Ex-Pároco da Igreja Católica no Maranhão Aceita Jesus

Raimundo Pinto de Souza deixou de ser padre e hoje segue a Jesus como obreiro da Assembleia de Deus maranhense.

Quando menino, Raimundo Pinto de Souza, oriundo de uma família católica tradicional da cidade de Crato (CE), desejava muito ser padre em seu Estado. Mas, como era filho de militar(seu pai foi capitão do Exército), sua família teve que se mudar para Manaus (AM), onde ingressou no Grupo Vocacional, destinado aos pré-adolescentes. Um ano mais tarde, fazia parte do Seminário Menor, assim chamado PR ser destinado a meninos que ainda não haviam terminado o antigo Ensino fundamental. Mais tarde, ingressou no seminário seráfico São Francisco de Assis da Ordem do Frades Menores Capuchinhos.

"Quando terminei o Ensino médio, viajei a fim de realizar o Postolantado em Cali, Colômbia. Lá, eu tive minha experiência no primeiro período da vida religiosa. Isso ocorre antes dos votos e do noviciado. Mais tarde, fui para a Umbria, na cidade de Assis, Itália, e após um ano de noviciado, fiz meus primeiros votos já como frade e passei mais um ano por lá. De volta ao Brasil, me desloquei para Tabatinga, no Alto Solimões. Foi nesse período que conheci a realidade missionária daquela região do Brasil. Quando finalizei esse período, voltei para a Itália para estudar Filosofia e Teologia no Colégio Internacional de Roma", relata.

Quando concluiu seus estudos, Raimundo foi ordenado padre em imperatriz em 15 de dezembro de 1990 pelo então bispo dom Affonso Felipe Gregory, que o indicou para assumir a Paróquia de Santa Tereza D'Ávila. Mas, apesar de sua inteira dedicação aos paroquianos e às normas impostas por Roma, o sacerdote inquietava-se com a falta de compromisso dos outros padres, que, segundo ele, freqüentemente se envolvia em escândalos sexuais e bebedeira. A falta de seriedade dos colegas o angustiava e ao mesmo tempo o conduziu aos caprichos seculares.

"Depois que me tornei padre e passei a trabalhar na diocese da cidade de Imperatriz, não consegui manter inalterável a minha conduta porque percebi que os demais desconsideravam o voto do celibato, que na verdade é um juramento, uma promessa de obediência que o padre diocesano faz para o bispo. Logo, descobre casos envolvendo religiosos que mantinham suas amantes e se prostituíam. Dessa forma, passeia copiar o mau exemplo, mas confesso que aquela situação era uma contradição e ao mesmo tempo uma tortura, porque é como ensinar ao casal sobre a seriedade da vida conjugal e o sacerdote não viver essa mensagem através do celibato e dos bons costumes. A maioria dos padres bebe cerveja e uísque quando se encontram em confraternizações, mas quando exige rigidez moral aos fiéis, o sacerdote cai em contradição e foi justamente nesse ponto que a minha consciência não me deixava em paz", lembra o ex-padre.

A frouxidão moral do clero romano acabou por levar Raimundo a ignorar o voto do celibato e firmar compromisso com a secretária que mais tarde seria a sua esposa, a hoje irmã Jacicléia Claudino Pinto, com quem teria seus dois filhos, André Luiz e Saulo Emanuel. Mas, apesar do ambiente nada agradável, Raimundo continuou a desempenhar as suas atividades na paróquia. Porém, novos entraves, desta vez na área doutrinária, surgiram como mais um obstáculo em sua carreira. "A Igreja católica mantém costumes como a missa do sétimo dia e a devoção das almas, por exemplo. Muitas vezes fui convocado para missa de corpo presente, mas eu percebi que aquilo não fazia sentido, porque a pessoa não tinha participação, não tinha fé e aquela missão não ia salvar ninguém. Pro outro lado, eu era devoto de Maria, mesmo sabendo que ela não era a salvadora do ser humano. Anunciava aos fieis que o caminho da salvação era Jesus e acender vela não tinha o menor sentido", conta. E para complicar ainda mais a situação de Raimundo, ele foi hostilizado por um gurpo da diocese envolvida com homossexualismo e alcoolismo. E depois que denunciou uma autoridade religiosa ligada ao bispo local, o denunciado resolveu persegui-lo também.

Foi essa situação caótica que levou Raimundo a lembrar-se de alguém que certamente não lhe daria as costas. Tratava-se de uma amiga dos tempos de paróquia, mas que não mais fazia parte dos arraiais da diocese. A irmã Elizabeth Lima de Albuquerque Taveira foi uma ajudante fiel do então padre Raimundo. Mas, ele perdeu a mão-de-obra de "Beth", como é conhecida, quando ela se converteu a Cristo e suas energias agora seriam canalizadas para a Seara de Seu Mestre. Hoje, ela é membro da Congregação Jerusalém, da Assembleia de Deus em Imperatriz.

Apesar de ter sempre ignorado os evangélicos e a sua mensagem, Raimundo não viu alternativa, senão apelar para alguém a quem não imaginava solicitar ajuda.

"Quando a vi, logo pedi que orasse por mim, pois minhas ‘aves-marias' não estavam mais dando certo. Eu sabia que a oração do crente tem poder. Não fui pedir dinheiro, apenas oração pela minha vida. Depois de algumas visitas à congregação Jerusalém, no dia 15 de maio de 2007 aceitei Jesus Cristo como meu Salvador". Atualmente, o então presbítero Raimundo é diretor do Centro Terapêutico Esperança, que é uma instituição voltada para recuperação de dependentes químicos. Lá, o ex-sacerdote atua como psicanalista clínico (ele é formado em Psicologia pela Universidade Federal de Brasília). No campo eclesiástico, Raimundo administra a Congregação Adonai do campo da Assembleia de Deus em Imperatriz.

"Posso dizer que o Raimundo é um exemplo de uma conversão legítima. Ele agora é líder de uma de nossas congregações, batizado no Espírito Santo e Diretor do Centro terapêutico. Realmente, houve uma transformação total em sua vida", comemora o pastor Raul Cavalcante Batista, líder da AD em Imperatriz.


Fonte: Mensageiro da Paz / Julho de 2010




O que você tem a dizer sobre o pároco que se tornou obreiro evangélico?
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008