A Abolição do Dízimo
Vania Sueli

Boa tarde, tendo em vista seus documentários sobre o protestantismo, o que você me diz a respeito da cobrança dos dízimos que são feitas hoje nas igrejas evangélicas ou protestantes, considerando que estas praticas foram abolidas com a vindo do Messias (Jesus Cristo - ou YAHUSHUA)


------------


Prezada Vania Sueli
Graça e Paz do Senhor Jesus Cristo
Bendito seja Deus, o Senhor de nossas vidas
A Razão do nosso viver

O dízimo em si não foi abolido, o que preocupa é a forma errônea de como é aplicado em muitas igrejas evangélicas. Muitos pastores pregam que quem é dizimista é abençoado e devo dizer que não discordo por experiência. Entretanto, a forma de pregar sobre o dízimo parece "forçar" os fiéis a darem 10% de seus lucros. E, pra piorar, há alguns pastores como vemos na televisão que motivam os fiéis a aumentarem esse valor: "Quem der não 10%, mas 20% do seu lucro para Deus receberá uma grande benção...". E todas essas circunstâncias faz com que o fiel dê o seu dízimo não com o coração, mas sim apenas crendo que vai receber algo melhor em troca. Ou seja, estão adorando a Deus pelo o que Ele faz e não pelo o que Ele é. Valorizando mais o lado materialista do que o lado espiritual. Daí vem todas aquelas difamações e calúnias de que "todos os pastores são ladrões e que todos os crentes são alienados..."

Apesar de muitos dizerem que o Dízimo foi abolido, eu discordo se olharmos para a sua essência. A Equipe GotQuestions.org já tinha levantado essa questão e dou todo meu crédito. O dízimo era exigido pela lei na qual todos os israelitas deveriam dar ao Tabernáculo/Templo 10% de todo o fruto de seu trabalho e de tudo o que criassem (Levítico 27:30; Números 18:26; Deuteronômio 14:22; II Crônicas 31:5; Malaquias 3:8-10). Alguns entendem o dízimo no Velho Testamento como um método de taxação destinado a prover pelas necessidades dos sacerdotes e Levitas do sistema sacrificial.

Já no Novo Testamento, realmente não há em nenhum lugar uma ordenação e nem mesmo recomendação para os cristãos se submeterem a um sistema legalista de dizimar. Mas, o Apóstolo Paulo afirma que os crentes devem separar uma parte de seus ganhos para sustentar a igreja (I Coríntios 16:1-2). O Novo Testamento, em lugar algum, determina certa porcentagem de ganhos que deva ser separada, mas apenas diz "conforme a sua prosperidade" (I Coríntios 16:2). A igreja cristã basicamente tomou esta proporção (10%) do dízimo do Velho Testamento e a incorporou como um "mínimo recomendado" para o ofertar cristão. Entretanto, os cristãos não deveriam se sentir obrigados a se prender sempre à quantia de 10%. Deveriam sim dar de acordo com suas possibilidades, "conforme sua prosperidade". Às vezes, isto significa dar mais do que 10%, às vezes, dar menos que 10%. Tudo depende das possibilidades do cristão e das necessidades da igreja. Cada cristão deve cuidadosamente orar e buscar a sabedoria vinda de Deus no tocante a sua participação com o dízimo e/ou a quanto deve dar (Tiago 1:5). "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria" (II Coríntios 9:7).


Grato pelo seu contato!


Deus te abençoe e te guarde.


Seja bendito o Nome do Senhor desde agora e para sempre, amém.
Marcell de Oliveira
Webmaster Protestante Online




O que você achou do artigo?
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008