O Formalismo Depois da Reforma (1529-1530)
Publicado neste site no dia:
Agosto de 2008

A Política e a Reforma
Vamos agora tratar deste importante período, que foi previsto na carta à igreja de Sardo, no Apocalipse, e devemos ter muito cuidado em distinguir entre a obra da Reforma e o formalismo morto que se desenvolveu a par dela, pois que logo que experimentaram bem o poder emancipador das doutrinas reformadas, aqueles que as tinham abraçado, esquecendo a suficiência do seu Cabeça que estava no Céu, e receando novos assaltos da parte de Roma, colocaram-se sob a proteção dos magistrados civis. Satisfeitos com esta segurança, entregaram-se imediatamente ao gozo dos seus novos privilégios, e em pouco tempo tinham caído num estado deplorável de inércia e torpeza espirituais. As palavras do Espírito à igreja que está em Sardo são estas: "Eu sei as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto. Sê vigilante, e confirma o resto que estava para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus. Lembra-te pois do que tens recebido, e guarda-o, e arrepende-te" (Ap 3.1-3).

Todos os historiadores concordam em que o segundo Conselho da Spires marca o começo do protestantismo, mas talvez nem todos haviam de concordar com a seguinte opinião que, não obstante, merece a nossa consideração: "Na Reforma", diz Kelly, "ao fugirem do papismo, os cristãos caíram no erro de pôr a igreja nas mãos dos magistrados civis, ou fizeram a própria igreja depositária desse poder; enquanto que Cristo, pelo seu Espírito, deve ainda exercer o ofício de Senhor da Igreja".

O protestantismo errou, desde o princípio, no ponto eclesiástico, porque considerava o chefe civil como aquele em cujas mãos estava investida a autoridade eclesiástica, de modo que, se a Igreja tivesse sido, sob o papismo, o chefe do mundo, o mundo ter-se-ia tornado, sob o protestantismo, o chefe da Igreja. O leitor pode estranhar, à primeira vista, o que fica dito; mas estamos persuadidos de que, meditando e orando, há de chegar a igual conclusão.


Proteção dos Príncipes ao Movimento
A reforma alemã não começou pelas classes mais baixas, como aconteceu na Suíça. Na Alemanha os príncipes puseram-se à frente, ajudando a causa, e adotando as opiniões dos reformadores, mas quando os luteranos começaram a sentir seriamente a necessidade de uma constituição eclesiástica para as igrejas, em vez de seguirem as instruções da Palavra de Deus, adotaram para seu uso um sistema de leis e princípios que o príncipe de Hesse coordenou. E assim as igrejas reformadas tiveram logo uma constituição puramente humana e política.

O bondoso príncipe de Saxônia Frederico, o Sábio, morreu no ano 1525, e o seu sucessor João, um Luterano valente, deu um grande impulso à obra da Reforma. Como um meio de reprimir a autoridade do papa, assumiu uma completa jurisdição em matéria religiosa, demitindo homens incompetentes e preenchendo os lugares destes com luteranos piedosos e aprovados. Outros príncipes seguiram seu exemplo, introduzindo na igreja sistemas de governo que eram meramente organizações humanas, e assim se estabeleceram as primeiras igrejas luteranas. Sempre que se tomem medidas precipitadas em matérias de importância há de se encontrar oposição. Até aqui a moderação de Frederico tinha conservado os partidos católicos e luteranos até certo ponto, porém as medidas enérgicas e extremas do seu sucessor alarmaram os príncipes católicos, que formaram uma aliança entre si para reprimir o progresso das doutrinas reformadas nos seus respectivos territórios. A separação tornou-se irremediável. Uma grande parte da Saxônia, o antigo distrito de frisões, e as colônias orientais de Alemanha eram agora protestantes; enquanto que a Áustria, Baviera, e os bispados alemães do Sul conservaram a velha religião. A guerra civil parecia inevitável, mas os pormenores desta contenda pertencem mais à história política do que à eclesiástica, e por isso não nos ocuparemos com eles.


O Imperador Resolve Convocar Outro Conselho
Quanto ao imperador, havia muito que ele tinha na sua idéia reunir um Conselho com o fim de se certificar, ele próprio, pela boca dos principais protestantes, quais eram as razões por que eles se separavam da antiga igreja.

O papa, que ainda se lembrava do procedimento dos Conselhos de Worms e Spires, opôs-se a isso, e aconselhou medidas enérgicas. "As grandes congregações", dizia ele, "só servem para introduzir opiniões populares. Não é com decretos de concílios, mas com a ponta da espada que devemos decidir as controvérsias". Carlos prometeu refletir sobre este conselho, mas, depois de vacilar por algum tempo entre as duas opiniões, optou pela sua, e convocou um conselho em Augsburgo. Logo que se conheceram as razões do imperador para convocar o conselho, os protestantes prepararam uma fórmula de confissão para ser submetida. Foi escrita por Melanchton, e nela se enumeravam claramente as principais doutrinas dos reformadores, sendo a matéria fornecida principalmente por Lutero que leu o documento e deu-lhe a sua aprovação, dizendo: "Eu nasci para ser um rude polemista; limpo a terra, arranco o joio, encho os fossos e endireito as estradas. Mas quanto ao edificar, plantar, semear, regar, embelezar o campo, isso pertence, pela graça de Deus, a Felipe Melanchton". O documento foi chamado "Confissão de Augsburgo".


Encontro do Imperador com os Príncipes
No dia 15 de junho de 1530, o imperador entrou em Augsburgo com uma comitiva importante. Os príncipes protestantes, apeando-se dos seus cavalos, foram ao seu encontro, e Carlos, com uma amabilidade igual à lealdade deles, também se apeou e estendeu cordialmente a mão a cada um deles, por sua vez. No entanto, o legado papal, o cardeal Campeggio, ficou imóvel na sua mula (parecendo haver entre eles na verdade, alguma afinidade), mas vendo que tinha cometido um erro, procurou remediá-lo lançando a bênção aos príncipes reunidos. Quando levantava as mãos para esse fim o imperador e a sua comitiva ficaram de joelhos, mas os príncipes protestantes conservavam-se de pé. Esta circunstância não tinha sido prevista, e os do partido do papa ficaram um tanto perplexos com o incidente. Mais tarde havia de se dizer uma missa na capela de Augsburgo, para solenizar a abertura do Conselho, e os protestantes ganharam mais uma vitória recusando-se a assistir a ela. Mas o astuto prelado ainda se não deu por vencido. O príncipe de Saxônia, como marechal do Império, era obrigado em tais ocasiões a ir à frente do imperador, de espada na mão, e o cardeal apresentou a idéia de que Carlos lhe ordenasse que cumprisse com o seu dever na missa do Espírito Santo, que devia preceder à abertura das seções. O príncipe concordou em assistir, mas deu a entender ao imperador que era unicamente no desempenho de um cargo civil. Ao legado estava reservado sofrer mais um desengano. A elevação da hóstia toda a congregação caiu de joelhos em adoração, mas o príncipe conservou-se de pé.


Abertura do Conselho
A abertura do conselho teve lugar no dia 20 de junho, e o imperador presidiu a ela. Imaginava-se que se trataria do assunto de religião antes de qualquer outro, mas pouco se fez nesse dia; e a leitura da "Apologia" - outro nome dado à "Confissão" - foi marcada para o dia 24.

A grande esperança dos católicos era que os protestantes não tivessem oportunidade de expor a sua causa publicamente, e no dia 24 fizeram tudo quanto estava ao seu alcance - prolongando os outros assuntos do dia - para demorar a leitura da Confissão até ser tarde demais para isso.

Foi extraordinário o tempo que o cardeal levou a apresentar as suas credenciais, e a entregar a mensagem do papa. Por seu lado o imperador também foi muito minucioso a pedir pormenores das devastações dos turcos na Áustria, e da captura de Rhodes. Assim se gastaram momentos preciosos até quase a hora de encerrar a sessão. Então fez-se notar que já era tarde demais para a leitura da Apologia. "Entregai a vossa confissão aos oficiais competentes," disse Carlos, "e ficai certos de que responderemos a ela depois de ser devidamente ponderada".

Mas aqui levantou-se uma certa oposição. Nunca ocorreu a Carlos que a sua jurisdição não se estendia às consciências dos seus súditos, nem que ele estava excedendo a sua prerrogativa pelas suas evasivas e artifícios, e não estava preparado para a resposta que recebeu. "A nossa honra está em perigo", disseram os príncipes, "e as nossas almas também; somos acusados publicamente e é publicamente que devemos responder". Que se havia de fazer? Os príncipes mostraram-se respeitosos, mas também firmes e intransigentes. "Amanhã", replicou o imperador, "ouvirei o vosso sumário - não nesta sala, mas na capela do palácio Paladino".

No dia seguinte - dia memorável na história do Cristianismo -, os chefes protestantes apresentaram-se perante o imperador. Havia duas cópias da Confissão, uma em latim, outra em alemão. Carlos desejava que se lesse a cópia latina, porém o príncipe lembrou-lhe que estavam na Alemanha, e não em Roma, e que, portanto, devia ser permitido talar em alemão. A sua proposta admitiu-se, e o chanceler Bayer levantou-se do seu lugar e leu a Confissão de um modo vagaroso e claro, sendo ouvido a uma distância considerável. Esta leitura levou pouco mais ou menos duas horas, e Pontano, um reformador notável, entregou as duas cópias da Confissão ao secretário do imperador, dizendo: "Como a graça de Deus, que há de defender a sua Causa, esta Confissão há de triunfar contra as portas do Inferno".


Resultado da Leitura da Apologia
O efeito que a leitura da Confissão produziu no público foi o mais animador possível. A extrema moderação dos protestantes era a admiração de muitos; e, diz Sekendorf: "Muitas pessoas sumamente ilustradas fizeram um juízo muito favorável do que tinham ouvido, e declararam que não teriam deixado de ouvi-lo nem por uma grande soma". "Tudo quanto os luteranos disseram é a verdade", disse o bispo de Augsburgo, "não o podemos negar". E testemunhos destes havia muitos. O duque de Baviera disse ao Dr. Eck, o maior campeão de Roma na Alemanha: "O doutor tinha-me dado uma idéia muito diferente desta doutrina e deste negócio, mas, no fim de contas, pode porventura contradizer com razões boas a Confissão feita pelo príncipe e seus amigos?" - "Não pelas Escrituras", replicou Eck, "mas pelos escritos dos padres da Igreja e dos cânones dos concílios podemos". "Então já entendo", respondeu o duque, censurando, "os luteranos tiram a sua doutrina das Escrituras e nós achamos a nossa fora das Escrituras".


Fonte: A História do Cristianismo - Dos Apóstolos do Senhor Jesus Cristo ao Século XX, A. Knight & W. Anglin, CPAD.



Links Relacionados
[Biografias] Martinho Lutero
No cárcere, sentenciado pelo Papa a ser queimado vivo, João Huss disse: "Podem matar o ganso (na sua língua, 'huss' é ganso), mas daqui a cem anos, Deus suscitará um cisne que não poderão queimar". Enquanto caía a neve, e o vento frio uivava como fera em redor da casa, nasceu esse "cisne", em Eisleben, Alemanha. No dia seguinte, o recém-nascido era batizado na Igreja de São Pedro e São Paulo. Sendo o dia de São Martinho, recebeu o nome de Martinho Lutero. Cento e dois anos depois de João Huss expirar na fogueira, o "cisne" afixou, na porta da Igreja em Wittenberg, as suas noventa e cinco teses contra as indulgências, ato que gerou a Grande Reforma. João Huss enganara-se em apenas dois anos, na sua predição.


[Estudos] Confissão de Fé de Augsburgo
Trata-se, tão somente, de uma cópia fiel do material que é apresentado no LIVRO DE CONCÓRDIA, As Confissões da Igreja Evangélica Luterana, tradução e notas de ARNALDO SCHÜLER, 4ª Edição 1993, uma co-edição de EDITORA SINODAL e EDITORA CONCÓRDIA. Qual o objetivo? O luteranismo mundial comemorou em 1997 o 500º aniversário de nascimento de Philipp Melanchthon. Não podemos falar de Confissão de Augsburgo sem falar de Melanchthon. Ele foi o autor intelectual, o compilador, não somente da CA, como também de outro documento muito importante, conhecido como Apologia da Confissão de Augsburgo.


[Estudos] A Reforma Protestante: Perguntas e Respostas
A Reforma Protestante foi importante para o cristianismo porque chamou a atenção para verdades (doutrinas) e práticas bíblicas que haviam sido esquecidas ou distorcidas pela Igreja Medieval. Não foi um movimento inovador, mas restaurador das convicções e ênfases do cristianismo original. Algumas de suas principais contribuições foram: retorno às Escrituras; a centralidade de Cristo; a salvação vista como dádiva da graça de Deus, a ser recebida por meio da fé; a Igreja não é a instituição ou a hierarquia, mas o povo de Deus – cada cristão é um sacerdote.


[Estudos] João Calvino e Santo Agostinho sobre o Conhecimento de Deus e o Conhecimento de Si: Um Caso de Disjunção Teológico-Filosófica (Em PDF)
Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Filosofia do Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para obtenção do título de Mestre em Filosofia sob a orientação do Prof. Dr. Lorenzo Mimmi. (EM PDF)

Agradecimento: Gunnar Izabel Lima
Fonte: Teologia Reformada


[Estudos] O Catecismo de Heidelberg: Sua História e Influência
Uma das principais características da Reforma Protestante do século XVI foi a produção de um grande número de declarações doutrinárias na forma de confissões de fé e catecismos. Essas declarações resultaram tanto de necessidades teológicas quanto pastorais, à medida que os novos grupos definiam a sua identidade em um complexo ambiente religioso, cultural, social e político. O historiador Mark Noll observa que esse fenômeno é típico da Reforma, uma vez que o termo "confissão", em seu sentido mais comum, designa as declarações formais de fé cristã escritas especialmente por protestantes, desde o início do seu movimento.[1]


[Estudos] O Catecismo de Westminster (1642-1648)
Após concluir a Confissão de Fé, a Assembléia de Westminster concentrou-se na elaboração de um catecismo. Com o tempo, surgiu o consenso de que seriam necessários dois textos, "um mais exato e abrangente e outro mais fácil e breve para principiantes". O maior destinava-se à exposição no púlpito, ao passo que o breve seria voltado para a instrução de crianças e adolescentes. O Catecismo Maior (1647) teve como principais redatores Herbert Palmer, autor de um aclamado catecismo publicado em 1640, e Anthony Tuckney, um erudito professor de teologia da Universidade de Cambridge. Além do Catecismo de Palmer, seu conteúdo doutrinário baseou-se no "Compêndio de Teologia" do bispo James Ussher e nas conclusões da própria Confissão de Fé. O Breve Catecismo (1648) foi preparado por uma pequena comissão, na qual se destacaram o já mencionado Tuckney e o brilhante matemático e teólogo de Cambridge John Wallis, um amigo íntimo de Herbert Palmer.


[Estudos] Cronologia da Reforma no Século XVI
1493 - 1519. Maximiliano I é eleito imperador alemão. Adopta o título de Imperador Romano.

1495. Dieta de Worms. Tentativa de modernização da constituição do império medieval. Proclamação da «paz perpétua» e criação de um Tribunal Supremo do Império, o Reichkammergericht (Tribunal da Câmara Imperial), sediado em Franqueforte, depois em Speier e finalmente, em 1689, em Wetzlar.


[Estudos] Um Sermão Sobre a Indulgência e a Graça
1. Em primeiro lugar, cumpre que saibam que vários novos mestres, tais como o mestre das Sentenças[2], S. Tomás[3] e seus seguidores, atribuem três partes à Penitência, quais sejam: a contrição, a confissão e a satisfação. Esta distinção, em seu conceito, dificilmente ou mesmo de forma alguma se acha fundamentada na Sagrada Escritura e nos antigos santos mestres cristãos. Mesmo assim queremos admiti-la por ora ou falar ou modo deles.


[Estudos] A Reforma Protestante e Suas Principais Causas
Não há como negar a influência da Reforma Protestante em nosso século. Qualquer livro de História que aborde o tema: "Baixa Idade Média e início da Idade Moderna", tem, obrigatoriamente, a necessidade de discorrer sobre um dos principais marcos dessa época: a Reforma Protestante, liderada pelo monge agostiniano Martinho Lutero. Embora seja extremamente velho (quase 500 anos), trata-se, porém, de um tema ainda vivo e em debate hoje em dia. A interpretação que os historiadores dão à História influencia a explicação das causas da Reforma Protestante. A ênfase sobre um ou outro fator histórico depende da escola de interpretação.


[Estudos] Como Era o Pano de Fundo Político e Filosófico da Renascença, de onde brotou a Reforma Protestante?
Meu caro leitor, no pano de fundo do pensamento renascentista se destacam algumas figuras de vulto, começando com Nicolau de Cusa e terminando com Giordano Bruno. É uma nova concepção filosófica do mundo e da vida, ainda não bem claramente esboçada, de que seus próprios autores, às vezes, não tem clara consciência. É uma época de transição, em que novo e velho se entretecem mutuamente.


[Estudos] O Protestantismo (Documentário)
"Pois não me envergonho do Evangelho de Cristo, pois ele é a força da salvação de todo aquele que acredita. Do judeu em primeiro lugar, mas também do grego. Pois nele está a justiça de Deus que é revelada pela fé e na fé, como está escrito: 'o justo viverá pela fé'." No século 16, uma série dramática de protestos religiosos, sociais e políticos, produziu uma nova e influente forma de cristianismo que logo cresceria para rivalizar com o católico e o ortodoxo, como o terceiro grande ramo da maior religião na Europa.


[Artigos Interessantes] E Se a Reforma Protestante Não Tivesse Ocorrido?
Dizem que ele não tinha a intenção. Mas, em 1517, quando o monge alemão Martinho Lutero se revoltou com os rumos do catolicismo e propôs uma reforma na Igreja, acabou mudando o destino do mundo inteiro. Naquela época, reis, príncipes e duques estavam insatisfeitos em prestar obediência ao papa, por isso, aproveitaram o movimento para proclamar sua independência não só religiosa mas também política.


[Artigos Interessantes] As Amadas Esposas de Genebra
Por contraste, vários ministros de Genebra parecem ter tido casamentos saudáveis e felizes. Um triste encômio na morte de uma esposa frequentemente oferece o melhor (ou único) testemunho de tal contentamento doméstico. Para Calvino, a perda de sua esposa Idelette depois de nove anos de casamento deixou um buraco escancarado em sua vida. "Eu não sou mais que meio homem, desde que Deus recentemente levou minha esposa para casa para si mesmo", escreveu Calvino. Quando a esposa de Pierre Viret, Elizabeth, morreu em 1546, perturbado marido expressou seu coração em termos similares: "Com a morte de minha amada esposa, o Senhor me golpeou – de fato, minha família inteira – com o golpe mais duro possível. Ele tirou metade de mim e me privou de uma fiel companhia, uma mulher que era uma boa dona de casa, uma esposa que se adaptou maravilhosamente ao meu caráter, meu trabalho e todo meu ministério".


[Artigos Interessantes] Lutero e os Judeus
Repórter - Li em algum lugar que há quase duzentos anos, em meados do século 14, um judeu foi colocado em tormento na cidade francesa de Chilon para admitir que seus irmãos de raça haviam provocado a famigerada peste negra, envenenando os poços.

Lutero - Isso de fato aconteceu em setembro de 1348. O pobre homem, em sua agonia, acabou concordando com o torturador para ficar livre do sofrimento. Baseada nessa falsa confissão, não somente na França, mas também em todo o norte da Europa, os judeus sofreram uma forte perseguição: eram proibidos de possuir terras, de trabalhar como artesãos e de praticar vários outros ofícios. Muitos foram assassinados em toda parte, inclusive em Estrasburgo, Stuttgart, Dresden, Frankfurt, aqui na Alemanha. Depois de três anos e 350 massacres, dezenas de milhares de judeus foram mortos e mais de duzentas comunidades, aniquiladas. (1)

O que você tem a dizer sobre o formalismo depois da Reforma?
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008