Dr. C. F. W. Walther (1811-1887)


Publicado neste site no dia:
23 de Abril de 2017, Domingo, 23h52

Todos os dias 7 de maio de cada ano que passa, muitas igrejas luteranas lembram, com gratidão a Deus, a vida de C. F. W. Walther, um grande pastor e teólogo, firme na confissão da fé evangélica, ortodoxa, católica e apostólica, e que deixou um legado para infindas gerações de pastores em sua proclamação calorosa e amorosa da Palavra de Deus para o povo.


C. F. W. Walther nasceu em 25/10/1811 (em Langenchursdorf, Saxônia, Alemanha) e morreu em 7/05/1887 (em Saint Louis, Missouri, EUA). Filho de um pastor, Walther foi também ordenado em 1837 e serviu numa paróquia em Bräunsdorf. Nos Estados Unidos, se tornou pároco da Trinity Lutheran Church (St. Louis) até sua morte. Também serviu como pároco de outros três comunidades na região de St. Louis: Holy Cross, Immanuel e Zion.


Enquanto atuava como pastor e presidente sinodal da LCMS, Walther também lecionou no Concordia Seminary (St. Louis) e, mais tarde, no Concordia Theological Seminary (Fort Wayne), fundou a St. Louis Lutheran Bible Society, editando vários periódicos, incluindo o Der Lutheraner e Lehre und Wehre, sendo que o primeiro continua a ser publicado como The Lutheran Witness.


Walther casou em 1841 com Emilie Bünger (1812-1885) e teve seis filhos.


C. F. W. Walther era um dedicado apreciador de cachimbo. Diz-se que o papagaio que ele mantinha em seu estudo no seminário, possivelmente tenha sucumbido aos efeitos do fumo constante do teólogo. De acordo com um dos bibliotecários do Concordia Theological Seminary - Fort Wayne, os livros de estudo de Walther ainda conservam o cheiro da fumaça de seu cachimbo.

Na imagem abaixo podemos ver Walther aparecendo junto com seu neto, segurando um cachimbo (gesteckpfeite).



Fonte: Teologia Luterana



Links Relacionados
[Biografias] Martinho Lutero
No cárcere, sentenciado pelo Papa a ser queimado vivo, João Huss disse: "Podem matar o ganso (na sua língua, 'huss' é ganso), mas daqui a cem anos, Deus suscitará um cisne que não poderão queimar". Enquanto caía a neve, e o vento frio uivava como fera em redor da casa, nasceu esse "cisne", em Eisleben, Alemanha. No dia seguinte, o recém-nascido era batizado na Igreja de São Pedro e São Paulo. Sendo o dia de São Martinho, recebeu o nome de Martinho Lutero. Cento e dois anos depois de João Huss expirar na fogueira, o "cisne" afixou, na porta da Igreja em Wittenberg, as suas noventa e cinco teses contra as indulgências, ato que gerou a Grande Reforma. João Huss enganara-se em apenas dois anos, na sua predição. Para dar o valor devido à obra de Martinho Lutero, é necessário notar algo das trevas e confusão dos tempos em que nasceu..

COMENTE!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008