A História da Igreja Desde a Reforma
Publicado neste site no dia:
Agosto de 2008

Propomo-nos em seguida, a escrever um resumo da história da Igreja desde a Reforma. O Breve Esboço dividiu a história em diversas épocas, seguindo a visão profética contida nos capítulos 2 e 3 de Apocalipse. Esta profecia, aparentemente, segue a história da igreja ocidental, e seguiremos o mesmo trilho, depois de dizer umas palavras acerca de outras seções da Igreja.


A Igreja Ortodoxa, ou Grega
Nos séculos VI e VII, quando o bispo de Roma procurava obter a supremacia na Igreja universal, os bispos das igrejas no Oriente não queriam reconhecer a sua autoridade. As sedes principais eram Constantinopla (capital do império oriental), Antioquia (capital eclesiástica da Síria), e Alexandria (no Egito). No século VII, os seguidores de Maomé conquistaram a Síria, a Palestina, e o Egito, destruindo os templos cristãos, e muitas vezes oferecendo aos crentes a alternativa de conversão à religião falsa, ou a morte. As hostes do Islã não entraram na Europa oriental até o século XV. Durante este intervalo, a Sé de Constantinopla resistia à autoridade do papa de Roma. O bispo de Constantinopla é chamado "Patriarca", e os bispos (ou patriarcas) da Igreja Ortodoxa são mais ou menos independentes uns dos outros. A Igreja Ortodoxa está cheia de ritualismo. A liturgia é na língua grega antiga, e também em eslava antiga. A maior parte da península dos Bálcãs, antes da invasão dos turcos, era adepta dessa igreja. Hoje os ortodoxos entendem pouco da sua liturgia, devido ao dialeto ter mudado consideravelmente. Durante os séculos V e VI, diversas raças de eslavos entraram na península, e a liturgia foi traduzida na sua língua, mas hoje este dialeto é também diferente. Ao fim do primeiro milênio, certos missionários entre os eslavos foram à Rússia para evangelizar o povo, e, gradualmente, a religião ortodoxa espalhou-se por entre esse vasto território, até chegar a ser a religião estabelecida pelo governo da Rússia. No ano de 1453, os turcos (maometanos) passaram para a Europa, e a cidade de Constantinopla caiu nas suas mãos, e depois toda a península balcânica. Mais uma vez os maometanos derrubaram as igrejas cristãs mas deixaram a catedral de Santa Sofia em Constantinopla, convertendo-a numa mesquita (templo maometano), mudando a cruz para uma lua crescente (símbolo maometano). A Igreja Ortodoxa sendo perseguida, ficou reduzido o número dos seus adeptos, e muitos fugiram, levando livros e a língua grega para a Europa Ocidental. A Igreja Ortodoxa, porém, persistia. Mais tarde os imperadores da Rússia, sendo da Igreja Ortodoxa, e sempre inimigos da Turquia, protegeram as raças gregas e eslavas na Península, contra os turcos.

A Reforma não influiu na Igreja Ortodoxa. Melanchton, o companheiro de Lutero, escreveu ao Patriarca de Constantinopla, dando-lhe um relatório das doutrinas luteranas, segundo a Confissão de Augsburgo, e sugerindo que a Igreja Oriental aceitasse as doutrinas da Reforma. O Patriarca e seus colegas examinaram as novas idéias, e declararam que eram doutrinas falsas e não podiam aceitá-las. Mais tarde, no ano de 1621, um patriarca piedoso, reconhecendo a Reforma, fez a sugestão aos ortodoxos para que aceitassem o Credo de Calvino. Os jesuítas, porém, fizeram uma grande propaganda contra isso, e, por acusações falsas, conseguiram a morte do bom Patriarca, e assim a Igreja Grega continua até hoje com a sua corrupção.

Durante o século dezenove, os diversos países balcânicos conquistaram sua independência. Quando da Grande Guerra, no ano 1917, a Rússia tornou-se bolchevista e ateia, proibindo qualquer religião no país ou mesmo que nele entrasse uma só Bíblia. Missionários ingleses e americanos têm trabalhado nos países da Península, mas têm encontrado muitas dificuldades, devido à ignorância do povo, e ao fanatismo dos padres e às leis dos governos.


A Igreja Armênia
A Igreja Armênia existia no país chamado Armênia, entre o mar Negro e o Cáspio, mas agora está quase extinta. Era um cristianismo corrupto, e no fim do século passado e na primeira metade deste século, quase toda a nação foi exterminada pelos turcos, apesar dos protestos constantes do governo inglês. Hoje, o povo que ainda resta é pobre e está espalhado por diversas nações.


A Igreja Cóptica
A Igreja Cóptica existe no Egito e na Abissínia. Quando os maometanos conquistaram o Egito, os cristãos sofreram perseguições, mas muitos continuaram firmes na fé, e a Abissínia não foi conquistada pelos árabes. A sede do Patriarca é Alexandria e ele é quem sempre nomeia o bispo da Abissínia. Este país foi evangelizado por Frumêncio que entrou ali no ano 330. A religião é um cristianismo corrupto. No século XVI, a Igreja Romana enviou missionários portugueses à Abissínia. Tiveram bom êxito no princípio, mas finalmente foram todos expulsos, e o povo da Etiópia voltou à sua antiga religião. Durante o presente século, diversos missionários ingleses têm trabalhado no país, e foram bem auxiliados pelo imperador Haile Selassie. Era um homem de fé e retidão, mas foi obrigado a fugir na guerra de 1935, quando os exércitos da Itália conquistaram todo o país. O governo italiano expulsou todos os missionários, e os italianos mataram muitos dos crentes indígenas. No ano de 1941, os italianos foram expulsos pelos exércitos britânicos, e o Imperador voltou à sua pátria, e prometeu ajudar tanto quanto possível os missionários que voltaram.


A Igreja no Ocidente da Europa
Devemos voltar ao nosso assunto principal, que é a história da Igreja na Europa Ocidental. Temos notado, nas primeiras quatro igrejas da visão profética de Apocalipse capítulos 2 e 3 um desenvolvimento. O estado de Esmirna desenvolve-se no estado de Efeso; o de Pérgamo no de Esmirna, e o de Tiatira no de Pérgamo. Mas as últimas fases, as de Tiatira, Sardo, Filadélfia, e Laodicéia, continuam juntas até terminar a história da Igreja no mundo, marcada pela volta de Cristo, que é mencionado como o alvo dos vencedores em cada uma das últimas igrejas. Por isso julgamos que as últimas fases serão encontradas em diversas partes do mundo ao mesmo tempo. Temos dito que Tiatira representa a igreja de Roma plenamente desenvolvida; Sardo representa as igrejas protestantes no seu desenvolvimento; Filadélfia representa as diversas revivificações que têm surgido durante os dois últimos séculos, e Laodicéia é mais o aspecto que se encontra hoje nos países protestantes.


A Bíblia
Antes de descrever a história dos vários países, devemos dizer umas palavras acerca da base da nossa fé - a Palavra de Deus. A atitude de cada nação e de cada pessoa com respeito à Bíblia determina seu estado espiritual. Onde o livro sagrado está fechado ao povo, aí há ignorância, trevas, injustiças e corrupção. Onde a Palavra de Deus é lida e apreciada, aí há inteligência, justiça e progresso.

Duas coisas, especialmente, resultaram em tornar a Palavra de Deus um livro ao alcance do povo mais uma vez na história da Igreja. Devido à entrada dos turcos em Constantinopla, muitos dos literatos gregos fugiram para toda a parte da Europa, levando seus escritos na língua grega. Tornou-se praxe nas Universidades da Europa o ensino da língua grega, que é a língua original do Novo Testamento. Os professorese estudantes começaram a estudar o Novo Testamento no original, e muitos tiveram os seus olhos abertos para os erros da Igreja de Roma, e aceitaram a verdade de Deus. Estes homens naturalmente queriam pôr as verdades encontradas ao alcance de todos, e para isso era necessário a tradução da Bíblia para as línguas modernas. Mas um livro em manuscrito custava muito caro para os pobres. O descobrimento da arte tipográfica durante o mesmo século barateou grandemente o preço dos livros, e pôs o Novo Testamento ou a Bíblia toda ao alcance de muitas pessoas que sabiam ler. A Igreja Romana reconheceu somente a Vulgata, a tradução de Jerônimo, feita no século V, das línguas originais para a Latina, que no tempo deste tradutor era a língua quase universal. No século XV o Latim já não era a língua de qualquer nação, mas era usado em conferências internacionais, políticas ou eclesiásticas. A Igreja Romana continuou com a sua liturgia nesta língua morta.

Agora vamos seguir o progresso do cristianismo nos países da Europa, e as conseqüências da aceitação ou rejeição do Evangelho em cada caso.


Espanha
O país mais poderoso da Europa durante o tempo da Reforma (1520-1580) era a Espanha. Dominou a América do Sul e a América Central e uma boa porção da América do Norte, ilhas no Pacífico, as índias Ocidentais, os Países Baixos (Holanda e Bélgica) e certas províncias da Itália. O rei Carlos V era também Imperador da Alemanha, e seu filho Filipe II veio a ser também rei de Portugal e do Brasil, em 1580. Tinha um grande e bem treinado exército, e uma poderosa frota. O rei Filipe II era homem fanático, mesquinho, teimoso e cruel. Animou a Inquisição a fazer seu serviço nefário, torturando e queimando os "hereges protestantes" e os judeus. Antes de morrer (1598), o rei gabou-se pelo fato de não existir nem um só "herege" no país. A Holanda recebeu esses "hereges" e a Espanha fez guerra contra esse povo, que se revoltara contra a introdução da Inquisição e contra a terrível perseguição à sua fé evangélica; e, antes de morrer, o rei da Espanha tinha perdido a Holanda.

Os espanhóis levaram sua religião e a Inquisição a todas as partes do mundo que conquistaram. Antes da morte de Filipe, a decadência do país começara, e continuou no século seguinte. O rei vira destruída sua "Invencível Armada", a grande frota que mandara com a bênção do papa para castigar a herética Inglaterra, com Isabel sua rainha protestante (1588). Os espanhóis eram odiados devido a crueldade dos seus soldados e padres, e o rei era homem sem misericórdia para com seus inimigos.

A Espanha foi de mal a pior nos séculos XVII e XVIII, e a imoralidade do povo em geral durante o século XVIII, como descreve um contemporâneo, parece-nos quase incrível. No tempo de Napoleão, os exércitos Franceses entraram e tomaram posse do país com o consentimento do seu rei. Os generais franceses acabaram com a Inquisição que ainda funcionava até aquela data. A Guerra Peninsular assolava todo o país, trazendo terrível miséria ao povo, até que terminou no ano de 1814, quando os exércitos ingleses expulsaram seus inimigos.

Vinte anos depois, rebentou uma guerra civil que durou muitos anos, com uma ferocidade incrível. A administração das colônias espanholas era sempre péssima, e estas aproveitaram as dificuldades internas da Metrópole para declararem sua independência. Assim, as possessões da América revoltaram-se e tornaram-se repúblicas, desde o México, no Norte, até a Argentina, no Sul. Isto foi uma grande vantagem para o trabalho evangélico, pois missionários da Inglaterra e da América do Norte agora trabalham em todas as repúblicas. A Espanha passou poucos anos durante o século XIX com paz interna. Havia uma decadência, produzindo uma degradação intelectual, moral e material. Mais de 80%. do povo era de analfabetos. O país é muito rico em minerais, com clima bom e solo fértil, mas tornou-se a nação mais atrasada da Europa. A corrupção da administração das Ilhas de Cuba, e das Filipinas, no Pacífico, resultou numa guerra com os Estados Unidos em 1896, e a Espanha perdeu suas últimas colônias de importância e terminou o século com uma dívida enorme.

A Sociedade Bíblica Britânica enviou Jorge Borrow para vender Bíblias e Novos Testamentos na Espanha no ano 1835, e imprimiu o Novo Testamento na Capital. Enquanto isto se fazia, Jorge Borrow visitava as cidades principais do país, vendendo bíblias, mas encontrou muitas dificuldades, e a oposição dos padres. No princípio do presente século, diversos missionários ingleses começaram o trabalho evangélico na Espanha, mas a guerra civil no ano de 1936 pôs termo a este serviço, e mais uma vez produziu muita miséria e grande privação para o povo. A Espanha tem sido uma filha fiel da infiel igreja de Roma, e tem pago caro por ter rejeitado o Evangelho no tempo da Reforma.


França
A França no tempo da Reforma era um país poderoso e rival da Espanha, então não possuía colônias. O Evangelho pregado por Pedro Waldo de Lyon no século XII produzia bom resultado, mas a perseguição diminuíra o número dos crentes, e a maior parte fugiu para a Suíça. No princípio do século XVI o "novo ensino" despertou muito interesse nas universidades mormente na Sorbone de Paris. O rei Francisco I era católico, mas no princípio não era perseguidor. A irmã do rei, Margarida de Angouleme, era uma mulher intelectual e piedosa, que estudava o Novo Testamento grego, e queria animar outros a lê-lo. Durante a ausência do seu irmão na guerra contra os espanhóis e quando ele estava prisioneiro do Imperador Carlos V, depois da batalha de Pávia, Margarida protegia da ira dos padres os novos conversos. Infelizmente havia alguns dos protestantes sem prudência, que começaram a derrubar os ídolos e pregar placas nas igrejas e até no palácio do rei, fazendo críticas à Igreja Romana. Em virtude disso, houve uma grande perseguição. Muitos foram presos e queimados na praça pública. Mas os huguenotes (como se chamavam os protestantes da França) cresceram em número. Muitos dos nobres, por motivos políticos, uniram-se aos novos convertidos, e tornaram-se um poder político, e pegaram em armas. A guerra civil rebentou e continuou por muitos anos. Com o morticínio no dia de S. Bartolomeu não terminou a luta. Henrique de Navarra ficou à frente das forças dos huguenotes. Este príncipe era filho da célebre Jeanne de Navarra, que era filha de Margarida de Angouleme, pelo segundo marido, o rei de Navarra. Sua mãe e avó eram cristãs sinceras e piedosas, mas para Henrique a religião era uma política. A morte dos herdeiros ao trono da França deixou-o como o sucessor. Mas, sendo protestante, a maior parte dos franceses opuseram-se a sua pretensão. Henrique, porém, venceu todos os seus inimigos numa guerra civil, e, a fim de trazer tranqüilidade ao país, e firmar seu trono, o novo rei (Henrique IV) professou a religião católica, dizendo que "Paris valia uma missa". Foi um bom rei, e uma das primeiras leis a ser promulgada foi a chamada "O edito de Nantes", que deu liberdade religiosa e política aos huguenotes. Quando o rei Henrique foi assassinado por um jesuíta, seu filho (Luiz XIII) era menino, e depois um homem fraco, e o poder caiu nas mãos dum grande estadista, o cardeal Richelieu que resolveu aumentar o poder do rei e quebrar a força política dos huguenotes. Estes mais uma vez pegaram em armas, e, apesar do auxílio da Inglaterra, a fortaleza deles foi tomada, e os protestantes perderam seu poder político para sempre, mas continuaram com certa liberdade religiosa até o tempo de Luiz XIV. Este rei, instigado pelos jesuítas, desencadeou uma grande perseguição contra seus súditos protestantes. Ele resolveu que todos deviam aceitar a religião católica, e a fim de alcançar este objetivo, mandou soldados brutais entrar pelas casas dos protestantes e "convertê-los" à força. Esta perseguição é chamada "as dragonadas", porque os soldados eram do regimento dos "dragões". As "conversões" por meio destes "missionários" não produziam bastante resultado, e o rei mandou o célebre Fenelon, (depois Arcebispo de Cambrai) para "converter" os "heréticos". Fenelon, embora fiel servo da Igreja Romana, era homem santo e piedoso. Era venerado pela sua retidão e santidade, e converteu alguns à sua religião. Recusou fazer qualquer tentativa até que os soldados fossem retirados, porque não cria na força para este fim. Mas o serviço não lhe era congenial, e ele o deixou. O edito de Nantes fora revogado, tirando toda a liberdade religiosa do povo. Fenelon depois foi tutor do neto do rei, e seu ensino deu bom resultado na vida do rapaz, que antes era vicioso. Mais tarde Fenelon foi influenciado pelo ensino duma mulher célebre, chamada Madame Guyon, cujas obras foram traduzidas em diversas línguas e ainda hoje são lidas, principalmente por protestantes.

Os ensinos desta senhora são baseados nas Escrituras, porque ela estudava a Bíblia e passava diariamente muito tempo em oração. Era crente verdadeira e gastou seu tempo, quando viúva, em boas obras, ensinando a muitas mulheres as verdades da Bíblia. Converteu muitas almas a Cristo. Continuava católica, embora não ligasse importância às cerimônias da igreja. Foi acusada de heresia porque suas doutrinas aproximavam-se das dos protestantes, e foi lançada na infame Bastilha, onde passou muitos anos. Fenelon defendeu as doutrinas dela, e um bispo bem conhecido na história, chamado Bossuet, capelão do rei, atacou essas doutrinas. Uma grande batalha literária foi travada entre estes dois campeões. Embora Fenelon defendesse suas doutrinas com firmeza, o poder secular estava com Bossuet, e Fenelon foi expulso da corte e proibido de sair da sua diocese. Era venerado por quase todos, e até os inimigos da França durante as guerras manifestaram seu respeito pelo arcebispo. Podemos considerar Fenelon e Madame Guyon como semelhantes a "os vencedores" de Tiatira.

A Igreja Romana não era digna deles, e por isso os perseguia. Voltemos aos pobres huguenotes, entregues mais e mais à vontade dos soldados brutais. Milhares deles fugiram para a Holanda, Suíça, Alemanha e Inglaterra. Os filhos foram tirados aos pais e enviados aos conventos, a fim de serem educados como católicos. Tão grande foi o número dos que fugiram que o comércio e a indústria da França ficaram parcialmente paralisados; os huguenotes eram os mais inteligentes e industriosos homens no reino. Ê calculado em 400.000 os que fugiram do país, e representavam uma grande proporção naquele período. O rei mandou sentinelas para vigiarem as fronteiras, e, navios para policiarem os mares. Foi em vão, porque embora alguns fossem apanhados e presos, a saída dos huguenotes continuou. Os capitães dos navios ingleses ajudaram os fugitivos, que saíram escondidos nos porões e até em barris vazios entre as cargas de vinho. Os países vizinhos protestantes receberam esta gente de braços abertos, e lucraram muito porque trouxeram suas indústrias para esses que os protegeram. A França jamais recuperou esta grande perda de muitos do seu povo, e das suas indústrias. Na Inglaterra os huguenotes fundaram diversas indústrias, como as de ferro, louça, e renda, que têm trazido muito lucro ao país. Hoje há milhares de pessoas na Inglaterra, que são descendentes dos huguenotes. Alguns ainda seguem o mesmo ofício dos seus antepassados que fugiram da França, e outros têm alcançado posições altas no Estado.

A perseguição continuou impiedosa até o rei julgar que convertera todos os "hereges". Mas muitos que não podiam escapar do país fugiram para o interior entre os camponeses das montanhas chamadas as Cevenes. Alguns tomaram armas e acharam um jovem capitão de 21 anos chamado Cavalier. O rei enviou exércitos com generais para debelar este movimento, mas Cavalier e seus camponeses derrotaram esses contingentes. Os generais, para atemorizar os rebeldes, cometeram atrocidades, mas Cavalier respondeu com represálias terríveis. O rei então mandou o Marechal Villars, que convidou Cavalier para uma conferência e ofereceu-lhe uma grande recompensa em dinheiro e a posição de coronel no seu exército. O jovem capitão aceitou a oferta e foi para as guerras francesas com alguns dos seus fiéis seguidores, mas os outros os chamaram de traidores. Finalmente este extraordinário homem foi a Inglaterra onde alcançou a posição de general e governador da Ilha de Jersey, na Mancha. A guerra serviu somente para desmoralizar os crentes. O rei pensava que vencera a luta, e que não existiam mais protestantes em seu reino, mas no ano da sua morte os huguenotes convocaram uma conferência de pastores para reformar a igreja, dando-lhe o título de A Igreja no Deserto. Esta igreja cresceu, mas funcionava longe das grandes cidades. Depois da morte do rei Luiz XVI, havia mais liberdade e menos perseguição. Durante o tempo da Revolução Francesa e no "Reinado de Terror", que se seguiu, diversos pastores sofreram morte pela guilhotina. Napoleão Bonaparte concedeu a liberdade e reconheceu a Igreja protestante, mas ligada ao Estado, e paga pelos fundos nacionais. No século XIX esta igreja foi dividida, e os mais fiéis separaram-se do Estado. Hoje há liberdade religiosa na França, e a República reconhece todas as religiões como iguais. O povo geralmente continua católico, mas os intelectuais são muitas vezes ateus. Os ensinos do célebre ateu Voltaire estavam em voga durante o século XVII e ainda têm adeptos. Durante o século XIX houve tantas mudanças no governo que produziram uma fraqueza política. O país foi invadido três vezes em 70 anos pelos alemães, e muito sofreu em conseqüência disso. Os evangélicos fazem bom serviço, e têm sido ajudados por seus irmãos da Inglaterra e da Suíça.


Alemanha
Os alemães sempre foram um povo viril e inteligente, mas a fraqueza política do país era devida ao fato de até no século passado estar dividido em estados independentes: reinos, ducados, e eleitorados, possuindo o imperador um poder restrito. Ele era eleito pela "Dieta", que era uma conferência dos chefes dos vários estados. Ao tempo da Reforma, Carlos V era imperador. Era também rei da Espanha e dos Países Baixos, e um homem prudente e ambicioso. De todo o coração queria castigar Martinho Lutero pela pusadia em se opor ao papa. Felizmente os estados eram independentes e seus governadores ciosos dos seus direitos.

Lutero morava na Saxônia, e o Eleitor Frederico apoiava o reformador. A Reforma espalhou-se para outros Estados, mas muitos estados alemães conservaram-se católicos. As vezes a Reforma e a vida dos reformadores pareciam estar em perigo, mas Deus guardava o seu povo, e as invejas e contendas políticas serviam para conservar a fé e a vida dos reformadores.

Lutero era conservador, e queria, tanto quanto possível conservar da antiga religião certas cerimônias, vestimentas, etc, que considerava como a casca para conservar as novas doutrinas. A Igreja Luterana na Alemanha era ligada ao Estado e controlada pelo governo secular. Em outros países a mesma igreja é governada por bispos. Uma separação entre a Igreja e o mundo nunca entrou no pensamento dos reformadores principais em qualquer país, muito menos na Alemanha: Lutero era mais um grande pregador do que um cuidadoso teólogo. Como outros reformadores, emergindo das trevas e superstições da Igreja de Roma, ele recebeu a luz gradualmente, e seus escritos mostraram um certo progresso no seu entendimento das Escrituras. Uma grande dificuldade surgiu quando Lutero morreu, devido ao fato de um partido na Igreja Luterana querer aderir rigorosamente às crenças e escritos do Reformador, embora em alguns pontos não fosse muito claro o que ele cria.

Depois da morte de Lutero, e durante o século seguinte, houve muitas contendas a fim de obter-se uniformidade no ritual da Igreja Luterana, e para fazê-la mais conforme aos credos das igrejas de outros países. O fanatismo dos padres luteranos pelo seu ritual e pormenores de doutrinas sem importância prejudicou a espiritualidade da igreja. Depressa a Igreja Luterana entrou no estado descrito na carta a Sardo (Ap 3.1): "Tens nome de que vives, e estás morto". De vez em quando Deus levantava testemunhas no meio deste estado morto. Uma destas foi Jacó Spener, um fiel pregador, e outros foram associados com ele. Toda a sua vida foi atacada pelos teólogos e padres luteranos. A alcunha "Pietistas" (piedosos) foi dada a estas testemunhas, porque pregavam contra os prazeres mundanos e levianos, e praticavam o que pregavam. Outro homem de Deus foi Augusto Hermann Franck. Ele fundou um orfanato na cidade de Hale no ano de 1691, um posto médico para os pobres, e uma sociedade bíblica. Mais tarde o conde de Zinzendorf começou seu grande serviço. Pertencia a uma família rica, nobre e piedosa. Seu padrinho foi Jacó Spener, e cresceu com o conhecimento do Evangelho. Mas quando era jovem crente, o conde visitava as cidades da Europa (como muitos ricos costumavam fazer, a fim de completar a sua educação) e chegou a Dusseldorf, e, entrando numa galeria de arte, ficou muito impressionado com uma pintura de Cristo crucificado feita no século anterior, e com as seguintes palavras embaixo: "Tudo isto Eu fiz por ti! - Que fazes tu por mim?" Isto produziu uma crise na vida de Zinzendorf, e voltou para casa com desejo ardente de servir ao Senhor. O conde interessava-se pelos crentes na Morávia perseguidos pelos governadores da Áustria. Muitos eram descendentes dos seguidores de João Huss: outros elementos foram espalhados pela perseguição no tempo da Reforma. O conde convidou alguns para sua propriedade para fazer uma aldeia modelo, onde houvesse liberdade. No princípio havia brigas e contendas. Séculos de perseguição tornaram estes crentes como fanáticos em defesa de suas doutrinas, e confundiram as questões sem importância com doutrinas fundamentais. Alguns concluíram que o bom Conde era mesmo a "Besta" do Apocalipse, e foram visitá-lo para anunciar-lhe este descobrimento. Zinzendorf tratou-os com muita paciência e consideração e, depois de muito ensino, tudo foi harmonizado, e em vez de contenderem, os moravianos começaram a se amarem uns aos outros e a trabalharem juntos. O Conde, com sua família, morava com eles, dando assim bom exemplo de vida cristã em casa. Os moravianos tomaram o nome de "Irmãos Unidos". Zinzendorf queria que eles se associassem à Igreja Luterana e aceitassem seu ritual, mas os irmãos não queriam, e a sua congregação tomou uma forma mais calvinista. Os irmãos tornaram-se em uma sociedade missionária, e muitos deles foram evangelizar como missionários pioneiros em diversas partes do mundo. As despesas eram pagas pelo conde, até que veio a ficar empobrecido.

Zinzendorf também foi perseguido pelas autoridades da Igreja Luterana, mas sofreu tudo com paciência. Foi banido de Saxônia pelas autoridades durante algum tempo, mas sua liberdade depois foi restaurada, e até pediram-lhe que arranjasse mais aldeias modelos como a de Hernhut, onde morava. João Wesley encontrou os missionários moravianos em viagem para a América, e ficou impressionado com o procedimento deste povo, especialmente com a calma que eles mostraram durante uma tempestade. No seu regresso à Inglaterra, Wesley assistiu às reuniões dos moravianos em Londres, e ali foi convertido. Wesley visitou Hernhut, a aldeia dos Irmãos Unidos na Alemanha e ficou muito impressionado; mas mais tarde encontrando alguns deles com idéias extravagantes, separou-se deste povo. A doutrina principal que os dividiu foi a da predestinação, pois Zinzendorf era calvinista e Wesley armeniano. Um grande pregador contemporâneo de Zinzendorf foi Hochmann von Hochenau. Sua pregação produziu uma revivificação e muita gente foi convertida, e foi iniciado um movimento espiritual chamado "A Sociedade de Filadélfia". Espalhou-se para outros países e "igrejas de Filadélfia" foram fundadas em muitos lugares, separadas da Igreja estabelecida. A pregação de Hochmann foi o meio da conversão de um jovem estudante chamado Hoffmann, que tornou-se um grande pregador do evangelho, e foi usado na conversão de Gerhard Tersteegen, um escritor de muitos hinos na língua alemã.

A Alemanha sofreu terrivelmente na guerra dos "Trinta Anos", no século XVII (1618-1648) e muito do seu território foi devastado. No século seguinte, as lutas de Frederico, o Grande, chamadas a "Guerra dos Sete Anos", produziram muitos sofrimentos e privações. Durante o século XVIII, o ateísmo espalhava-se pela Alemanha, e o Rei da Prússia (Frederico, o Grande) era amigo de Voltaire, cujos escritos espalhavam sua impiedade.

No século seguinte, as guerras de Napoleão impediram o progresso da Alemanha, porque o imperador da França dominava o país. No século XIX, os vários estados da Alemanha ficaram unidos, e o Rei da Prússia foi declarado imperador da Alemanha. Os alemães têm feito grande progresso na indústria, no comércio e na ciência. As leis e a administração eram justas, sem a corrupção que desmoraliza muitos outros países.

Durante a Segunda Grande Guerra, o mundo todo e os melhores elementos na Alemanha protestaram contra a injustiça e a brutalidade da perseguição dos judeus e de alemães que não concordavam com o sistema de opressão. O espírito militar era muito forte na Alemanha, confundindo-se com o patriotismo, e a Igreja Luterana não manifestou poder espiritual para combater esse espírito militarista. A tentativa de Adolfo Hitler de converter a Igreja às suas idéias pagãs produziu resistência da parte de muitos pastores e do povo fiel. Alguns sofreram até a morte para manter o testemunho do Evangelho. A guerra começada no ano 1939 produziu muita miséria no mundo, especialmente na própria Alemanha.


Inglaterra
O reinado da rainha Isabel trouxe tranqüilidade e liberdade à Inglaterra, e firmou a religião protestante no país. Entre os protestantes havia dois partidos: o povo que queria manter certas formas e vestimentas da Igreja católica, e os puritanos que queriam um culto mais simples e espiritual. A rainha era favorável tanto quanto possível às cerimônias da Igreja católica, e desprezava os puritanos. Por isso a Igreja Anglicana tem conservado certas vestimentas. A sua liturgia é uma forma episcopal onde os bispos são como nobres, tendo domínio sobre a herança de Deus. Os prelados tornaram-se perseguidores dos puritanos no século seguinte, e inimigos da pregação do Evangelho no século XVIII. A rainha não era cruel como sua irmã Maria se mostrara, mas não tinha qualquer sinal de fé cristã. A derrota e destruição da "Invencível Armada" de Filipe da Espanha, firmou o reino contra o catolicismo.

O século seguinte viu a Escócia e a Inglaterra unidas sob o mesmo soberano. O herdeiro, depois de Isabel, ao trono da Inglaterra, era o rei Tiago da Escócia. No ano 1603 Isabel morreu, e Tiago I foi declarado rei da Inglaterra, Escócia e Irlanda. O nome da nova família real era "Stuart", e houve quatro reis dessa família. Todos eles procuravam exaltar o poder real acima do Estado e da Igreja, e perseguiram todos os que não queriam conformar-se com o ritual da Igreja Anglicana. Somente durante onze anos de protetorado, o povo gozou ampla liberdade, tanto na Inglaterra como na Escócia. A Escócia sofreu especialmente da família Stuart, que odiava o sistema presbiteriano, onde o rei era considerado somente um membro e não a "cabeça", como na Igreja Anglicana. Nesta igreja o rei nomeava os bispos, e os bispos os ministros, e assim tudo era submisso à vontade do rei. Os reis pensavam que o soberano possuía direitos que vinham de Deus, e portanto não tinha de dar conta a mais ninguém.

A loucura e a teimosia do segundo rei desta dinastia, Carlos I, custou-lhe a cabeça, depois de uma guerra civil entre o rei e o povo, em favor da liberdade. O ditador, Oliver Cromwell, concedeu liberdade religiosa, mas o povo gozou esta bênção apenas onze anos, pois o filho de Carlos I voltou e é conhecido como Carlos II. Era homem devasso e sem honra ou princípios. Uma das primeiras leis promulgadas foi chamada "ATO DE UNIFORMIDADE", que obrigou a todos a pertencerem à Igreja Anglicana e proibiu reuniões religiosas de outra denominação. 2.000 dos melhores ministros da Igreja Anglicana foram enxotados das suas paróquias e proibidos de voltar para perto das antigas congregações. Durante este período, João Bunyan, por ter pregado ao ar livre, e em casas particulares, foi condenado a doze anos de cadeia. Outro pregador dissidente era Ricardo Baxter, que foi, repetidamente, processado, multado e preso por ter pregado, e por ter escrito livros que não agradaram os prelados. Era homem santo e liberal, e odiava a intolerância religiosa. Um livro que escreveu chamado "O Descanso Eterno dos Santos" é lido ainda hoje, e tem sido uma bênção para muitas pessoas durante quase três séculos: Pelos meados do século XVII, apareceu um movimento cristão que existe até hoje, chamada os "Quákers (Tremedores) ou a "Sociedade dos Amigos". O fundador foi Jorge Fox, um crente fervoroso, mas ele por vezes fez muitas extravagâncias, entrando nas igrejas anglicanas e estorvando os ministros.

Fox passou diversos períodos na cadeia. Outros homens de mais educação ajuntaram-se ao movimento sendo um deles Guilherme Penn, o fundador da Pensilvânia, agora um dos Estados da América do Norte. Os adeptos dessa denominação deram muita atenção às operações do Espírito Santo, doutrinas pouco entendidas na igreja reformada. Protestaram contra as cerimônias e o ritualismo; e nas suas reuniões costumavam sentar-se por muito tempo em silêncio, esperando a direção do Espírito Santo. Os Quákers vestiam-se com muita simplicidade, recusaram jurar nos tribunais de justiça, ou tomar armas até para se defenderem. Não usavam o batismo nem a Santa Ceia, porque diziam que hoje o cristianismo é todo espiritual. Esta gente, sendo considerada fanática, foi perseguida, e as cadeias encheram-se de pessoas acusadas de terem freqüentado reuniões, ou terem recusado jurar, e cerca de 12.000 quákers estavam presos durante um certo período. Quando soltos, voltaram às suas reuniões abertamente, e deixaram a polícia levá-los à cadeia novamente. Jorge Fox não era bem educado, mas Guilherme Penn era filho dum almirante distinto, e defendeu-se com coragem nos tribunais. O rei devia a seu pai muito dinheiro, e quando este morreu, para liquidar a dívida, Carlos II concedeu ao filho Guilherme um vasto território na América do Norte, então colônia inglesa. Penn foi para ali e fundou uma colônia modelo, fazendo aliança com os índios, aliança essa que nunca foi desonrada, e assim ganhou o respeito dos indígenas. O rei deu a esta colônia o nome de Pensilvânia, e Penn fundou a capital, chamando-a Filadélfia, agora uma das cidades principais dos Estados Unidos. Os quákers foram muito perseguidos em outras colônias inglesas, pelos puritanos, homens que fugiram da perseguição dos prelados da Inglaterra. Os quákers mais tarde, quando veio a liberdade na Inglaterra, foram conhecidos pela sua filantropia, e depois trabalharam na Inglaterra e nos Estados Unidos pela abolição da escravatura. Nestes últimos anos os quákers têm diminuído muito, e a maior parte deles tem deixado as verdades cristãs fundamentais. Há ainda um pequeno grupo deles que são fundamentais.

No ano de 1621 um grupo de puritanos embarcou num navio chamado o "Mayflower" para formar uma colônia na América do Norte, a fim de fugir à perseguição na Inglaterra e gozar a liberdade no outro lado do oceano. Sofreram muitas aflições, doenças, privações, morticínios pelos índios, mas perseveraram, e aumentaram pela emigração da Inglaterra durante sessenta anos, e as colônias americanas foram bem povoadas, formando a base da República agora tão poderosa, chamada Os Estados Unidos.

O último rei da Casa de Stuart, Tiago II, era católico, teimoso e fanático, embora jurasse manter a religião protestante e a liberdade do povo, queria introduzir a religião católica. Depois de quatro anos de aflição, o povo convidou o seu genro, Guilherme de Orange, de Holanda, para substituir seu sogro, e este fugiu para a França. Guilherme e sua esposa Maria eram muito bons soberanos e concederam liberdade religiosa, que tem sido mantida desde essa data (1689).

Mas a liberdade não produziu espiritualidade. Ao contrário, no século XVIII o estado espiritual da Inglaterra piorou gravemente. Era igual à condição da igreja em Sardo: um nome para viver, mas morta. O povo estava embrutecido, os ministros da Igreja Anglicana não cumpriam os seus deveres, e muitos gastavam seu tempo caçando e jogando, e alguns eram bêbados. As denominações eram espiritualmente mortas e sem poder, e a maior parte caiu em heresia.

Mas Deus felizmente não deixou sua igreja assim. Levantou os irmãos Wesley, Jorge Whitefield, Rowland Hill e outros, que pregavam ao ar livre e produziram uma revivificação espiritual. Foi então fundada a Igreja Metodista, e outro resultado foi uma mudança na moral do povo. A diferença produzida pela revivificação, dizem alguns historiadores, evitou a repetição na Inglaterra do desastre que se deu na França chamado o "Reinado de Terror". Ao princípio João e Carlos Wesley e Jorge Whitefield eram perseguidos pelos bispos e padres anglicanos. A pregação ao ar livre foi considerada uma extravagância religiosa. Milhares de pessoas assistiram a essas pregações, e muitos foram convertidos. Wesley também organizou uma multidão de pregadores leigos, que pregaram com bom êxito. Jorge Whitefield foi ajudado pela condessa de Huntingdon, que edificou salões em diversas partes da Inglaterra, e pagou o ordenado de muitos ministros para pregarem o Evangelho. Muitos desses salões existem até hoje.

Este despertamento desenvolveu-se no século XIX quando foram estabelecidas diversas sociedades bíblicas e sociedades missionárias. Havia também grande interesse pelo texto da Bíblia, e pelos manuscritos antigos dos quais foram descobertas traduções mais exatas que foram traduzidos. Escavações na Mesopotâmia, na Babilônia e no Egito trouxeram à luz escritos confirmando histórias bíblicas. Também certas verdades foram estudadas, como as profecias do Velho Testamento e a vinda do Senhor. O espírito sectário, que dominava em todas as classes de crentes, despertava a consciência de muitos, e resultou em mais comunhão fraternal na Igreja. A rainha Vitória começou a reinar no ano de 1847, e reinou mais de 60 anos. Sendo cristã, e com idéias elevadas, ela fez uma limpeza na corte, e elevou o nível social e público, começando com os ministros de Estado até a administração da justiça. Se um ministro de Estado, embora de grande capacidade, tivesse uma mancha no seu caráter moral, seu nome era riscado da lista. A justiça agora estava ao alcance dos mais pobres, e não favorecia os ricos.

No ano 1859 houve uma revivificação no Norte da Irlanda e no Norte da Escócia, e a Inglaterra sentiu seu efeito. Durante dez anos em seguida houve uma grande onda de evangelização no país, e muitos foram convertidos. Poucos anos depois veio o evangelista D. L. Moody da América do Norte para suas campanhas de pregações, e com ele Sankey, o cantor evangélico. Visitaram todas as cidades principais nos três reinos, e milhares foram convertidos. Nos maiores salões das cidades não cabia a metade do povo que queria assistir às suas pregações. Moody era homem humilde e de família pobre e pouco educado, com sotaque americano, mas pregava com grande poder. Durante os anos que seguiram a estas campanhas, nasceram muitas sociedades de evangelização entre crianças, marinheiros, soldados, pescadores, empregados nas estradas de ferro, e políticos, para impressão e distribuição de tratados evangelísticos. Os trabalhos missionários desenvolveram-se e novas sociedades foram instaladas. Tudo parecia semelhante à Igreja em Filadélfia. A porta estava aberta para o Evangelho em quase todo o mundo: "Uma porta que se abre e ninguém fecha". O grande pregador batista Spurgeon (chamado o "príncipe dos pregadores") durante mais de 30 anos pregava todos os domingos a milhares de pessoas em Londres, e seus sermões são lidos até hoje.

Mas, enquanto o Espírito de Deus fazia estas maravilhas, o inimigo não dormia, apanhando semente de joio e começando a sua sementeira. Seus servos eram como os fariseus e saduceus. Os primeiros estavam representados na Inglaterra por um forte partido de ritualistas, que queriam fazer a Igreja Anglicana igual à Igreja Católica. Os "saduceus" criticavam as Escrituras, e a crítica à Palavra de Deus tem crescido gradualmente. Um célebre cientista chamado Charles Darwin, inventou a teoria da "Evolução". Baseando suas teorias sobre certos fatos científicos. Ele negou a obra do Criador do universo, dizendo que o homem é descendente de animais, sendo o macaco o nosso parente mais chegado, tendo havido entre este animal e o homem um elo que agora falta.

Durante muitos anos os cientistas tem procurado em vão algumas evidências da existência desse "elo", que deve ser meio homem e meio macaco. Muitos cientistas têm abandonado esta teoria, mas infelizmente foi adotada pelos professores dos seminários para treinar ministros para os púlpitos de várias denominações.

A teoria da evolução foi adaptada ao ensino bíblico, e o resultado disso hoje em dia é que uma boa parte desses ministros são "modernistas", negando a inspiração da Palavra de Deus. O efeito na vida do povo é triste. Embora a pregação do Evangelho ainda atraia o povo, a Inglaterra em geral é quase como uma nação pagã, e é calculado que somente 20% assiste a qualquer culto. E destes 20% a maior parte são modernistas. Embora a Inglaterra tenha alguma parte no serviço missionário do mundo, este é apoiado por uma pequena percentagem do povo. O estado espiritual é como o de Laodicéia. O Evangelho produziu, e ainda existe no país, um alto nível de responsabilidade e honestidade na administração das leis, da justiça, e foram instituídos muitos benefícios, tais como proteção aos velhos, aos fracos, aos desempregados, e as leis protetoras nas indústrias. O comércio é praticado com elevada moral, mas o povo em geral é muito indiferente às coisas de Deus. O domingo agora é quase tão profano como no Continente. Riquezas, prazeres, esportes, conforto, luxo, têm tomado o lugar da piedade. Deus está agora retirando do país muitas destas vantagens, e o povo foi bastante castigado na Segunda Guerra Mundial.


Escócia
A Reforma efetuou mais transformação na Escócia do que em qualquer outro país. Primeiro, porque o país estava numa condição deplorável, e porque a Reforma na Escócia foi mais completa. Esse país era pobre, e com um clima ingrato e um solo pouco fértil. No Norte o povo era quase selvagem. É montanhoso, e os habitantes, chamados "highlanders", eram divididos em tribos chamadas clãs, e eram muito fiéis à tribo e ao seu chefe. Havia constantes brigas com outras tribos, e travavam batalhas até a morte com seus inimigos. No Sul, na fronteira com a Inglaterra, muitas famílias eram compostas de bandidos e ladrões, que roubavam as fazendas e até as aldeias e cidades do Norte da Inglaterra, fazendo sistematicamente "raids" em bandos, queimando tudo que não podiam carregar. Levavam o despojo, gado, cavalos e carneiros para seu país. Os exércitos ingleses entraram na Escócia e tomaram vingan­ça pelos roubos, mas os "raids" continuaram. Entre estas famílias escocesas havia também brigas ou vendetas de uma geração para outra. Entre as clãs do Norte, quando um membro de uma família encontrava-se com o membro de uma família inimiga, era dever de ambos brigarem até a morte.

Os nobres ou fidalgos escoceses eram ferozes e cruéis. A opressão e a injustiça campeavam por toda a parte. De vez em quando havia um rei que governava bem, mas muitos deles encontraram morte violenta. Sendo que os reis menores (os regentes) ou abusavam do seu poder, ou eram fracos demais. A igreja romana possuía a maior parte das propriedades e não pagava imposto algum, e os frades eram geralmente preguiçosos e cheios de vícios. O martírio de Patrício Hamilton e Jorge Wishart aumentou o ódio do povo aos padres e bispos, e muitos nobres receberam o Evangelho. João Knox foi preso depois da morte de Wishart e serviu nas galés da França como um forçado. Foi libertado por influência do rei Eduardo VI, da Inglaterra, que era protestante.

Depois Knox passou uns anos com Calvino, em Genebra, e aprendeu ali suas idéias sobre o governo da igreja. Voltou, finalmente, no ano de 1559, à Escócia, e achou que a Reforma fizera muito progresso, mas havia luta entre os protestantes e a Regente, que era viúva do último rei (e mãe da rainha Maria da Escócia), morava na França, por se ter casado com o rei daquele país. A rainha-mãe era da família De Guise (francesa), e uma católica fanática. Ela determinou acabar com a Reforma por todos os meios ao seu alcance. Convidou um exército francês para exterminar a Reforma, porque os protestantes estavam destruindo os ídolos nas igrejas, acompanhados por fidalgos armados com seus soldados. Os fidalgos enviaram uma carta à rainha Isabel da Inglaterra, pedindo um exército inglês para ajudá-los. A rainha atendeu e mandou navios de guerra e um exército. Depois de uma luta feroz, os ingleses e escoceses obrigaram os franceses a capitular e voltar à França. A rainha-mãe (a regente) morreu por esta ocasião, e os reformadores tomaram conta do reino. Foi convocada a primeira "Assembléia Geral" da Escócia. Nesta assembléia ficou resolvido formar-se a igreja nacional reformada da Escócia. Não reconheceram o soberano (como na Inglaterra) como "Cabeça da Igreja", mas a Igreja da Escócia tomou uma forma presbiteriana. Ficou resolvido acabar de vez com tudo que era da Inglaterra romana na nova forma da Igreja da Escócia, e as doutrinas eram aproximadas às de Calvino. Resolveram que toda paróquia devia possuir uma escola e um ministro, e a Bíblia estaria aberta a todos.

No princípio havia dificuldades, por falta de ministros instruídos, e muitas aldeias tinham de ficar contentes com um estudante. Superintendentes viajavam dum lugar para outro fiscalizando o progresso do serviço religioso. Durante a primeira geração houve queixas contra ministros ou seminaristas porque, às vezes, frades ou padres da igreja católica prestavam esse serviço. Na Assembléia ficou resolvido apropriar-se a nação de todas as propriedades e riquezas da Igreja Romana, formando um fundo eclesiástico para pagar o ordenado dos ministros superintendentes, seminaristas, professores de escolas, e despesas das escolas, e também para sustentar frades e freiras enxotados dos conventos que eram velhos demais para ganhar a vida. Infelizmente alguns dos fidalgos roubaram as propriedades eclesiásticas, e toda a riqueza não foi para o fundo da nova Igreja. Foi instituído na Escócia um sistema de educação gratuita, para crianças de ambos os sexos, (isto séculos antes de outros países protestantes adotarem essa medida) e a educação da Escócia, durante séculos, foi a mais adiantada do mundo.

A rainha Maria da Escócia voltou no ano de 1561. Era viúva porque o rei da França, seu marido, morrera. Maria fora enviada à França menina, e educada ali na corte mais corrupta da Europa. Ela queria que os escoceses voltassem à religião católica, mas era tarde demais. Na face da terra não existia um povo que mais odiasse a Igreja Romana do que os escoceses. A rainha era hábil, sutil, e sem escrúpulo. Casou de novo e seu único filho, Tiago, tornou-se depois rei da Inglaterra e da Escócia, unindo assim os dois reinos. Felizmente, a mãe não criou seu próprio filho, sendo ele entregue a um fidalgo chamado Mar, para ser educado como protestante.

Maria foi cúmplice no assassínio do seu segundo marido e logo depois casou-se com o homem que foi culpado deste crime. Os escoceses então pegaram em armas e avançaram contra a Rainha e seu novo marido. Ambos foram obrigados a fugir, mas em direções diferentes; o marido fugiu para a Dinamarca, e a rainha para a Inglaterra, entregando-se à sua prima Isabel. Durante os 19 anos de sua estada na Inglaterra, ela conspirou constantemente contra a rainha; e finalmente os ministros do Estado aconselharam a sua execução, e ela foi degolada. Seu filho Tiago fora declarado rei da Escócia quando sua mãe fugira. Quando Isabel morreu, Tiago foi declarado rei da Inglaterra, Escócia e Irlanda. Quando Tiago chegou à Inglaterra, gostou muito do sistema episcopal porque ele mesmo era "cabeça", e assim podia apontar bispos obedientes. Queria introduzir o mesmo sistema na Escócia, mas era impossível. Seu filho Carlos I, homem muito mais teimoso e menos sábio, mandou que a liturgia anglicana fosse lida na Igreja de S. Giles em Edimburgo, capital da Escócia. Nessa ocasião, uma mulher lançou uma cadeira à cabeça do padre, e este foi obrigado a fugir da ira dos escoceses, e nunca mais voltou. O rei então invadiu a Escócia com um exército, mas encontrando um exército mais poderoso na fronteira, ficou numa posição muito crítica para discutir o assunto, e voltou desistindo do intento. Os ingleses ficaram muito satisfeitos também porque odiavam o arcebispo Laud, que aconselhou ao rei tal coisa. Finalmente este prelado foi executado.

Querendo Carlos I atentar contra a liberdade do povo inglês, rebentou a guerra civil, que terminou com a execução do rei. Infelizmente, os escoceses convidaram seu filho, que professou ser presbiteriano, para governar a Escócia. Um convite de que mais tarde o povo teve muita razão para se arrepender. O Protetor da Inglaterra, Oliver Cromwell, invadiu a Escócia e venceu seus exércitos obrigando o príncipe Carlos a fugir. Oliver Cromwell mandou seus generais para governar a Escócia, e foram dez anos de governo justo, de paz e liberdade. Eis o testemunho dum historiador desse tempo (1650-1660): "Eu creio verdadeiramente que houve mais almas convertidas a Cristo durante este período, do que durante qualquer outro tempo desde a Reforma, mesmo sendo um período três vezes maior. Toda paróquia tinha um ministro, toda aldeia uma escola, e quase toda família possuía uma Bíblia, e na maior parte do país, todas as crianças de idade escolar sabiam ler". Este testemunho foi escrito um século depois da Reforma. Não havia no mundo país mais adiantado no século XVII nem no século XVIII.

Mas a liberdade religiosa teve pouca duração. No ano de 1660 o príncipe Carlos voltou, e foi declarado rei com o nome de Carlos II (de "duas faces" dizem os escoceses). Carlos mostrou sua ingratidão aos escoceses que tinham vertido seu sangue para mantê-lo no trono. Fez leis severas contra os presbiterianos. Quase todos os pastores foram enxotados e homens ignorantes e, às vezes, sem caráter, preencheram seus lugares. A lei exigia que todos os membros assistissem nos domingos aos serviços na igreja, e os novos padres mandavam a lista dos ausentes para as autoridades. A pena de ausência era prisão ou multa. Os escoceses então reuniram-se secretamente nas montanhas e bosques e ali os velhos pastores pregavam, e celebravam também a Santa Ceia. Tais reuniões, chamadas "Conventículos", eram contra a lei, e soldados foram enviados para dispersar o povo que os assistia. Esses soldados prendiam e por vezes matavam aqueles que apanhavam. Ás cadeias ficaram cheias, e os pregadores, quando apanhados, eram enforcados ou degolados.

Durante um destes conventículos os soldados atacaram a multidão, e uns homens armados defenderam-se. Este, sucesso da parte dos "Covernanters" (como se chamava os escoceses presbiterianos) não deu bom resultado, porque os atacantes depois foram vencidos, e centenas foram fuzilados ou enforcados. O governador mais cruel desses tempos foi o Duque de York, irmão do rei, e depois Tiago II. Era católico, e gostava de inventar e presenciar torturas bárbaras. Quando foi feito rei, a opressão piorou, mas felizmente durou somente quatro anos, pois Tiago foi obrigado a fugir para a França, e o rei Guilherme de Orange (holandês) subiu ao trono, e sempre depois disso a Escócia tem gozado plena liberdade religiosa. Muitos dos que haviam fugido para a Holanda voltaram à pátria.

Durante o século XVIII a vida social e religiosa não desceu tanto na Escócia como na Inglaterra. João Howard, o célebre filantropista e reformador das prisões, escrevendo no ano 1779, disse: "Há poucos presos na Escócia. Em parte é devido aos costumes alcançados pelo cuidado que os pais e ministros têm em instruir a nova geração. No Sul da Escócia é raro encontrar-se uma pessoa que não saiba ler e escrever. Era considerado um escândalo se uma pessoa não possuísse a Bíblia, que era sempre lida nas escolas paroquiais".

A pregação de Whitefield foi muito abençoada neste século. João Wesley também visitou a Escócia diversas vezes e ficou admirado com a atenção do povo à sua pregação, e o decoro observado durante as reuniões. Wesley não teve, porém, o bom êxito de Whitefield. Talvez fosse isso devido ao fato de que este pregador era mais chegado à doutrina calvinista do que aquele, porque os Wesleianos eram mais discípulos de Armínio do que de Calvino. Foi esta diferença que causou a separação entre os grandes pregadores.

Durante o século XVIII o espírito de um evangelismo agressivo quase desaparecera na Escócia. Ao fim desse século dois irmãos, Roberto e Tiago Haldane, foram convertidos e dedicaram suas vidas ao Evangelho, viajando e pregando. Os ministros presbiterianos se opuseram a este movimento, e um ato foi decretado na Assembléia em 1799, proibindo o uso dos púlpitos presbiterianos a leigos ou a ministros de outras igrejas. Os irmãos Haldane eram proprietários com bastantes recursos e continuavam seu trabalho fundando escolas dominicais. O célebre Dr. Tomás Chalmers era um pregador eloqüente e poderoso, e animou os evangélicos no país, e era líder da seção evangélica na igreja escocesa. Depois o Dr. Chalmers chefiou o movimento separatista que formou a Igreja Livre da Escócia. A revivificação de evangelismo na Escócia no princípio do século XIX foi motivo da formação de diversas sociedades missionárias.

Em 1843 a Igreja Presbiteriana foi dividida: muitos separaram-se da Igreja estabelecida formando a "Free Kirk" (Igreja Livre) em protesto contra a intervenção do poder secular no governo e conduta da Igreja. Os chefes do movimento separatista eram evangélicos, mas seus colégios em pouco tempo escolheram professores com idéias críticas das Escrituras. Um grupo dos ortodoxos dividiram-se da "Free Kirk", formando um corpo separado.

Havia lugares remotos das cidades grandes, no Norte da Escócia, onde o povo continuava meio-selvagem. A revivificação de 1859 alcançou estes lugares. Os pescadores no Norte e no Nordeste até as ilhas de Shetland eram homens embrutecidos. As aldeias à beira-mar estavam cheias de tabernas onde era vendido o "Whisky" (aguardente) e era onde os pescadores faziam seus negócios. As casas eram choupanas pobres e sujas, o povo gastava o seu dinheiro nas tabernas e os pescadores levavam aguardente nos barcos de pescar. A transformação feita no povo nesse ano parece até incrível. As causas e os costumes mudaram depressa. O efeito perdurou por muito tempo. Hoje os turistas vão de propósito visitar as aldeias-modelos dos pescadores. Uma aldeia, por exemplo, que antes da revivificação possuía onze tabernas no meio da pobreza, agora não possui nem tabernas, nem cinema, nem cadeia, e as casas são modelos de asseio. O vício é desconhecido ali, e não há necessidade de polícia.

A Escócia tem produzido muitos dos melhores missionários pioneiros, como Robert Moffat, David Livingstone, Dr. Kalley, João Paton, James Chalmers e F. S. Arnot. A indústria, o comércio e a agricultura têm trazido prosperidade à Escócia, mas não espiritualidade. Dois grandes inimigos têm feito bastante estrago: o "Whisky" em casa, e o modernismo na igreja. O domingo na Escócia era guardado como o dia do Senhor. Hoje em dia todos os bons costumes então existentes estão mudando para pior, e o domingo é mais e mais profanado. O número dos que assistem aos serviços religiosos está diminuindo rapidamente, e o estado espiritual do povo torna-se laodiceano.


Suíça
A Reforma na Suíça tem uma importância especial. Zwínglio foi um dos primeiros reformadores a pregar o Evangelho, mas quem influiu no caráter da Reforma na Europa mais do que ele foi João Calvino. A Suíça era uma república, constituída de estados, chamados "cantões", cada um com governo independente, mais livre ainda do que os Estados do Brasil ou dos da América do Norte. Sendo uma democracia, o governo da igreja tomou forma democrática também. Na Inglaterra ou nos países que adotaram a forma luterana, a igreja era episcopal, ou governada por bispos. Esta forma era uma adaptação do sistema romanista. Os bispos eram a aristocracia da igreja, e governavam os sacerdotes e o povo. Zwínglio adotou o sistema presbiteriano, que foi mais tarde desenvolvido por Calvino, e copiado na França, Holanda, Escócia, e no Palatinado (dois estados de Alemanha). Os ministros e um número de presbíteros escolhidos pelo povo governavam a igreja. Lutero e os reformadores ingleses queriam reter, tanto quanto possível, os costumes antigos da Igreja Romana, purificados dos erros e corrupções, continuando também com suas vestimentas e uma liturgia modificada. A Reforma na Suíça foi uma limpeza completa, porque ali os reformadores não tinham respeito nenhum para com os costumes antigos da Igreja Romana.

Também o ensino de Calvino influía muito nas igrejas reformadas que adotaram seu sistema de governo. Este ensino espalhou-se na Inglaterra entre os puritanos e nas colônias da América do Norte. A doutrina especial de Calvino, hoje chamada "calvinismo", era a da eleição ou predestinação, na qual o reformador pôs muita ênfase. Calvino em sua luta com os romanistas, em vista da tendência da igreja romana de atribuir a salvação da alma aos esforços humanos, frisou a soberania de Deus. Alguns dos seus seguidores levaram estas doutrinas ao extremo, quase negando a responsabilidade humana. A justa inferência de tais ensinos seria que Deus é o autor do pecado, e a oferta de salvação aos pecadores não é de boa fé, porque a maioria não pode aceitá-la por Deus ter predestinado essa maioria à condenação, e somente os eleitos, à salvação. No princípio foram os teólogos católicos que se opuseram às doutrinas de Calvino, mas, no fim do século XVI, um teólogo protestante chamado Tiago Armínio (1590-1609) começou a ensinar doutrina oposta ao calvinismo; sua doutrina é chamada "arminiana".

Embora seus seguidores mais tarde também levassem sua doutrina ao extremo, ela tinha moderação, e servia de antídoto às doutrinas extremas do calvinismo. Hoje em dia tais doutrinas ainda são discutidas, mais a maior parte dos crentes reconhece que a graça soberana de Deus e a vontade livre dos homens são como os dois trilhos de uma estrada de ferro, paralelos, não precisando de reconciliação. Mas na Holanda alguns dos seguidores de Armínio sofreram terríveis perseguições, e a contenda tem revivido diversas vezes, notavelmente no tempo de João Wesley. Foi esta questão que dividiu Wesley de Whitefield e do Conde Zinzendorf, e no mesmo século houve muita polêmica entre estes e outros teólogos.

Devemos mencionar outra contenda no século XVI. Enquanto Zwínglio pregava em Zurique, diversos pastores eruditos e piedosos queriam voltar às práticas primitivas, separando a Igreja do Estado, e recusando batizar as crianças, dizendo que somente pessoas convertidas deviam ser batizadas. Zwínglio se opôs a este povo, e as autoridades de Zurique perseguiram todos os que adotaram tais idéias. Devido ao seu ensino e prática, estes foram chamados "anabatistas" e mais tarde "batistas". Naquele tempo era considerado crime horrível recusar-se a batizar crianças e rebatizar adultos que já haviam recebido o rito na infância. E o imperador da Alemanha, um religioso fanático, mandou queimar ou afogar muitos que praticavam tais "crimes". E na própria Zurique protestante, os chefes batistas, homens eruditos e piedosos recebiam muitas vezes como castigo da sua pregação o afogamento. Há quem acuse Zwínglio de haver, por omissão, consentido nessa perseguição desumana.

A verdade é que ele não empregou sua grande influência para impedir castigos tão injustos como os usados pela Igreja Romana. Muitos anabatistas foram expulsos da Suíça. Infelizmente, depois da morte dos seus chefes, alguns anabatistas adotaram práticas extravagantes. Na Alemanha, ajuntando-se aos camponeses, por motivos políticos, fizeram a revolta chamada a "Guerra dos camponeses". Este movimento foi condenado por Lutero, e o exército deles foi derrotado e castigado com brutalidade.

Outros anabatistas numa cidade chamada Munster, enxotaram todos os cidadãos que não aceitaram suas idéias; proclamaram João Leiden seu prefeito e praticaram crueldades e até poligamia. Nesse tempo, a cidade deles foi tomada pelo exército do bispo. Estas extravagâncias deixaram um estigma em todo o movimento.

De tudo isso, se vê que as atrocidades cometidas pela Inquisição da Igreja Romana durante séculos influíram em alguns que saíram do catolicismo para ingressarem na Reforma, pois muitas vezes se tratava de convencidos, que apenas mudavam de religião, e não de verdadeiramente convertidos ao Evangelho, ou nascidos de novo.

Um homem chamado Meno Simonis, no ano de 1537, ajuntou-se a esse grupo fanatizado, e a sua piedade e moderação impediram que eles praticassem excessos. Meno morava na Holanda, mas devido a uma forte perseguição foi obrigado a fugir para Fresemburgo, em Holstein, onde o Conde Alefeld o protegeu, com muitos dos seus seguidores, que eram chamados menonitas.

Alguns se recusaram a tomar armas e participar nas guerras, ou jurar nos tribunais de justiça. Muitos deles viviam no Norte da Alemanha, e no século XVIII uma colônia de menonitas mudou-se para a Rússia, convidada pela imperatriz Catarina, que prometeu-lhes isenção do serviço militar. Ainda hoje seus descendentes vivem ali.

No tempo da Reforma, os anabatistas não queriam tomar parte na política nem no governo do país, dizendo que a Igreja é um corpo separado do mundo, do Estado e da política. Mas Lutero, Zwínglio, Calvino, Knox e outros reformadores, ligaram a Igreja ao Estado. No sistema episcopal, o Estado dominava a igreja, e no sistema presbiteriano, as autoridades da igreja é que dominavam o Estado. Deve-se admitir que a influência pessoal destes mencionados reformadores fosse boa, porque aconselharam reformas nas leis e melhor constituição do país, mas a aliança da Igreja e o Estado tem introduzido muitos males na Igreja. João Calvino cria na necessidade do novo nascimento, mas tratou a todos os cidadãos de Genebra como membros da Igreja e sujeitos à sua disciplina. Pessoas sem piedade nem santidade foram obrigadas a conformar-se com as regras estreitas da Igreja Calvinista. A liberdade de consciência não era entendida por esses reformadores, e Calvino tem sido muito censurado pela morte de Miguel Serveto, que foi queimado vivo em praça pública, por ter negado a doutrina da Trindade, pois Calvino não empregou sua influência para salvar-lhe a vida, deixando-se levar pelo fanatismo da época, embora procurasse, debalde, mudar a forma de execução do fogo para a espada. É verdade que esses fatos lamentáveis da época da Reforma foram atos isolados, em nada comparáveis às dezenas de milhares de pessoas que foram queimadas, trucidadas pela Igreja de Roma durante séculos.

Calvino morreu no ano de 1564, e seu amigo Teodoro Beza tomou seu lugar, e continuou pregando em Genebra até a sua morte no ano de 1605. Havia diferenças entre os pareceres de Calvino e Zwínglio, mas eles chegaram a um acordo chamado "Confissão Helvética", em 1566. Depois da morte de Calvino, a igreja de Roma fez um grande esforço para restaurar na Suíça a fé antiga, à força e por propaganda. O Duque de Sabóia era governador de cantão perto da cidade de Genebra e fez uma tentativa para tomar a cidade à força, mas foi rechaçado. A igreja de Roma nomeou como bispo de Genebra o celebre Francisco de Sales, que embora não pudesse pregar na cidade, pregou no cantão vizinho de Chabelais, e "converteu" milhares de adeptos forçados do calvinismo. Todavia, o bispo era notável pela sua piedade e oratória e depois da sua morte foi canonizado pelo Papa. O bispo ergueu uma grande cruz quase à porta da cidade, mas não ganhou autoridade dentro de Genebra.

Durante os séculos XVII e XVIII houve muitas contendas entre católicos e protestantes. Os estados protestantes lucraram muito durante a perseguição dos huguenotes, que fugiram da França e acharam abrigo na Suíça.

O século XVIII foi marcado na Suíça, como em diversos países, por uma decadência espiritual. Um escritor contemporâneo disse: "O domingo é encerrado com divertimentos, e os pastores tomam parte deles com o seu rebanho. Embora haja ainda conservado decência e sobriedade de costumes, o poder do Evangelho é pouco demonstrado entre os ministros e o povo. O ateu Rousseau, com suas opiniões destrutivas, e Voltaire, seu sutil rival, propagavam na vizinhança e especialmente em Genebra, o veneno do seu ceticismo. Há dúvida se ainda resta um professor ou pastor em Genebra que siga a Calvino em princípio e em prática. As convulsões, sob o nome de liberdade, têm aumentado a apostasia geral. Em toda a Suíça o mesmo espírito prevalece, embora não sem muitíssimas exceções felizes da infelicidade geral".

Nos princípios do século XIX houve um avivamento espiritual. Roberto Haldane, um escocês, pregou em Genebra, e diversos estudantes de teologia receberam uma grande bênção espiritual; como Malan, Teodoro Monod, e Merle d'Aubigné, que vieram a ser pregadores notáveis, havendo o último escrito a "História da Reforma" obra traduzida em diversas línguas. Mais tarde J. N. Darby visitou a Suíça várias vezes, pregando no Cantão de Vaud e em Genebra com muita aceitação.

Hoje Genebra tem uma Sociedade Bíblica, seminários para treinar evangelistas e missionários. Como em todos os países, o modernismo está ali ganhando terreno, mas ainda existe uma grande corrente que aceita as antigas verdades bíblicas.


Holanda e Bélgica
A Holanda e a Bélgica são países que têm sido unidos sob o mesmo governo, e separados por diversas vezes. São chamados Países Baixos devido à pouco altitude de seus terrenos.

Já vimos como na luta contra a tirania de Felipe II, os Países Baixos obtiveram sua independência. Guilherme de Orange (chamado também Guilherme, o Taciturno) era holandês, e o povo protestante. A maioria do povo belga era católica e de outra raça, e não queria Guilherme como seu príncipe, preferindo o velho regime; algumas províncias aceitaram o rei da Espanha, e duas convidaram um príncipe francês, o Duque d'Anjou. Finalmente este príncipe retirou-se, e as duas províncias foram restauradas ao rei da Espanha, e assim sacrificaram seu progresso e prosperidade. Milhares de seus habitantes, os mais progressistas e inteligentes, fugiram da Inquisição para habitarem na Holanda. Todo o comércio ficou paralisado nas cidades principais, e o capim crescia nas ruas. A Bélgica não prosperou até o século XIX, foi um campo de batalha em diversas guerras entre as potências vizinhas.

Depois da queda de Napoleão, que havia conquistado os Países Baixos, a Bélgica e a Holanda foram unidas, e começou um tempo de prosperidade para eles. Surgiram tantas questões entre os dois países, devido às diferenças de idéias, língua e religião, que a Bélgica acabou por revoltar-se e escolher como rei um príncipe alemão que foi coroado com o nome de Leopoldo I. Este rei era protestante, e sob a sua direção, o país prosperava rapidamente, e continuou seu progresso durante o século XIX.

A história da Holanda é muito diferente. A prosperidade começou logo depois de obtida a sua independência. Os holandeses são excelentes marinheiros, e fundaram diversas colônias no além-mar, e suas indústrias e comércio interno prosperaram. Na cidade de Leiden, uma universidade foi fundada no ano 1575. Os primeiros professores eram homens piedosos e moderados e ensinavam o valor da tolerância, mas geralmente os ministros calvinistas se opuseram a tais inovações, sustentando que o país devia ter somente uma religião. Um dos estudantes desta universidade era Tiago Armínio. Depois passou ele algum tempo em Genebra com Teodoro Beza (sucessor de Calvino). Armínio era homem liberal, tolerante e piedoso, e muito contra os princípios rígidos de uma uniformidade forçada. Não era contencioso, mas possuía mente clara e lógica. Um dos seus princípios era que a providência ou governo de Deus, embora soberana, é exercida em harmonia com a natureza das criaturas governadas, isto é: a soberania de Deus é exercitada numa maneira compatível com a liberdade do homem.

Quando Armínio morreu, a Holanda foi dividida em dois sistemas religiosos, os calvinistas e os seguidores de Armínio, que foram chamados "os remonstrantes". O primeiro ministro do estado, chamado Oldenbarnevedt, deu seu apoio aos "remonstrantes". O príncipe Maurício de Orange, querendo debelar o movimento, mandou prender e processar os aderentes. Dois chefes foram condenados à prisão perpétua, um foi o célebre Hugo Grotio. Outro, o grande estadista Oldenbarnevedt, foi degolado em 1619. Este ministro de estado fez mais do que qualquer outro para a libertação da pátria, estabelecendo também justiça, paz e prosperidade durante 30 anos. Grotio era doutor em direito pela Universidade de Leiden, e um dos homens mais eruditos na Europa. Depois de muitos anos na prisão, pelo auxílio da sua esposa, Grotio escapou da fortaleza onde estava preso. A julgar por estes fatos, podemos entender que a liberdade de consciência e a tolerância não eram ali apreciadas nos séculos XVI e XVII.

Embora a Holanda tenha sofrido com guerras, a igreja ali tem gozado liberdade e tranqüilidade, mas, como as demais igrejas protestantes nacionais, seu estado durante os séculos XVIII e XIX era semelhante ao da igreja de Sardo, descrita no Apocalipse. Atualmente (1941) o país está sofrendo sob a tirania dura de Hitler. A boa rainha junto com o governo, fugiu para a Inglaterra, onde aguarda o dia de voltar à sua pátria, isto é, quando o país for liberto dos seus opressores.


Itália
Dos séculos XV a XIX, a Itália esteve dividida em diversos estados, ducados, repúblicas, e reinos. No centro havia os estados da igreja, governados pelo papa, sendo a cidade de Roma a capital. A corrupção nos estados do papa era medonha. A maioria dos papas procurava constituir seus parentes como príncipes nos estados vizinhos. Nos últimos quarenta anos deste século (XV) o crime político aumentou consideravelmente. De vez em quando papas honestos e sinceros eram eleitos, e procuravam reformar o estado de corrupção que existia, mas estes eram desprezados por todos, e quando morriam as condições imorais voltavam ainda piores. Os príncipes secretamente assassinavam seus rivais. Os papas eram ímpios, levavam vida escandalosa, e alguns deles eram verdadeiros monstros de iniqüidade. O pior deles foi Alexandre VI, da família Borgia, cujos filhos eram o terror de Roma. A República de Florença foi governada por um monge chamado Girolamo Savonarola, que pela vida santa e pregação que apresentava produziu uma reforma na república, mas sua vida e pregação (embora um católico verdadeiro) era uma repreensão à vida e à iniqüidade do papa, e Alexandre tratou logo de processá-lo, e Savonarola foi condenado e queimado em praça pública em 1498.

Daí por diante a Itália tornou-se um campo de batalha dos exércitos espanhóis, franceses e alemães. No ano de 1527, Roma foi tomada, o papa preso no castelo, e a cidade saqueada por 30.000 soldados. Durante os 340 anos que se seguiram após o saque de Roma, a Itália foi repartida por países estrangeiros e sua história é uma série de guerras entre as famílias reais dos Habsburgos e dos Bourbons.

No Estado de Piemont, no Norte, existiam colônias de crentes primitivos chamados Valdenses (ou Vaudois). Estes eram os descendentes dos seguidores de Pedro Waldo, um negociante rico de Lyon, na França, que sendo convertido, deixou seu negócio para pregar o Evangelho (1170). Seus seguidores, sendo perseguidos, fugiram das cidades e esconderam-se nos vales entre os Alpes, e séculos depois foram achados na província do Oriente, da França. Estes crentes espalharam-se na Itália, procurando evangelizar os italianos, mormente o povo mais humilde, mas quando veio a perseguição voltaram para as montanhas.

Os pastores deste povo chamavam-se "barbas", e ouvindo acerca das novas doutrinas da Reforma enviaram dois deles: Jorge Morei e Pedro Masson a Basiléia para visitar o reformador Oecolâmpade, a fim de conferir suas doutrinas. Achavam que havia muito em comum entre os Waldenses e os reformadores, embora existissem também certas diferenças. Depois, o pregador Guilherme Farei foi convidado a assistir a uma conferência com os representantes dos Waldenses. A esta conferência assistiram anciões das igrejas da Itália, não somente do Norte, mas também do Sul, e crentes da França, Alemanha e Boêmia. Entre eles havia alguns nobres da Itália, que tomaram parte na discussão. Farei era o pregador principal; ele era um homem eloqüente e espiritual. Nessa reunião, ficou resolvido fazer uma melhor tradução da Bíblia na língua francesa. Esta obra foi feita por um crente francês chamado Olivetan.

A igreja de Roma fez muitas tentativas de apagar a voz do Evangelho, perseguindo os crentes e mandando exércitos para exterminá-los, mas essa luz nunca foi completamente apagada.

O povo protestante da Inglaterra tem mostrado seu interesse e simpatia para com os Waldenses desde o tempo do Protetor Oliver Cromwell. Havendo no ano 1650 uma grande perseguição, o Protetor interessou-se em favor do povo perseguido, de tal modo que seus inimigos foram obrigados a desistir da perseguição. O poeta Milton descreveu num poema os sofrimentos dos Waldenses durante esse tempo, e uma grande coleta foi levantada no país para ajudá-los, e o dinheiro enviado aos que tanto sofriam. No reinado da rainha Ana da Inglaterra, um subsídio foi mandado pelo governo britânico para ajudar os pastores Waldenses, e continuou até o tempo de Napoleão. No ano de 1823 um ministro anglicano visitou os vales de Piemont e escreveu um livro contando sua experiência entre os Waldenses. O livro foi lido por um coronel do exército inglês chamado Beckwith. Este, não tendo mais serviço no exército, resolveu dedicar o resto da sua vida em promover o bem-estar da igreja Waldense. Durante 35 anos, Beckwith trabalhou entre esse povo, estabelecendo 120 escolas; ele edificou uma igreja em Turim, capital de Piemont, no ano de 1849. Uma missão inglesa ainda funciona nessa zona.

O domínio francês, no tempo de Napoleão, trouxe mais liberdade à Itália, mas não trouxe mais luz evangélica. Durante cinqüenta anos depois da queda de Napoleão, a história da Itália era uma luta entre a tirania dos governadores austríacos no Norte; do papa no Centro, e dos reis de Nápoles (da família dos Burbons) no Sul. Tirania, corrupção e opressão reinavam em toda a parte. Os homens que faziam qualquer propaganda em favor da liberdade eram metidos em prisões, sem processo, ou foram mortos.

É provável que os estados papais fossem o pior e o mais corrupto lugar que o mundo jamais viu. Um homem que, mais do que outro qualquer, ajudou a libertação do país, foi Giussepe Garibaldi. Serviu, na sua mocidade, na Guerra dos Farrapos, no Rio Grande do sul (Brasil) e casou-se com uma brasileira - Anita Garibaldi - que o animou na sua tarefa na Itália. Os exércitos do rei de Nápoles fugiram diante de Garibaldi e seus "camisas vermelhas", e Vitor Emannuel, rei de Sardenha, ajudado pelo exército francês, venceu os austríacos. Finalmente tomaram Roma, e os estados da igreja, e toda a Itália foi unida num reino, e o papa retirou-se para o Vaticano, perdendo assim o seu poder temporal, onde ele e seus predecessores governaram tão mal. Durante estas lutas, existiam grupos de crentes italianos, mas a maior parte deles era gente humilde.

No princípio do século XIX, o grande duque de Toscana, um dos estados do Norte da Itália, convidou o Conde Guicciardini para organizar um sistema superior de educação. O Conde, em busca de bons livros para esse fim, achou uma Vulgata (Bíblia em Latim) na sua biblioteca, e começou a estudá-la, mas ficou espantado quando observou que seu ensino não confirmava o da igreja romana. Nesta altura, o conde, certo dia, viu um seu criado lendo um livro, que se apressou em esconder quando recebeu seu patrão. O conde perguntou-lhe que era o que lia. 0 criado pediu-lhe então que não o traísse, e mostrou-lhe a Bíblia em italiano. O conde pediu ao servo que subisse a um quarto de seu palácio a fim de eles juntos estudarem o livro. Guicciardini foi convertido desta maneira, e achando grupos de crentes, que eram pessoas humildes, reuniu-se a eles. No ano 1851, foi promulgada uma lei, instigada pelos jesuítas, proibindo tais reuniões e o Conde foi obrigado a sair da sua pátria, e ir para a Inglaterra, onde gozava da comunhão dos crentes. Ele foi o meio da conversão de um seu patrício de nome Rosseti. Quando veio a liberdade, no ano de 1871, Guicciardini voltou à Itália, pregou e ensinou até a sua morte. Desde o dia em que o papa perdeu seu poder temporal, e retirou-se como "prisioneiro do Vaticano", o país tem-se desenvolvido. Nesse tempo o papa achou consolo na declaração do Sínodo do Vaticano acerca de sua infalibilidade que foi anunciada no ano de 1870, e aceita pela Igreja Romana como uma das suas doutrinas. Essa igreja ainda procura impedir a evangelização no país, mas uma lei sobre religião, embora com certas restrições, ga­rante essa liberdade.

A primeira Grande Guerra, que terminou em 1918, deixou a Itália muito abatida, embora com mais território. O país tem-se desenvolvido, mas, infelizmente, numa direção militar em desacordo com o caráter do povo italiano, e agora (1941) o país está envolvido em outra guerra, que é capaz de enfraquecer a Itália consideravelmente.


Boêmia, Áustria, Moravia e Hungria
Desde o tempo da Reforma até 1918 estes países eram unidos debaixo do governo do arquiduque da Áustria e, depois, do imperador desse país. Esses arquiduques e imperadores eram da família dos Habsburgos; a maior parte deles foram tiranos e perseguidores. Antes da Reforma, a Boêmia era um reino independente e a Morávia uma dependência. Depois da morte de João Huss, em 1415, os seus seguidores lutaram contra todo o império alemão, que mandou diversos exércitos para suprimir os "hereges", mas foram todos desbaratados pelos boêmios. Os hussitas, infelizmente, eram divididos em dois partidos, um chamado "utraquistas" e o outro "taboritas". Vendo o papa que os hussitas não podiam ser vencidos, concordou em reconhecer os utraquistas como a igreja nacional de Boêmia, concedendo a eles o cálix (proibido a outros católicos), na missa, que era a única coisa que eles exigiram. Os taboritas queriam uma igreja separada de Roma, e continuaram a luta. Em 1434 o exército dos taboritas foi completamente derrotado e espalhado.

Havia porém, muitas pessoas entre este partido que desejavam conservar o ensino espiritual de João Huss, as quais formaram sociedades secretas que procuraram voltar para as virtudes da igreja primitiva. Uma destas comunidades foi fundada numa aldeia da Boêmia chamada Kunwald, e muitos uniram-se com eles, incluindo membros da igreja waldense. A igreja nacional perseguiu este povo, que ficou espalhado mais uma vez. Um dos pastores chamado Gregório foi torturado e outro foi queimado. Os crentes, porém reuniram-se em outros lugares, e tomaram o nome de "Unitas Fratum", (Irmãos Unidos) e resolveram separar-se da Igreja Romana, mas declararam: "Não condenamos nem excluímos os que ficam obedientes à Igreja Romana: como não excluímos os membros da igreja grega ou da índia; assim também não condenamos os membros da Igreja Romana".

Um desses foi consagrado bispo por um bispo da igreja dos waldenses. Tomaram a Bíblia como seu único guia e autoridade, e rejeitaram os ensinos da igreja Romana. Puseram muita ênfase quanto à conduta cristã. O papa Alexandre VI persuadiu o rei da Boêmia de que esta gente era um perigo para o seu trono. Em 1507 o edito de S. Tiago mandou que todos os que não se reunissem com a Igreja Ultraquista, ou com a Romana, que saíssem do país. Surgiu mais uma perseguição, mas felizmente o rei da Boêmia morreu pouco tempo depois, e os católicos e ultraquistas ocuparam-se com brigas, de modo que a perseguição abrandou.

Os Irmãos Unidos ouviram com alegria a notícia da Reforma na Suíça e na Alemanha. Mandaram representantes a Wittenburgo, onde morava Lutero. Eles concordaram com as novas doutrinas, mas não gostaram tanto do comportamento de muitos dos seguidores do reformador.

Em 1526 a família real da Boêmia terminou com a morte do último soberano, e Fernandes, irmão do Imperador da Alemanha (Carlos V), da família de Habsburgos, e Arquiduque da Áustria, foi proclamado rei da Boêmia, Fernandes era católico fanático. Em 1546 rebentou uma guerra entre a Liga dos Príncipes Protestantes e as potestades católicas, chefiadas pelo imperador. Muitos dos nobres da Boêmia tomaram o lado dos protestantes, mas foram vencidos na batalha de Muhlburgo (1547). Fernandes voltou a Praga (capital da Boêmia) triunfante, executando alguns dos nobres, e resolveu exterminar os Irmãos Unidos, mandando que todos os que não assistissem à Igreja Nacional, ou à Romana, saíssem do país. Milhares deixaram sua pátria, achando refúgio na Alemanha e alguns na Polônia. Em 1556 Fernandes foi eleito Imperador da Alemanha, e deixou o trono da Boêmia com seu filho Maximiano, o qual deu licença para os Irmãos Unidos voltarem.

Durante os anos que se seguiram, a Bíblia, chamada "Bíblia Kralitz", foi traduzida na língua tcheca (a língua falada na Boêmia). Quando o Imperador precisava de dinheiro para sua campanha contra os turcos, a Dieta da Boêmia exigiu, antes de fornecer o necessário dinheiro, que o edito de S. Tiago fosse anulado, e que a liberdade religiosa fosse garantida. A necessidade sendo urgente, um decreto chamado a "Carta Boêmia" foi assinado concedendo essa liberdade. Em 1616 Fernandes II foi eleito rei da Boêmia. Estava inteiramente debaixo da influência dos jesuítas. Embora jurasse observar a Carta, começou logo a violá-la. Os nobres boêmios se revoltaram, recusando reconhecer Fernandes como rei, e convidaram, Frederico, Eleitor do Palatinado (um Estado alemão) para ser rei da Boêmia. Este príncipe era protestante calvinista, e sua mãe era filha de Guilherme, o silencioso, de Orange. O jovem eleitor casou-se com Isabel, filha mais velha de Tiago I, rei da Inglaterra. Embora muito novo, Frederico foi escolhido chefe da União Protestante, formada para proteger os estados protestantes. Era homem de bons princípios e de caráter, mas não possuía habilidade suficiente para chefiar a União, e todos seus esforços terminaram em desastre.

Os príncipes católicos formaram a "Liga católica" para combater a União, e o chefe da Liga era o Duque de Bavária. Infelizmente, Frederico aceitou o trono da Boêmia e foi coroado no ano de 1619. Foi uma escolha que trouxe resultados desastrosos, não somente a Frederico e à Boêmia mas também à Europa. Não tinha o apoio dos outros príncipes protestantes, como o eleitor da Saxônia, e o rei da Inglaterra. O arqueduque d'Áustria foi eleito em 1619 Imperador da Alemanha, e rei da Hungria, e declarou guerra contra Frederico e os boêmios, que considerava como rebeldes. Fernandes chamou Maximiliano, Duque da Bavária, e a Liga Católica para ajudá-lo. O Duque mandou um exército entrar e devastar o Palatinado, enquanto o general de Fernandes combatia contra a Boêmia. Esta guerra é conhecida como a "Guerra dos trinta anos" devido ao tempo que durou. Em 1620 Frederico e os boêmios foram completamente desbaratados na Batalha de Monte Branco, perto de Praga. Frederico, com sua esposa e família, foi obrigado a fugir. Tendo já perdido também sua herança no palatinado, foi obrigado a fugir para a Holanda, onde morou até sua morte, como um hóspede dos governadores do país.

A guerra dos Trinta Anos é dividida em três partes, a primeira e a segunda foi por motivo religioso entre protestantes e católicos. Foi travada com grande ferocidade, e o sofrimento do povo era terrível. Dizem que a Alemanha sentiu seus efeitos durante um século. Os exércitos mantiam-se pelo roubo, tanto de amigos como de inimigos, devastando o terreno onde lutavam. Fernandes e seus generais, Tilly e Vallenstein, foram quase sempre vitoriosos na primeira fase. A segunda fase foi marcada com a entrada de Gustavao Adolfo, rei da Suécia, campeão da fé protestante, com um exército bem treinado e equipado. Foi o único exército que não roubou o povo, sendo bem disciplinado e comportado. O aspecto da guerra mudou depressa. Gustavo venceu os generais Tilly e Vallenstein, mas caiu morto na batalha de Lutzen (1632). No ano de 1653 a França entrou na guerra, ao lado da Suécia, e a guerra perdeu todo o aspecto religioso. Depois de trinta anos de luta, Fernandes II fez as pazes, perdendo a França o estado de Alsácia, e o filho de Frederico e Isabel voltaram para governar o seu eleitorado. Esta guerra prolongada foi um desastre também para os Irmãos Unidos. Fugiam para os países vizinhos onde podiam-se abrigar. Um bispo deles chamado João Amos Comênio, continuou apascentando seu rebanho secretamente na Morávia. Ele deu-lhes o nome "Semente Escondida", mas são chamados também irmãos moravianos. Esta igreja foi composta de taboritas, waldenses, e crentes da Alemanha, e foi desta igreja que o bom Zinzendorf escolheu o grupo com que formou a sua sociedade em Hernhut que depois mandou tantos missionários pioneiros para terras estrangeiras.

A família dos Habsburgos foi notável por sua tirania, perseguição religiosa, e infelicidade com guerras e revoltas. Fez uma guerra contra os turcos, a Guerra dos Sete Anos, no século XVIII, e depois uma guerra prolongada contra Napoleão no princípio do século XIX, e mais tarde contra a França e a Itália, e depois contra a Alemanha.

Depois da Grande Guerra de 1914-1918, a Hungria, a Boêmia, e a Morávia e outras províncias, foram separadas da Áustria. A Boêmia alcançou sua independência e com a Morávia formou a República da Tchecoslováquia. Sendo um país industrial, e um povo inteligente e ativo progrediu rapidamente em 20 anos. Infelizmente, no ano de 1938 caiu em poder da Alemanha hitlerista, que tirou a sua liberdade, e procurou destruir as suas instituições antigas. A Hungria também foi constituída uma república depois da primeira Grande Guerra, mas não teve o mesmo progresso que a Boêmia.

No século XVI a Hungria fez grandes esforços para ganhar mais liberdade política, pois estava debaixo do calcanhar do Império da Áustria, e obteve uma certa medida da independência. Desde a Reforma tem havido crentes evangélicos na Áustria e na Hungria, mas a perseguição cons­tante reduziu o número. Na Hungria, Bulgária e Romênia há muitas congregações de evangélicos chamados "Nazarenos". O fundador deste movimento foi um ministro suíço, chamado Frohlich. Entrou como jovem no ministério na Suíça, e, sendo convertido, começou a pregar o Evangelho, muito contra o gosto dos seus superiores, que procuraram corrigir sua teologia. Quando Frohlich recusou modificar sua pregação, foi expulso do ministério no ano de 1818, mas continuou sua pregação como itinerante, visitando outras partes da Suíça e Alemanha. Dois operários ambulantes da Hungria, visitando a Suíça, ouviram Frohlich e foram convertidos. Voltando a Budapeste, capital da Hungria, estes homens anunciaram as Boas-Novas, e muitos foram atraídos. Uma congregação foi formada na cidade e cresceu rapidamente, reunindo-se com regularidade. Um grupo desta congregação saiu de Budapeste como missionários aos países vizinhos e levaram o Evangelho até as fronteiras da Turquia. Tomaram o nome "Nazarenos" por serem desprezados.


Polônia
A Polônia era, no tempo da Reforma, um grande país, estendendo-se do mar Báltico ao mar Negro, e incluindo a Ucrânia. Os poloneses são da raça eslava, e receberam a religião católica no século X. Nos séculos seguintes, a Polônia lutou constantemente contra seus inimigos, como as hostes tartáricas do Oeste, que devastavam suas cidades e aldeias. Pelejou também contra os prussianos, raça vizinha, então pagã; e, ao norte, contra os lituanos, povo feroz e selvagem. Os Cavaleiros Teutônicos vieram morar perto a fim de converter estas raças pagãs, e fazê-las cristãs por meio da espada, mas sem bom êxito. A Ordem Teutônica foi formada durante as cruzadas contra os maometanos na Palestina.

Terminadas essas guerras, os cavaleiros ficaram sem emprego. Não tendo tido bom êxito com o evangelho da espada contra os pagãos, começaram a brigar com os poloneses, que foram para eles um espinho durante séculos. Os poloneses eram um povo guerreiro e, felizmente, durante três ou quatro séculos foram governados por bons reis. O rei da Lituânia aceitou a religião católica e persuadiu o seu povo a reconhecer o papa. Os Cavaleiros Teutônicos então ficaram outra vez sem emprego e tornaram-se negociantes e, finalmente desapareceram. A Lituânia e a Polônia fizeram uma aliança para a sua própria defesa, e por vezes foram governadas pelo mesmo rei. Infelizmente, a Polônia era muito difícil de governar, e os reis possuíam um poder limitado. Depois da Reforma, o rei era eleito por uma "Dieta" formada por pessoas das classes superiores: proprietários e nobres. Os trabalhadores não possuíam direitos e eram quase escravos dos proprietários. A Dieta quase sempre se recusava a dar o dinheiro necessário ao rei para as suas guerras, e se o rei era eleito pela Dieta, ela impunha tantas restrições ao rei, que era quase impossível governar.

Enquanto os povos de outros países pelejavam para obter ou conservar sua liberdade contra reis tiranos, na Polônia os melhores reis tinham a oposição do povo e eram impedidos pela constituição. A Polônia era muito ligada à Hungria e à Boêmia, seus vizinhos, e tinham muita coisa em comum. Depois da Reforma, a Polônia foi ameaçada pelos russos, no Norte, e pelos turcos no Oriente. Os russos e tártaros devastaram a Lituânia; e na Polônia reinava anarquia. O rei viu-se obrigado a transferir sua autoridade à aristocracia incapaz, cuja única idéia era oprimir as classes inferiores sem se interessar pelos negócios da pátria. A Dieta recusou pagar os impostos necessários, e o rei esforçou-se de toda maneira possível, mas em vão. Ele não podia ajudar os húngaros contra a invasão dos turcos, nem impedir os russos de tomar as províncias uma após outra do seu aliado lituano, nem as hostes dos tártaros de penetrar no seu próprio território, roubando e devastando tudo, até o interior da Polônia. A Hungria caiu em poder dos turcos e a Polônia estava ameaçada disso, mas o rei não tinha dinheiro para pagar um exército mercenário. Contudo, usou de toda diplomacia para evitar uma guerra contra os turcos.

No século XV alguns dos seguidores de João Huss entraram na Polônia, mas um edito contra os "heréticos" impediu muitos protestantes de entrarem no país. No tempo da Reforma, entrou, por um lado, o luteranismo, e o calvinismo por outro, chegando-se a calcular que existia meio milhão de protestantes, e outro meio milhão da Igreja Ortodoxa, principalmente na Lituânia. Também os Irmãos Moravianos entraram, mas foram depois banidos e passaram para a Prússia. Os protestantes deviam seu bom êxito ao fato de muitos nobres favorecerem a sua causa. Em parte, a razão era política, devido à inveja e ao ódio desses à igreja católica, que possuía tanta propriedade e riqueza, e estava isenta de impostos, o que constituía um escândalo.

Os bispos eram levianos e muitos tinham uma vida viciosa. O ensino era negligenciado e, como resultado, os filhos dos nobres eram mandados às universidades de outros países, como a Alemanha, onde eram discutidas as novas idéias da Reforma. O governo foi obrigado a tolerar a nova religião, salvo as seitas que negavam a doutrina da Trindade. Na Dieta de 1558, os protestantes obtiveram maioria. Desde esta data sua causa começou a declinar. Isto foi devido às brigas entre os seguidores de Lutero e os de Calvino, e a propaganda dos jesuítas, que trouxe certa reação. A história subseqüente da Polônia é triste. A Dieta continuou na sua tarefa inglória de impedir toda a reforma política ou fornecer o dinheiro necessário à manutenção da pá­tria. Uma decisão de Dieta tornando impossível todo pro­gresso era muito absurdo, mas foi mantida por ela com uma teimosia extraordinária. Era que todas as leis precisavam ser aprovadas por unanimidade.

Nestas circunstâncias, um homem ignorante ou perverso podia estorvar todo o progresso, e a Dieta era composta de homens ultraconservadores, e muitos deles estavam prontos para trair a sua própria pátria, e a maioria era paga por outros países inimigos, como a Rússia, a Áustria e a Prússia. Estes três países queriam arruinar e repartir a Polônia, e assim davam dinheiro aos membros da Dieta para votar contra toda medida de melhoramento do país. O resultado foi que a Polônia foi de mal a pior, e os três países citados repartiram-na entre si. A primeira divisão foi feita no ano de 1772, a segunda no ano de 1793, e finalmente o resto da Polônia foi dividido em 1796. Assim perdeu a Polônia a sua independência. A maior parte caiu nas mãos da Rússia. Os nobres que tinham impedido todo o progresso durante muitos anos, saíram do país, empregados no exército da Europa. Os trabalhadores que tinham sido oprimidos durante séculos, ficaram tão aliviados que aceitaram o jugo dos estrangeiros sem dificuldade. Mas havia uma classe, os moradores das cidades, e os negociantes, que sentiram a opressão. A Grande Guerra trouxe um alívio, e mais uma vez a Polônia foi restaurada pelos aliados, tornando-se uma República, que fez algum progresso. Seu antigo inimigo, a Alemanha, mais uma vez devastou esse país, ainda agora (1941) está fazendo esforço para impossibilitar os poloneses de restaurar o país no futuro.

Na Polônia como em toda a Europa central, há congregações de crentes que se reúnem à maneira primitiva, para comunhão e evangelização.


Portugal
No tempo da Reforma, Portugal rejeitou o Evangelho, preferindo a Inquisição romana, e pagou caro por ter seguido o exemplo da Espanha. Alianças entre as famílias reais influíram nesta decisão. O último rei morreu sem família, e Filipe II da Espanha, sendo herdeiro do trono, entrou em Portugal como rei. A religião católica e a Inquisição ficaram ainda mais arraigadas no país (1580). Devido ao fato de Filipe estar em guerra perpétua com a Holanda, e começar outra guerra com a Inglaterra, Portugal viu-se obrigado a fechar seus portos ao comércio com estas nações, as mais comerciais. Filipe deixou como herança para seu sucessor a guerra com a Holanda, e este país aproveitou a oportunidade para invadir o Brasil, tomando Pernambuco e estabelecendo ali uma colônia holandesa.

No ano de 1640 os portugueses revoltaram-se contra o jugo espanhol, e proclamaram rei o Duque de Bragança (João IV). Este novo soberano mostrou energia e prudência, e os holandeses foram obrigados a sair do Brasil. Embora eles fossem calvinistas, não parece terem evangelizado os brasileiros.

No ano de 1693 minas de ouro foram descobertas em Minas Gerais, e o metal foi exportado para Portugal, tendo o rei João V o desperdiçado em edifícios religiosos e de luxo. A coroa de Portugal nunca havia sido tão rica como durante os primeiros 50 anos do século XVIII, mas o reino não prosperou. Muito dinheiro foi emprestado ao papa e desperdiçado entre os padres e as ordens religiosas. Felizmente o governo do Marquês de Pombal (1750-1777) produziu um avivamento na indústria, no comércio, na educação, e em todos os aspectos da vida. Depois do terremoto que destruiu Lisboa, a capital, em 1755, foi edificada uma cidade melhor. A Inquisição foi suprimida, e os jesuítas foram expulsos do país. E pena que este grande estadista não fosse amigo do Evangelho e não substituísse pelas Escrituras as abominações religiosas.

Quando o rei (José I) morreu e passou a reinar a sua filha Maria I, então os jesuítas voltaram, e a rainha, que era uma religiosa fanática, enlouqueceu, e a decadência de Portugal continuou. Eis o que escreveu um historiador contemporâneo: "A igreja em Portugal é como um deserto árido. Não tenho ouvido ou lido de qualquer esforço feito durante séculos para introduzir um raio de verdade evangélica entre eles [os portugueses]. As Escrituras são um livro selado, escondido e interdito. A superstição, a imoralidade e a crueldade pairam sobre eles. Nenhum espírito reformador ousa murmurar uma dúvida acerca dos dogmas absurdos, ou fazer sugestão para reformar os piores abusos sacerdotais. Provavelmente Portugal e suas colônias serão os derradeiros entre as nações a serem salvos da ignorância, e libertados do jugo do papado... Havendo contribuído tanto quanto qualquer outra parte para expulsar os jesuítas e extinguir esta ordem, Portugal não tem subido acima dos seus velhos preconceitos e submissão à imposição sacerdotal. Estou seguro disso, e é espantoso ver com que profundo ódio e aborrecimento eles nos olham a nós como hereges".

Veio a liberdade mais tarde quando Portugal obteve uma constituição mais liberal, e recebeu depois diversos missionários para pregar no país. Então a luz começou a dissipar as trevas, não só em Portugal, mas também na sua antiga e principal colônia, agora independente, o Brasil. No princípio, a luz veio de outras trevas, mas agora estes países estão sendo evangelizados pelos seus próprios filhos. Há um fato impressionante em relação à evangelização dos países que falam a língua portuguesa: é que Deus preparou o instrumento principal, a chave de ouro para abrir a porta de ferro que conduz à liberdade espiritual, com dois séculos de antecedência, quando pôs no coração de João Ferreira de Almeida traduzir a Bíblia em língua portuguesa. Esta obra gloriosa foi terminada no ano de 1670 em Batávia, capital onde o servo de Deus residia. O tradutor era português nato, mas seu nome não está escrito em qualquer rol de honra na sua pátria, e parece ser um nome desconhecido pela maioria de seus patrícios, e dos brasileiros, mas é um nome querido (e deve sê-lo) de todos os amantes da Palavra de Deus, que falam a língua portuguesa. Durante a sua vida ele recebeu mais maldição do que louvor por ter preparado a boa semente que futuramente iria produzir bom fruto. Depois de quase três séculos, as terras onde se fala a língua portuguesa ainda estão brancas para a ceifa. [Escrito em 1943].


Noruega, Suécia e Dinamarca
Estes três países são povoados pela raça germânica, e agora formam três governos separados, cada um com seu rei e com sua constituição. Os escandinavos são um povo robusto, inteligente e industrioso. No tempo da Reforma, a igreja luterana-episcopal foi ali estabelecida, e continuam protestantes até hoje. Devido à sua posição geográfica, a Escandinávia tem gozado mais paz do que muitos países da Europa. O rei Gustavo Adolfo resolveu ajudar a causa protestante que sofria muito na "Guerra dos Trinta Anos", e passou à Alemanha com um exército forte e bem equipado, fazendo pender bem depressa o fiel da balança em favor da "União Protestante". A sua morte, na batalha de Lutzen, em 1632, foi um desastre, mas os seus exércitos continuaram a luta.

Tem havido liberdade religiosa, e o povo é muito pacífico, notando-se ali ausência de crimes. Na guerra atual, a Noruega e a Dinamarca foram vítimas da agressão alemã, e estão sofrendo as conseqüências da invasão germânica como outros países, e, como eles, anseiam ardentemente (1941) mais uma vez, obter a sua liberdade.


Irlanda
Na Irlanda a história religiosa é muito ligada com a política. Embora nos séculos V, VI, e VII a Irlanda tivesse sido evangelizada e fosse chamada a "Ilha dos santos", as trevas espirituais pairaram sobre essa mesma ilha durante mil anos. A Reforma teve pouca influência no país. Os irlandeses eram ignorantes e a maioria analfabeta e os proprietários mostraram pouco interesse no bem-estar do povo em geral. Os irlandeses falam a língua céltica, que servia de dificuldade para qualquer esforço missionário da Inglaterra. Também durante certo período do século XVI, houve uma rebelião no país contra a autoridade inglesa. Os reis protestantes da Inglaterra queriam impor a religião anglicana na Irlanda, mas foi impossível a não ser em certas cidades como Dublin, a capital. Guerras e revoltas continuaram, e no reino de Tiago I, o governo resolveu fazer experiência com uma província no Norte, chamada Ulster, plantando ali uma grande colônia de ingleses e escoceses. Muitos presbiterianos foram da Escócia, tomando posse de terreno da província. O rei Tiago mandou que todos os sacerdotes católicos saíssem do país, mas foi impossível pôr em execução esta lei injusta.

No ano 1641, os católicos levantaram-se contra os colonizadores protestantes, e mataram milhares deles com muita barbaridade. Na Inglaterra havia guerra civil, e as autoridades não podiam ajudar os protestantes, mas os escoceses mandaram um exército para ajudar seus patrícios. A guerra civil na Inglaterra terminou com a morte do rei, e o general Oliver Cromwell levou também um exército à Irlanda no ano 1650, e em pouco tempo o aspecto mudou. Cromwell agiu com muita severidade em represália à morte dos protestantes pelos católicos irlandeses, e seu nome ficou odiado na Irlanda. A campanha, porém, trouxe paz ao país, embora não fizesse com que o povo da Irlanda amasse os protestantes.

Quando Tiago II fugiu da Inglaterra para a França, o rei Luiz XVI prometeu ajudar seu hóspede real, e mandou um exército francês com Tiago à Irlanda. Guilherme de Orange, o novo rei da Inglaterra, foi à Irlanda e venceu os exércitos franceses e irlandeses. Era uma guerra entre protestantes e católicos, e os franceses foram obrigados a deixar a Irlanda, e os irlandeses foram subjugados.

Durante o século XVIII, João Wesley visitou a Irlanda muitas vezes, viajando a cavalo em toda parte e pregando o Evangelho. Diversas sociedades metodistas foram formadas em várias partes.

No fim desse século, rebentou outra revolta na Irlanda, mas os rebeldes foram vencidos, e nessa ocasião muita clemência foi mostrada ao povo que tomou parte na rebelião. Durante o século XIX o governo na Inglaterra fez muitos esforços para satisfazer os irlandeses, mas todo aquele século foi assinalado por crimes políticos, assassínios, e descontentamentos.

No ano de 1828 a Viscondessa Powerscour mantinha conferências em seu palácio, perto da capital (Dublin) sobre assuntos bíblicos, mormente sobre as profecias e a Segunda Vinda do Senhor. Um dos primeiros expositores foi João Nelson Darby, um ministro na igreja Irlandesa, cargo que deixou para ministrar a Palavra de Deus em diversos países. Outro pregador independente, no princípio do século XIX, foi Gideão Ousely, que viajava a cavalo e pregava mesmo a cavalo nas aldeias e cidades. Pertencia a uma antiga família irlandesa de boa posição, mas associava-se com os humildes camponeses, conversando sobre o Evangelho de maneira muito simples. Um ministro evangélico independente chamado Thomas Kelly, formou diversas congregações na Irlanda no princípio do mesmo século, e escreveu muitos hinos que estão em uso geral na língua inglesa, e alguns estão traduzidos em português.

No Norte, no Ulster protestante, no ano de 1859, houve uma revivificação, e nessa ocasião centenas de pessoas foram convertidas entre todas as classes. Houve manifestações físicas durante as reuniões, isto é, pessoas caíram ao chão e perdiam os sentidos.

O Ulster é próspero, progressista, com indústrias e comércio sendo a sua capital, Belfast, uma cidade de importância. O povo é muito leal ao governo britânico, e a maior parte deles são protestantes fanáticos. O Sul do país, com quatro províncias, é principalmente católico, sob o domínio dos padres, sofre muito de pobreza, ignorância, preguiça, e um ódio fanático contra o governo britânico. Ê justo dizer que estas condições têm modificado e melhorado desde o afastamento do governo britânico do Eire. Durante a grande guerra, os irlandeses fizeram uma insurreição contra o governo. Depois da guerra, houve uma divisão, ficando o Ulster separada das outras quatro províncias, que agora tem seu próprio governo e presidente, mas os irlandeses não estão satisfeitos, porque o Ulster não está sob o seu domínio: o Estado Livre é chamado Eire, e desde a separação tem feito algum progresso.


Gales
Os galeses são descendentes de raças originais da Britânia, que fugiram de povos de raças germânicas, invasoras do país nos séculos VI e VII, cujos descendentes são os ingleses. O rei Eduardo I da Inglaterra conquistou Gales (1282) e ao seu filho mais velho foi dado o título de "Príncipe de Gales" título ainda dado ao filho mais velho dos reis britânicos que o sucederam. A língua usada pelo povo é muito diferente da inglesa, e até hoje muitos dos camponeses falam a língua indígena.

Durante a Reforma havia diversos estudantes galeses nas universidades da Inglaterra (Oxford e Cambridge) que pertenciam ao partido dos Reformadores e no reinado de Isabel a Bíblia foi traduzida para a língua galesa. Em 1567 a tradução do Novo Testamento ficou concluída, e 800 exemplares foram distribuídos nas diversas paróquias de Gales. O livro de Oração também foi traduzido, e a igreja estabelecida era idêntica à da Inglaterra. Bispos que falavam a língua galesa foram nomeados durante o primeiro século da história da igreja anglicana, e depois somente ingleses, que não sabiam a língua galesa é que foram escolhidos. A educação do povo foi negligenciada até meados do século XVIII, e a maior parte era analfabeta.

Nesse século XVIII, Griffiths Jones, ministro anglicano, instituiu um sistema de educação, e de escolas, obtendo como resultado, antes da sua morte, que uma terça parte do povo aprendeu a ler as Escrituras em sua própria língua. Os bispos ingleses da Igreja Anglicana não manifestaram interesse algum pela educação do povo, nem pelo serviço de Griffiths Jones. Felizmente diversas pessoas ricas ajudaram bastante, fornecendo o dinheiro necessário para esse fim. Durante este tempo houve uma revivificação espiritual no país, devido à pregação de diversos ministros da igreja galesa. Os principais pregadores foram Howell Harris, Daniel Rowlands, Pedro Williams, e Williams Williams, sendo o último o autor de muitos livros na língua inglesa. Eram pregadores eloqüentes e homens de oração, e pregavam com poder extraordinário, havendo, às vezes, manifestações físicas entre os ouvintes. Milhares de galeses se converteram.

Outros pregadores continuaram o trabalho na geração seguinte, como Christmas Evans, Henrique Rees e João Jones. Todos esses pertenciam à igreja estabelecida, mas tiveram de formar uma sociedade metodista calvinista. Queriam ficar ligados à igreja anglicana, mas, devido à oposição dos bispos, alguns foram expulsos e outros deixaram essa igreja, e continuaram pregando como dissidentes. Daniel Rowlands foi convertido pela pregação de Griffiths Jones, e tornou-se amigo de Jorge Whitefield, o célebre pregador inglês. Pregou com a mesma eloqüência, entusiasmo e poder de Whitefield, mas na língua galesa. Foi enxotado da sua igreja pelo seu bispo e edificou uma casa de oração onde assistia a toda a congregação que outrora pertencera à igreja local, que ficou sem membros. Milhares de pessoas vinham ouvir Rowlands pregar aos domingos, viajando até 20 léguas para assistirem às suas pregações. Um jovem que foi ouvir a sua pregação foi Thomas Charles, um dos fundadores da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira. A pregação de Rowlands deixou uma impressão extraordinária na alma de Charles, de que nunca se esqueceu.

Muitos dos metodistas galeses continuaram na igreja estabelecida. Mas, finalmente, no ano 1811, separaram-se, formando uma denominação independente. Os batistas também trabalharam em Gales, e fizeram muito progresso. Chistmas Evans foi um dos seus pregadores mais conhecidos.

Um ministro evangélico célebre foi Thomas Charles (1755-1814), que foi convertido ainda jovem pela pregação de Daniel Rowlands; mais tarde foi ministro em Bala e tornou-se conhecido como Charles de Bala. Foi o fundador das escolas dominicais em Gales. Uma escola dominical naquela época era uma novidade. Ele é no entanto, mais lembrado como um dos fundadores da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira.

A história desta Sociedade é bem conhecida: Uma menina filha de um pobre lavrador de Gales, chamada Maria Jones, desejava ardentemente possuir uma Bíblia, e durante alguns anos trabalhou para ajuntar o dinheiro necessário para adquiri-la. Quando julgou possuir o suficiente, fez uma viagem de 15 léguas a pé, e sozinha, a Bala, onde residia o sr. Charles que vendia as bíblias. Chegando à casa deste bom homem, descobriu que ele já vendera a última Bíblia que havia na língua galesa. Maria chorou tanto e com tal desapontamento que o sr. Charles ficou comovido, dando-lhe uma Bíblia quando ouviu do esforço que ela fizera para possuir esse tesouro. Depois, o sr. Charles foi a Londres e, convocando alguns amigos evangélicos, contou-lhes o caso de Maria Jones, sugerindo a urgente necessidade de formar uma Sociedade Bíblica para suprir o povo de Gales de bíblias a preços baratos. Um dos amigos respondeu: "Certamente, sr. Charles, uma Sociedade deve ser formada para este fim, mas se for para Gales, por que não para o mundo todo?" Assim foi iniciada a grande Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, que tem ajudado a imprimir a Palavra de Deus em mais de 700 línguas, e agora manda ao mundo anualmente mais de onze milhões de porções das Escrituras.


Rússia, Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia
Até o tempo da primeira Grande Guerra, a Finlândia, a Estônia, a Letônia, e a Lituânia eram incluídas no império da Rússia, sob a soberania do Tsar (Imperador).

A Rússia recebeu o cristianismo de Constantinopla no décimo século, e adotou a forma grega ortodoxa para a sua igreja. O Tsar levou o título de supremo cabeça da Igreja na Rússia. Até o século XIX a Rússia tinha pouca luz evangélica, mas todos pertenciam nominalmente à Igreja Ortodoxa. Os papas (como se chamam ali os sacerdotes) eram quase tão ignorantes quanto o povo, e a superstição reinava em toda a parte.

No princípio do século XIX, o Tsar era Alexandre I. Durante a invasão de Napoleão (1812), à Rússia Alexandre mostrou sua fé em Deus, e costumava assistir às reuniões de oração. Era um bom cristão e desejava fazer bem ao seu povo, que era muito atrasado e ignorante, mas as idéias conservadoras dos russos em geral impediram muito o progresso do Evangelho. Membros da Sociedade dos Amigos (Quakers) visitaram a Rússia e foram bem recebidos pelo Tsar, que sempre mostrou muita amizade a esta denominação. Ele animou a leitura das Escrituras, e contou que isso lhe fora um grande consolo durante suas dificuldades, mas somente leu a Bíblia pela primeira vez quando tinha quase 40 anos de idade. O Imperador concedeu todas as facilidades à Sociedade Bíblica Britânica para propagar a Palavra de Deus em seu vasto domínio. A Sociedade, enviou um agente chamado Melville, que dedicou 60 anos de sua vida a divulgação das Escrituras na Rússia.

Quando Alexandre morreu, em 1825, sucedeu-o seu irmão Nicolau I, que era reacionário, mas o filho deste, Alexandre II quando se tornou Tsar, fez muitas reformas. Mais de 80% do povo trabalhava no campo e eram "servos" ou escravos dos grandes proprietários. O Imperador terminou esta servidão e proclamou a liberdade pessoal para todos. Liberdade política, porém, não foi conhecida na Rússia, e havia pouca liberdade religiosa, embora o espírito de liberalismo fosse sempre crescente. Alexandre II foi assassinado em 1881, e seu filho Alexandre III continuou suprimindo as liberdades, e perseguindo os dissidentes, como os batistas, stundistas e judeus. Seu velho professor, chamado Pobedonostef, foi feito Procurador do Santo Sínodo (o corpo governante da igreja russa) e era conhecido como um grande perseguidor de todos os que não pertenciam à Igreja Ortodoxa. Milhares deles foram enviados à Sibéria, onde morreram de frio ou de fome. Na viagem para este exílio, foram levados na companhia dos piores criminosos, com os braços e pés amarrados com pesadas correntes, e tratados com mais brutalidade do que o gado. As prisões da Rússia eram notáveis pelas suas péssimas condições. Muitos morreram de fome e pelas brutalidades infligidas.

No ano de 1866, Lord Radstock, um nobre da Inglaterra, pregou na capital (então Petrogrado) e dirigiu estudos bíblicos nas casas e palácios de vários nobres russos, e muitos deles, de classe mais rica, foram convertidos. Um destes, o coronel Pasckov, depois da sua conversão, viajava pela Rússia, pregando o Evangelho nas prisões, hospitais e salões ou casas particulares, e empregou sua fortuna na distribuição de bíblias e tratados. Foi, enfim, proibido de pregar, mas continuou este serviço até que foi banido da Rússia pelo "Santo" Sínodo; sendo então muitas das suas propriedades confiscadas. Alexandre III queria na Rússia uma língua e uma igreja, e procurou impor esta política nas suas dependências também, como a Finlândia. Seu filho Nicolau II, que foi feito Tsar em 1894, era homem fraco e estava sob a influência dos seus tios; prometeu reformas, mas não cumpriu sua palavra, pois em 1893 foi publicado um decreto mandando que os filhos dos stundistas fossem tirados dos pais e criados por pessoas pertencentes à Igreja Ortodoxa. Havia perseguições aos judeus e muito deles foram mortos.

O espírito de liberalismo crescia, e havia organizações revolucionárias formadas, mas o governo continuava a sua opressão. Os estrangeiros porém tinham mais liberdade e até os menonitas (batistas alemães) continuaram livremente. O Dr. Baedeker, da Inglaterra, obteve licença para viajar para todas as partes da Rússia e da Sibéria, visitando as cadeias, pregando o Evangelho e distribuindo a Palavra de Deus. Os batistas receberam mais consideração do que os stundistas. A Igreja Batista era mais organizada e o governo pensava que podia melhor fiscalizar ou vigiar as suas atividades. Os stundistas não eram um corpo organizado. As reuniões dos alemães na Rússia foram chamadas "Stunden" e o nome "stundistas" foi dado por desprezo aos russos que se reuniam para a leitura da Bíblia e oração. Estes grupos de crentes espalhavam-se por toda a parte da Rússia, e cresciam apesar das perseguições. Os "menonitas" eram descendentes dos alemães batistas que recusavam levar armas, e foram convidados pela Imperatriz Catarina para animar o trabalho da lavoura na Rússia no século XVIII. Foram proibidos de evangelizar os russos, mas a Palavra de Deus desta fonte espalhava-se.

Em 1905 houve uma guerra entre a Rússia e o Japão, e a Rússia foi derrotada, trazendo muita confusão ao governo. O povo clamou por reformas e o Tsar viu-se obrigado a conceder liberdade de consciência e culto, e o cruel Procurador foi demitido. Havia uma onda de entusiasmo, e as reuniões de evangelização ficavam cheias de ouvintes. Esta liberdade não durou muito tempo, porque o governo, recuperando mais uma vez o seu poder, e sentindo-se mais seguro, cessou as concessões, e a perseguição começou de novo.

No ano de 1914 rebentou a Grande Guerra. A Rússia entrou nela com muita confiança, mas estava mal preparada, e devido à corrupção interna que se apoderara de toda a sociedade, da política e dos oficiais do governo. O Tsar no começo da guerra baniu sem processo, milhares de crentes, pastores batistas e muitos políticos para a Sibéria, onde ficaram até a revolução, que rebentou em 1917. Então os exilados voltaram. O imperador, com seu governo, e a Igreja Ortodoxa na Rússia, caíram todos juntos. O novo governo era comunista e ateísta. Os nobres e proprietários, foram mortos ou tiveram de fugir, e milhares deles, criados na riqueza e no luxo, foram obrigados a trabalhar em terras estrangeiras por uma pitança. O imperador Nicolau, a imperatriz, suas filhas e o único filho, foram fuzilados todos juntos. O governo comunista tem procurado extinguir todo o sinal de cristianismo, perseguindo a religião grega, a católica e a evangélica. Tem proibido a entrada da Bíblia no país. Entretanto, os crentes continuaram secretamente com suas reuniões, e o governo não tem podido extinguir a fé deles. A esperança agora (1941) é que a guerra atual traga mais liberdade de culto aos crentes, e que as Escrituras mais uma vez possam entrar na Rússia, para salvação e felicidade do seu povo.


Finlândia
O povo da Finlândia fora "convertido" ao cristianismo em 1157 pelo rei da Suécia, que veio com um exército e um bispo (católico) conquistando e depois batizando os finlandeses. O país ficou sujeito ao Governo da Suécia, e seu rei Gustavo Adolfo fez muitas reformas e benefícios na Finlândia, fundando escolas e edificando igrejas. Mais tarde, nas guerras entre a Suécia e a Rússia, a Finlândia passou a pertencer à Rússia (1809). Graças ao bom Imperador Alexandre I, os finlandeses mantiveram suas leis e constitução, com certa independência, tendo muito mais liberdade religiosa e política do que a mesma Rússia, mas os finlandeses eram mais civilizados e mais bem educados do que os russos. Em 1899, o governo do Tsar abrogava a constituição, e governava a Finlândia, ditatorialmente, enchendo o país de espiões e da polícia russa. Esta condição durou até a guerra entre a Rússia e o Japão em 1905, quando o Tsar se sentiu obrigado a restaurar a liberdade, a esse país, devido a greve por parte dos operários no país. Mas o Tsar não era sincero e gradualmente, procurava sempre oprimir a Finlândia.

Depois da grande Guerra, a Finlândia foi separada e tornou-se independente. Desde aquele tempo, o país progrediu rapidamente e o Evangelho tem feito bom progresso. A igreja principal é ainda a Luterana, mas outras denominações evangélicas trabalham ali também.


Fonte: A História do Cristianismo - Dos Apóstolos do Senhor Jesus Cristo ao Século XX, A. Knight & W. Anglin, CPAD.



Links Relacionados
[Biografias] João Calvino
João Calvino (Noyon, 10 de Julho de 1509 — Genebra, 27 de Maio de 1564) foi um teólogo cristão francês. Calvino teve uma influência muito grande durante a Reforma Protestante, uma influência que continua até hoje. Portanto, a forma de Protestantismo que ele ensinou e viveu é conhecido por alguns pelo nome Calvinismo, mesmo se o próprio Calvino teria repudiado contundentemente este apelido. Esta variante do Protestantismo viria a ser bem sucedida em países como a Suíça (país de origem), Países Baixos, África do Sul (entre os africânderes), Inglaterra, Escócia e Estados Unidos da América.


[Biografias] Martinho Lutero
No cárcere, sentenciado pelo Papa a ser queimado vivo, João Huss disse: "Podem matar o ganso (na sua língua, 'huss' é ganso), mas daqui a cem anos, Deus suscitará um cisne que não poderão queimar". Enquanto caía a neve, e o vento frio uivava como fera em redor da casa, nasceu esse "cisne", em Eisleben, Alemanha. No dia seguinte, o recém-nascido era batizado na Igreja de São Pedro e São Paulo. Sendo o dia de São Martinho, recebeu o nome de Martinho Lutero. Cento e dois anos depois de João Huss expirar na fogueira, o "cisne" afixou, na porta da Igreja em Wittenberg, as suas noventa e cinco teses contra as indulgências, ato que gerou a Grande Reforma. João Huss enganara-se em apenas dois anos, na sua predição.


[Cinco Solas] Sola Fide na Perspectiva de Martinho Lutero
"Eu não posso negar que tudo o que papa faz deve ser suportado, mas me entristece que eu não possa provar que o que ele faz é o melhor. Embora, se eu fosse discutir a intenção do papa, sem me envolver com sua prestação de serviço mercenária, eu diria, brevemente e com confiança, que se deve assumir o melhor sobre ele. A igreja necessita de uma reforma, que não é o trabalho de um homem, a saber, o papa, ou de muitos homens, a saber, os cardeais, o que o mais recente concílio demonstrou, mas é o melhor de todo o mundo, de fato, é trabalho de Deus somente. Entretanto, somente Deus, que criou o tempo, sabe o tempo para esta reforma. Nesse meio tempo, não podemos negar tais erros manifestos. O poder das chaves é abusado e escravizado pela cobiça e ambição."


[Cinco Solas] Sola Scriptura e os Pais da Igreja
A Reforma do século dezesseis foi responsável por restaurar à Igreja o princípio de Sola Scriptura, um princípio que havia operado dentro da Igreja Cristã a partir do início da era pós-apostólica. Primeiro, os apóstolos de Jesus Cristo ensinaram oralmente; entretanto, com o findar da era apostólica, toda revelação especial que Deus tencionou preservar ao homem foi reunida por escrito, nas Escrituras. Sola Scriptura é, pois, o ensino, baseado na própria Escritura, de que há somente uma revelação especial de Deus que o homem possui hoje - a.s, A Bíblia Logo, as Escrituras devem ser materialmente suficientes e ser, por sua própria natureza (i.e., por serem inspiradas por Deus), a autoridade final para a Igreja. Isto também implica dizer que não há porção da revelação que tenha sido preservada na forma de tradição oral, independente da Palavra escrita. Não possuímos qualquer ensino de um Apóstolo atualmente - fora das Escrituras. Somente as Escrituras, então, registram para nós o ensino apostólico e a revelação final de Deus.


[Defesa da Fé Cristã] O Nazismo Provém do Protestantismo?
Prezados
Graça e Paz do Senhor e Salvador Jesus Cristo
Bendito seja Deus, o Senhor de Nossas vidas
A Razão do Nosso Viver

Interessante saber um pouco mais a respeito do anti-semitismo de Martinho Lutero que influenciou Adolf Hitler a exterminar os judeus em massa na 2a Guerra Mundial. É através desse fato que apologistas católicos tentam ocultar os milhares de judeus mortos pela Santa Inquisição defendendo que foi o Protestantismo que deu início ao anti-semitismo ou o nazismo de Hitler.


[Defesa da Fé Cristã] Como o Protestantismo Pode Ser um Retorno às Origens da Fé?
Um dos nossos internautas nos mandou um artigo interessante a respeito da relação entre o Protestantismo e a Igreja Primitiva retirada do site católico Veritatis. O artigo contém várias perguntas com o objetivo de mostrar que o Protestantismo não é um retorno à Igreja Primitiva. Estaremos respondendo cada uma dessas perguntas de acordo com as Sagradas Escrituras.


[Defesa da Fé Cristã] Testemunha de Jeová e Mórmons São Protestantes?
Em vários debates teológicos que envolve o povo protestante, principalmente Católicos x Protestantes, os não-protestantes de vez em quando nos atacam mostrando heresias dos Testemunhas de Jeová e dos Mórmons. Então, TJ's e Mórmons são ou não são protestantes?


[Estudos] Confissão de Fé de Augsburgo
Trata-se, tão somente, de uma cópia fiel do material que é apresentado no LIVRO DE CONCÓRDIA, As Confissões da Igreja Evangélica Luterana, tradução e notas de ARNALDO SCHÜLER, 4ª Edição 1993, uma co-edição de EDITORA SINODAL e EDITORA CONCÓRDIA. Qual o objetivo? O luteranismo mundial comemorou em 1997 o 500º aniversário de nascimento de Philipp Melanchthon. Não podemos falar de Confissão de Augsburgo sem falar de Melanchthon. Ele foi o autor intelectual, o compilador, não somente da CA, como também de outro documento muito importante, conhecido como Apologia da Confissão de Augsburgo.


[Estudos] A Reforma Protestante: Perguntas e Respostas
A Reforma Protestante foi importante para o cristianismo porque chamou a atenção para verdades (doutrinas) e práticas bíblicas que haviam sido esquecidas ou distorcidas pela Igreja Medieval. Não foi um movimento inovador, mas restaurador das convicções e ênfases do cristianismo original. Algumas de suas principais contribuições foram: retorno às Escrituras; a centralidade de Cristo; a salvação vista como dádiva da graça de Deus, a ser recebida por meio da fé; a Igreja não é a instituição ou a hierarquia, mas o povo de Deus – cada cristão é um sacerdote.


[Estudos] João Calvino e Santo Agostinho sobre o Conhecimento de Deus e o Conhecimento de Si: Um Caso de Disjunção Teológico-Filosófica (Em PDF)
Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Filosofia do Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para obtenção do título de Mestre em Filosofia sob a orientação do Prof. Dr. Lorenzo Mimmi. (EM PDF)

Agradecimento: Gunnar Izabel Lima
Fonte: Teologia Reformada


[Estudos] O Catecismo de Heidelberg: Sua História e Influência
Uma das principais características da Reforma Protestante do século XVI foi a produção de um grande número de declarações doutrinárias na forma de confissões de fé e catecismos. Essas declarações resultaram tanto de necessidades teológicas quanto pastorais, à medida que os novos grupos definiam a sua identidade em um complexo ambiente religioso, cultural, social e político. O historiador Mark Noll observa que esse fenômeno é típico da Reforma, uma vez que o termo "confissão", em seu sentido mais comum, designa as declarações formais de fé cristã escritas especialmente por protestantes, desde o início do seu movimento.[1]


[Estudos] O Catecismo de Westminster (1642-1648)
Após concluir a Confissão de Fé, a Assembléia de Westminster concentrou-se na elaboração de um catecismo. Com o tempo, surgiu o consenso de que seriam necessários dois textos, "um mais exato e abrangente e outro mais fácil e breve para principiantes". O maior destinava-se à exposição no púlpito, ao passo que o breve seria voltado para a instrução de crianças e adolescentes. O Catecismo Maior (1647) teve como principais redatores Herbert Palmer, autor de um aclamado catecismo publicado em 1640, e Anthony Tuckney, um erudito professor de teologia da Universidade de Cambridge. Além do Catecismo de Palmer, seu conteúdo doutrinário baseou-se no "Compêndio de Teologia" do bispo James Ussher e nas conclusões da própria Confissão de Fé. O Breve Catecismo (1648) foi preparado por uma pequena comissão, na qual se destacaram o já mencionado Tuckney e o brilhante matemático e teólogo de Cambridge John Wallis, um amigo íntimo de Herbert Palmer.


[Estudos] Cronologia da Reforma no Século XVI
1493 - 1519. Maximiliano I é eleito imperador alemão. Adopta o título de Imperador Romano.

1495. Dieta de Worms. Tentativa de modernização da constituição do império medieval. Proclamação da «paz perpétua» e criação de um Tribunal Supremo do Império, o Reichkammergericht (Tribunal da Câmara Imperial), sediado em Franqueforte, depois em Speier e finalmente, em 1689, em Wetzlar.


[Estudos] Um Sermão Sobre a Indulgência e a Graça
1. Em primeiro lugar, cumpre que saibam que vários novos mestres, tais como o mestre das Sentenças[2], S. Tomás[3] e seus seguidores, atribuem três partes à Penitência, quais sejam: a contrição, a confissão e a satisfação. Esta distinção, em seu conceito, dificilmente ou mesmo de forma alguma se acha fundamentada na Sagrada Escritura e nos antigos santos mestres cristãos. Mesmo assim queremos admiti-la por ora ou falar ou modo deles.


[Estudos] A Reforma Protestante e Suas Principais Causas
Não há como negar a influência da Reforma Protestante em nosso século. Qualquer livro de História que aborde o tema: "Baixa Idade Média e início da Idade Moderna", tem, obrigatoriamente, a necessidade de discorrer sobre um dos principais marcos dessa época: a Reforma Protestante, liderada pelo monge agostiniano Martinho Lutero. Embora seja extremamente velho (quase 500 anos), trata-se, porém, de um tema ainda vivo e em debate hoje em dia. A interpretação que os historiadores dão à História influencia a explicação das causas da Reforma Protestante. A ênfase sobre um ou outro fator histórico depende da escola de interpretação.


[Estudos] Como Era o Pano de Fundo Político e Filosófico da Renascença, de onde brotou a Reforma Protestante?
Meu caro leitor, no pano de fundo do pensamento renascentista se destacam algumas figuras de vulto, começando com Nicolau de Cusa e terminando com Giordano Bruno. É uma nova concepção filosófica do mundo e da vida, ainda não bem claramente esboçada, de que seus próprios autores, às vezes, não tem clara consciência. É uma época de transição, em que novo e velho se entretecem mutuamente.


[Estudos] O Protestantismo (Documentário)
"Pois não me envergonho do Evangelho de Cristo, pois ele é a força da salvação de todo aquele que acredita. Do judeu em primeiro lugar, mas também do grego. Pois nele está a justiça de Deus que é revelada pela fé e na fé, como está escrito: 'o justo viverá pela fé'." No século 16, uma série dramática de protestos religiosos, sociais e políticos, produziu uma nova e influente forma de cristianismo que logo cresceria para rivalizar com o católico e o ortodoxo, como o terceiro grande ramo da maior religião na Europa.


[Artigos Interessantes] E Se a Reforma Protestante Não Tivesse Ocorrido?
Dizem que ele não tinha a intenção. Mas, em 1517, quando o monge alemão Martinho Lutero se revoltou com os rumos do catolicismo e propôs uma reforma na Igreja, acabou mudando o destino do mundo inteiro. Naquela época, reis, príncipes e duques estavam insatisfeitos em prestar obediência ao papa, por isso, aproveitaram o movimento para proclamar sua independência não só religiosa mas também política.


[Artigos Interessantes] As Amadas Esposas de Genebra
Por contraste, vários ministros de Genebra parecem ter tido casamentos saudáveis e felizes. Um triste encômio na morte de uma esposa frequentemente oferece o melhor (ou único) testemunho de tal contentamento doméstico. Para Calvino, a perda de sua esposa Idelette depois de nove anos de casamento deixou um buraco escancarado em sua vida. "Eu não sou mais que meio homem, desde que Deus recentemente levou minha esposa para casa para si mesmo", escreveu Calvino. Quando a esposa de Pierre Viret, Elizabeth, morreu em 1546, perturbado marido expressou seu coração em termos similares: "Com a morte de minha amada esposa, o Senhor me golpeou – de fato, minha família inteira – com o golpe mais duro possível. Ele tirou metade de mim e me privou de uma fiel companhia, uma mulher que era uma boa dona de casa, uma esposa que se adaptou maravilhosamente ao meu caráter, meu trabalho e todo meu ministério".


[Artigos Interessantes] Lutero e os Judeus
Repórter - Li em algum lugar que há quase duzentos anos, em meados do século 14, um judeu foi colocado em tormento na cidade francesa de Chilon para admitir que seus irmãos de raça haviam provocado a famigerada peste negra, envenenando os poços.

Lutero - Isso de fato aconteceu em setembro de 1348. O pobre homem, em sua agonia, acabou concordando com o torturador para ficar livre do sofrimento. Baseada nessa falsa confissão, não somente na França, mas também em todo o norte da Europa, os judeus sofreram uma forte perseguição: eram proibidos de possuir terras, de trabalhar como artesãos e de praticar vários outros ofícios. Muitos foram assassinados em toda parte, inclusive em Estrasburgo, Stuttgart, Dresden, Frankfurt, aqui na Alemanha. Depois de três anos e 350 massacres, dezenas de milhares de judeus foram mortos e mais de duzentas comunidades, aniquiladas. (1)


[Artigos Interessantes] Bento XVI Elogia a Paixão Cristã do Pensador Protestante Martin Lutero
ERFURT, Alemanha — O Papa Bento XVI prestou homenagem nesta sexta-feira a Martin Lutero, ao enfatizar a paixão profunda pelas questões de Deus do promotor da Reforma Protestante, em um gesto simbólico em relação aos protestantes na cidade Erfurt (leste), onde surgiu este movimento de cisma da Igreja católica.


[Artigos Interessantes] Por Que Lutero Tornou-se um Anti-Semita?
Em 1523, Martim Lutero escreveu:
" Talvez eu consiga atrair alguns judeus para a fé cristã, pois nossos tolos, os papas, bispos, sofistas e monges... até agora os têm tratado tão mal que... se fosse judeu e visse esses idiotas cabeças-duras estabelecendo normas e ensinando a religião cristã, eu preferiria ser um porco a ser cristão. Pois esses homens trataram os judeus como cães, e não como seres humanos." [1] Essa declaração foi feita no início do período da Reforma, quando Lutero ainda era muito jovem. Nos anos seguintes, entretanto, ele ficaria cada vez mais irritado com o fato de que os judeus, ao lado de quem ele se colocara contra os preconceitos da Igreja Católica Romana, recusavam-se terminantemente a se converter ao Cristianismo.

O que você tem a dizer sobre a história da Igreja desde a Reforma?
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008