que foram importantes para a Reforma Protestante, Lefèvre permaneceu católico romano durante toda a sua vida, e procurou reformar a igreja sem se separar dela. Vários de seus livros foram condenados como heréticos e ele passou algum tempo no exílio. Ele era, no entanto, um dos pensadores favoritos do rei da França, Francisco I, e gozava de sua proteção.


Vida
Jacques Lefèvre nasceu de pais humildes em Étaples, Picardy. Ele havia sido ordenado sacerdote quando entrou na Universidade de Paris, sendo Hermonymus de Sparta o seu mestre em grego. Em 1486, Lefèvre visitou a Itália para ouvir as palestras de Argyropulus que morreu naquele mesmo ano. Lefèvre também teve uma amizade com o historiador italiano Paulus Aemilius de Verona. Em 1492, Lefèvre retornou para a Itália e estudou em Florença, Roma e Veneza, familiarizando-se com os escritos de Aristóteles, embora muito influenciado pela filosofia platônica. Voltando à Universidade de Paris, tornou-se professor na Faculdade do Cardeal Lemoine. Entre seus alunos famosos estavam FW Vatable, Charles de Bovelles, e Guillaume Farel; Sua conexão com o último o aproximou para o lado calvinista do movimento de reforma. Farel se juntou a Lefèvre em Meaux para ajudar no treinamento de pregadores antes de Farel partir para a Suíça, onde foi um dos fundadores das igrejas reformadas.

Em 1507, Lefèvre passou a residir na Abadia Beneditina de St Germain des Prés, perto de Paris, devido à sua ligação com a família de Briçonnet (um dos quais era o superior), especialmente com Guillaume Briçonnet, cardeal bispo de Saint-Malo, pai de Guillaume Briçonnet, o bispo posterior de Meaux. Começou então a dedicar-se nos estudos bíblicos, cujo primeiro fruto era o Quintuplex Psalterium: Gallicum, Romanum, Hebraicum, Vetus, Conciliatum (1509); O Conciliatum era sua própria versão seguida por S. Pauli Epistolae xiv. Ex vulgata editione, adjecta intelligentia ex Graco cum commentariis (1512), uma obra de grande independência e julgamento.

Sua obra De Maria Magdalena e triduo Christi disceptatio (1517), onde apresenta o argumento de que Maria, irmã de Lázaro, Maria Madalena e a mulher penitente que ungiu os pés de Cristo eram pessoas diferentes, provocou violenta controvérsia e foi condenada pela Sorbonne (1521) e São João Fisher. Então, Lefèvre precisou ficar fora de Paris durante todo o ano de 1520 e, retirando-se a Meaux, foi nomeado pelo bispo Briconnet (1 de maio de 1523) como vigário-geral e publicou sua versão francesa do Novo Testamento (1523). Este (contemporâneo com a versão alemã de Luther) foi a base de todas as traduções subseqüentes ao francês. A partir daí, no mesmo ano, Lefèvre extraiu as versões dos Evangelhos e Epístolas "a l'usage du diocese de Meaux". Os prefácios e notas de ambos expressaram a opinião de que a Sagrada Escritura é a única regra de doutrina, e que a justificação é pela fé somente.

Lefèvre sofreu muita hostilidade, mas foi protegido por Francisco I e sua irmã intelectual Marguerite d'Angoulême. Depois que Francisco foi levado cativo na batalha de Pavia (25 de fevereiro de 1525), Lefèvre foi condenado e suas obras suprimidas pela comissão do parlemento. Tais medidas foram anuladas quando Francisco I retornou alguns meses mais tarde. Então, foi publicado Le Psautier de David (1525), e foi nomeado bibliotecário real em Blois (1526). Sua versão do Pentateuco apareceu dois anos depois. Sua versão completa da Bíblia (1530), com base na Vulgata de Jerônimo, tomou o mesmo lugar que a versão dele do Novo Testamento. A publicação e a sua edição revisada, baseada nos textos hebraico e grego, foram impressas por Merten de Keyser em Antuérpia em 1534. Marguerite (agora rainha de Navarra ) o levou a refugiar-se em Nérac (1531) da perseguição. Diz-se que ele foi visitado (1533) por João Calvino em sua fuga da França. Lefèvre morreu em 1536 ou 1537 em Nérac.


Obras
Trabalhos Aristotélicos (selecionados):
- Paraphrases of the Whole of Aristotle's Natural Philosophy [Johannes Higman:] Parisii, 1492;

- Introduction to the Metaphysics (1494);

- Introduction to the Nicomachean Ethics (1494);

- Logical Introductions (1496);

- Politics (1506);

Boécio
A publicação, com instrumentos exigentes de Boetius, De Arithmetica. Paris: Johannes Higman e Wolfgang Hopyl, 22 de julho de 1496;

Traduções bíblicas
Lefèvre foi um prolífico tradutor da Bíblia e completou uma tradução do Antigo Testamento em 1528, e ficou famoso por sua tradução francesa dos Salmos e das epístolas paulinas, que ele terminou no início de sua carreira. Sua tradução completa de toda a Bíblia cristã, publicada em 1530, foi a primeira na língua francesa.

- Psalterium quintuplex; Gallicum, romanum, hebraicum, vêtus, conciliatum, 1509 e 1515, publicado por Henri Estienne, fol. Com notas de rodapé;

- Este trabalho foi criticado por Erasmus pela seção gramatical, e por Beda pela teológica, mas isso não impediu que fosse avaliada e estudada.

- Commentaries sur les Évangiles, Meaux, 1525; Sua doutrina se apresenta muito ortodoxa sobre os pontos discutidos pelos inovadores, embora o sindicato Beda lhe reprovasse os erros a esse respeito;

- Commentaries sur les épitres canoniques, Meaux , 1525; Todos os seus comentários sobre o Novo Testamento foram colocados no Índice pelos inquisidores romanos, sob o papa Clemente VIII. Distanciou-se do antigo barbarismo;

- Traduction française du Nouveau Testament, Paris, Colines, 1523, 5 vols. 8vo, anónimo extremamente raro, particularmente o último volume. A tradução foi feita a partir da Vulgata, porque ele pretendeu para o uso dos fiéis. Ele apareceu novamente em sua versão completa da Bíblia, Antuérpia, fol.; Edições posteriores 1529 e 1532, 4 vol. 4to.; 1528, 4 vol. 8vo. A edição revista pelos doutores de Lovaina é a mais correta e também a mais rara porque foi suprimida como era a edição de 1511. É notável que enquanto os Cordeliers de Meaux atacaram Lefèvre por causa de suas traduções, os de Antuérpia aprovaram em 1528 para impressão e para venda. É verdade que eles não tiveram em sua edição l'Épitre exhortatoire, que principalmente desagradou os doutores de Paris;

- Exortações em francês sobre os evangelhos e as építes dos dimanches, Meaux, 1525, condenado pelo Parlamento;

Teoria da música
Musica libris demonstrata quattuor, publicado juntamente com Nemorarius, Arithmetica decem libris demonstrata e Boethius, De Arithmetica, Paris: Johannes Higman e Wolfgang Hopyl, 22 de julho de 1496. Texto completo da edição 1551;

Outros trabalhos
Arithmetica decem libris demonstrata, o De elementis arithmetice artis de Jordanus Nemorore (Jordanus de Nemore) com comentários e demonstrações, publicado em conjunto com Musica libris demonstrata quattuor e Boethius, De Arithmetica, Paris: Johannes Higman e Wolfgang Hopyl, 22 de julho de 1496;

Tradução latina des livres de la foi ortodoxa de saint Jean de Damas; A primeira tradução deste trabalho;

De Maria Magdalena, 1517, seguido em 1519 por outro intitulado: De tribus et unica Magdalena. Este trabalho é bem feito; O autor retrai vários pontos da primeira obra, por exemplo, o comentário sobre as três mulheres que levavam o nome de Madalena;

Rithmimachie ludus, qui et pugna numerorum appellatur, Paris, Henri Estienne, 1514, 4to .; Opusculum de cinco páginas, impresso no final da segunda edição da Arithmetica de Jordanus Nemorarius. Aqui Lefèvre dá uma descrição muito curiosa deste antigo jogo pitagórico, mas com tão pouco detalhe que não pode entendê-lo corretamente, exceto por juntar-se ao anúncio estendido que Boissière deu ao mesmo jogo;

A ópera Omnia de Nicholas de Cusa, Paris, 1514;



Fonte: Wikipédia
Tradução: Marcell de Oliveira



Links Relacionados
[Biografias] Guilherme Farel
Guilherme Farel ou William Farel (1489 - 13 de setembro de 1565) - Guillaume Farel em francês - foi um evangelista francês, e um dos fundadores da Igreja Reformada nos cantões de Neuchâtel, Berna, Genebra e Vaud na Suíça. Ele é freqüentemente lembrado por ter persuadido João Calvino a permanecer em Genebra em 1536, e o fazê-lo retornar em 1541, após ter sido expulso em 1538. Eles influenciaram o governo de Genebra até o ponto de ele se tornar um estado teocrático, a "Roma protestante", onde se refugiaram os protestantes e os não-protestantes foram perseguidos. Junto com Calvino, Farel trabalhou para treinar pregadores missionários que difundiram a causa protestante para outros países, especialmente a França.

COMENTE!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008