Auxílios e Obstáculos à Reforma Inglesa (1529-1547)
Publicado neste site no dia:
Agosto de 2008

Tomas Cranmer
No ano de 1529 começou Tomás Cranmer a gozar o favor real, e por fim foi promovido à Sé de Canterbury. Cranmer era homem de sabedoria e piedade, mas tímido e indeciso - sendo isto reconhecido até pelos contemporâneos mais amigos. Embora superior a Latimer em erudição, era-lhe muito inferior em lealdade a Cristo, e levou bastante tempo a tomar a resolução de se desembaraçar das malhas do papismo. O progresso da Reforma podia ter-se desenvolvido muito em conseqüência da promoção de Cranmer, mas não aconteceu assim. As facilidades que Cranmer mostrou em ajudar a obra parece que não foram nada proporcionais à sua elevada posição; e Estevão Gardiner, bispo de Winchester, o grande perseguidor, tinha mais influência junto ao rei em todos os assuntos referentes aos interesses da igreja do que o novo primaz. Mas era evidente que Cranmer simpatizava com muitas das doutrinas dos reformadores; e vemos que usou da sua autoridade para dar liberdade a Latimer, a quem colocou de novo no seu presbitério. Isto pelo menos foi uma ação conveniente.


Mais Martírios
Contudo, a tortura aos hereges continuou como dantes; e dois meses depois da promoção de Cranmer, João Frith, um íntimo amigo de Tyndale, sofreu o martírio juntamente com um aprendiz de alfaiate, chamado Hewett, que tinha negado a presença corporal no sacramento. Não se deve, porém supor que Cranmer tomasse qualquer parte nestes atos brutais; eram inteiramente devidos ao selvagem beatismo do bispo de Winchester, por quem o arcebispo tinha uma dedicada antipatia.

Houve ainda muitas outras vítimas do zelo de Gardiner, mas não nos podemos referir a elas individualmente: estão registradas no Céu, e Deus não se há de esquecer de nenhuma delas.

Mas, entre todas, a que merece mais especial menção é a mártir Ana Kime mais conhecida por Ana Askew. Era esposa de um tal Kime, um papista fanático. Só algum tempo depois de casada, foi que o Senhor lhe abriu os olhos e lhe mostrou pela luz da sua Palavra os erros papistas; mas logo que recebeu a luz manifestou bem o favor que lhe tinha sido concedido pela firmeza e coragem com que prosseguiu nas suas convicções.

A primeira perseguição que teve de sofrer veio do seu próprio marido, cujo ódio pelo Evangelho venceu por fim de tal maneira toda a afeição natural que a expulsou de sua casa. Ligou-se então à corte da rainha Catarina Parr, que era uma cristã sincera; e ali a sua beleza, a sua piedade, e a sua ilustração, atraíam a atenção de todos, despertando mais tarde o ódio de Gardiner e do seu partido. Vigiavam todos os seus movimentos, mas nada encontravam em que pudessem basear uma acusação. A sua maneira de viver era irrepreensível.

No ano de 1545 foi acusada de heresia, e lançada na prisão. O seu primeiro interrogatório perante os inquisidores teve lugar no mês de março do mesmo ano, no fim do qual foi mandada para a sua cela em Newgate, onde ficou durante perto de um ano. O seu segundo interrogatório foi perante o conselho do rei em Greenwich, onde ela foi escarnecida e insultada pelo bispo de Winchester e seus adeptos, sendo novamente conduzida para Newgate.

Um dia ou dois mais tarde foi removida para a Torre onde o Lord Chanceler esforçou-se por induzi-la a indicar outros da corte que eram suspeitos de partilhar com as suas opiniões; e não querendo ela fazê-lo, aquele miserável monstro ordenou que a colocassem no cavalete da tortura. "E para conservar-me sossegada", diz a pobre vítima paciente, "e não gritar, o Lord Chanceler e o Mestre Rich torturaram-me com as suas próprias mãos até eu estar quase morta... Mas dou graças ao meu Senhor Deus pela sua eterna misericórdia. Ele deu-me forças para persistir na minha fé, e espero que hei de resistir até o fim". Depois disso foi levada para uma casa e deitada numa cama com os ossos moídos e doridos como jamais os teve o patriarca Jó; e enquanto ali jazia, o Chanceler mandou dizer-lhe que se quisesse abandonar as suas opiniões seria bem tratada, em caso contrário seria reenviada para Newgate e queimada. Mas ela respondeu que preferia morrer do que negar a sua fé; e esta resposta foi que decidiu a sua sorte.

Nesse mesmo ano, não se sabendo a data certa, foi completada a tragédia de Ana Askew, que foi levada da prisão para ser queimada. Estando muito fraca e não podendo andar, foi levada para Smithfield numa cadeira, e quando a levaram para o poste nem podia ter-se de pé. Amarraram-na portanto pelo meio do corpo com uma corrente. Então ofereceram-lhe o perdão do rei se retratasse; porém ela respondeu que não tinha vindo ali para negar o seu Senhor e Mestre. Chegaram então o fogo à lenha, e em breve os seus sofrimentos acabaram, e o seu espírito subiu ao Céu. Mais três vítimas sofreram ao mesmo tempo.

Desgraçados tempos! Bem se podia erguer o grito de "Por quanto tempo Senhor Deus, por quanto tempo?!"


Fonte: A História do Cristianismo - Dos Apóstolos do Senhor Jesus Cristo ao Século XX, A. Knight & W. Anglin, CPAD.



Links Relacionados
[Estudos & Reflexões] As Reformas Religiosas (Visão Secular)
Diversas vezes, temos ressaltado, durante nosso curso, a importância da Igreja Católica não só na Idade Média, mas também durante a modernidade. Podemos perceber que a Igreja não se mantém inerte ao conjunto de transformações sociopolíticas no mundo que a cerca, mas se adapta e cria novos mecanismos para sobreviver e manter seu poder.


[Estudos & Reflexões] A Reforma Protestante: Perguntas e Respostas
A Reforma Protestante foi importante para o cristianismo porque chamou a atenção para verdades (doutrinas) e práticas bíblicas que haviam sido esquecidas ou distorcidas pela Igreja Medieval. Não foi um movimento inovador, mas restaurador das convicções e ênfases do cristianismo original. Algumas de suas principais contribuições foram: retorno às Escrituras; a centralidade de Cristo; a salvação vista como dádiva da graça de Deus, a ser recebida por meio da fé; a Igreja não é a instituição ou a hierarquia, mas o povo de Deus – cada cristão é um sacerdote.


[Estudos & Reflexões] O Protestantismo é a Única Causa das Divisões Religiosas?
Na época de Cristo, os judeus eram divididos em alguns grupos. Eram eles: os Fariseus, os Saduceus, os Samaritanos, os Essênios, os Herodianos e os Zelotes. Cada grupo carregava pensamentos e comportamentos diferentes entre si. Por incrível que pareça, não há registros nos Sagrados Evangelhos sobre críticas do Senhor Jesus Cristo contra a existência desses grupos. O Senhor apenas alertava para eles não cometerem ERROS DOUTRINÁRIOS para com a Palavra de Deus.


[Estudos & Reflexões] Cronologia da Reforma no Século XVI
1493 - 1519. Maximiliano I é eleito imperador alemão. Adopta o título de Imperador Romano.
1495. Dieta de Worms. Tentativa de modernização da constituição do império medieval. Proclamação da «paz perpétua» e criação de um Tribunal Supremo do Império, o Reichkammergericht (Tribunal da Câmara Imperial), sediado em Franqueforte, depois em Speier e finalmente, em 1689, em Wetzlar.


[Biografias] William Tyndale
William Tyndale nasceu aproximadamente em 1483, na vila de North Nibley. Ordenado ao sacerdócio em 1502, ele se distinguiu em Oxford recebendo o seu diploma de Bacharel em Artes, em 1515. Mais tarde ele se transferiu para Cambridge, onde se tornou familiarizado com Erasmo e o seu Novo Testamento Grego. Enquanto atravessava esse tempo de reflexão, Tyndale experimentou uma iluminação espiritual semelhante à de Lutero.


[Estudos & Reflexões] Os Santos e a Virgem Maria no Anglicanismo
Escrever sobre Anglicanismo sempre é um prazer, mas também preciso comentar que proclama uma grande tristeza no meu coração. É um grande prazer, porque sinceramente, acredito que o Anglicanismo é a expressão mais próxima ao Cristianismo primitivo. Em outras palavras, Anglicanismo no seu melhor, é o melhor tipo de Cristianismo. Anglicanismo no seu pior, é o pior tipo de Cristianismo.


[Estudos & Reflexões] O Anglicanismo é Protestante ou Católico?
O Anglicanismo é a forma mais debatida de Cristianismo. Não apenas é julgado em uma variedade de maneiras por estranhos ou espectadores, mas também pelos próprios anglicanos. Até mesmo para alguém que tenha passado grande parte de sua vida no mundo anglicano, não é fácil desembaraçar o nó e entender mal sobre o Anglicanismo.

O que você tem a dizer sobre os auxílios e obstáculos à Reforma Inglesa?
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008