A Descoberta da "Onda Gravitacional" do Big Bang Reforça a Criação Bíblica, Diz Astrônomo

Hugh Ross, presidente e fundador de Reasons to Believe, uma organização criacionista que acredita que o cristianismo e a ciência são complementares

Alguns especialistas científicos cristãos acreditam que a descoberta da "onda de gravidade", anunciada no início desta semana por cientistas que trabalham com um telescópio no pólo sul chamado BICEP 2, fornece confirmação para o relato bíblico da criação, apoiando a teoria do "big bang".

"A Bíblia foi a primeira a predizer a cosmologia do big bang", segundo Hugh Ross, presidente e fundador de Reasons to Believe, uma organização criacionista que acredita que o cristianismo e a ciência são complementares.

Em entrevista ao The Christian Post na terça-feira, Ross explicou que a detecção de ondas gravitacionais de rápida expansão do universo, conhecida como "inflação", mostra que "quando o universo tinha um trilionésimo de trilionésimo de trilionésimo de segundo de idade, ela se expandiu mais rapidamente do que a velocidade da luz."

Estas ondas de gravidade são de um tipo específico de flutuação quântica – pequenas ondulações no tecido do espaço-tempo – que mostram como rapidamente a propagação da luz e do universo se expandiu.

Estes resultados foram descobertos por um telescópio no pólo sul chamado BICEP 2, que é um acrônimo para: Imagem de fundo da polarização extra galáctica cósmica.

"A inflação é a teoria sobre o 'bang' do big bang", afirma Chao-Lin Kuo, professor assistente de física na Universidade de Stanford e co-líder da colaboração BICEP 2 explica em um vídeo e artigo publicado no site da universidade.

As ondas parecem sugerir que o universo se expandiu a uma velocidade mais rápida do que a velocidade da luz por uma fração de segundo, um fato que Ross afirma ser essencial para a formação da vida humana.

"Se o universo não for termodinamicamente conectado, não terá a homogeneidade e uniformidade que é necessária para que a vida seja concebível", disse Ross.

Ele explicou ainda que, se o universo fosse velho demais ou esfriasse muito rapidamente, as estrelas necessárias para a vida avançar iriam queimar antes que a vida pudesse aparecer.

Ross afirma que os seres humanos estão "no final da linha", porque "não iria demorar muito até que o sol fosse muito brilhante para qualquer forma de vida na Terra." Ele acrescentou que o universo inteiro é "hostil à vida avançar exceto no planeta terra", e até mesmo a terra seria hostil se o universo não tivesse se expandido de acordo com a inflação.

Leslie Wickman, diretor do Centro de Investigação em Ciências da Azusa Pacific University, disse ao CP na terça-feira que "a evidência para o big bang, em geral, diz-nos que houve um começo", e "se houvesse um começo, pela simples lógica de causa e efeito, que tinha de ser um iniciador."

Wickman também acredita que a teoria do big bang suporta a visão de mundo cristã.

"Se você olhar para a história científica, a teoria que persistiu antes do big bang foi a teoria do estado estacionário do universo, que se encaixa bem com a famosa frase de Carl Sagan: ' O universo é tudo o que sempre foi, tudo o que é e tudo o que nunca vai ser'", disse ela. Ao sugerir um início concreto, o big bang aponta para a criação, em vez do universo eterno, como proposto por Sagan e apresentado na nova série "The Cosmos", disse ela.

"Uma das minhas paixões na vida é levar as pessoas a compreender que não temos de escolher entre a ciência ou a fé. Você pode ser um bom cientista e um cristão fiel", acrescentou Wickman.

Stephen Meyer, diretor do Centro para a Ciência e Cultura do Discovery Institute e autor do best-seller do NYT A Dúvida de Darwin: A origem explosiva da vida animal e defesa do Design Inteligente, disse ao CP na terça-feira que também acredita que "a teoria do big bang suporta uma compreensão bíblica da criação."

Meyer sugere ainda que a evidência recente da inflação suporta a representação bíblica de um universo em expansão.

"Nós encontramos repetidas vezes no Antigo Testamento, tanto nos profetas e nos Salmos, que Deus alongou ou está estendendo os céus", observou ele, sugerindo que há "pelo menos uma dúzia de referências" a esta ideia nas Escrituras.

"O espaço expandiu-se muito rapidamente, e esta é uma evidência adicional de suporte da inflação", disse ele, referindo-se ao estudo.

Nem todos os cristãos que praticam ciência, no entanto, acreditam que o big bang apóia o relato bíblico da criação.

Danny Faulkner, um professor de astronomia do Museu da Criação que tem um Ph.D. no campo, disse ao CP, "O meu problema com o big bang é que não é bíblico."

Faulkner acredita em uma interpretação de 24 horas dos "dias" de Gênesis 1, e afirma que o universo tem apenas 6.000 anos de idade, enquanto que o modelo do Big Bang estima a idade do universo em torno de 13,8 bilhões anos.

"Na Bíblia, vemos que a terra estava lá desde o início, e as estrelas vieram mais tarde", disse ele.

Ele também sugeriu que os cristãos não devem tentar integrar uma cosmovisão bíblica com as descobertas científicas, já que muitas vezes a ciência muda.

"Quando os cristãos tentaram incorporar o pensamento cristão sobre as teorias da época, o paradigma muda e desacredita a Palavra".

Faulkner mencionou a revolução copernicana, a descoberta científica de que a Terra gira em torno do sol, como um exemplo do que acontece quando os cristãos incorporam a ciência em sua leitura das Escrituras.

"O problema é que as pessoas estão tentando interpretar a Bíblia em termos do pensamento corrente da cosmologia, ao invés de fazê-lo o contrário", explicou Faulkner.

Ele ainda argumentou que a descoberta científica de ondas gravitacionais pode ser resultado de uma necessidade da inflação do modelo do big bang.

"Se a inflação não aconteceu, então o modelo do big bang está com problemas", por isso "tem havido uma corrida para julgamento por muitas pessoas." Faulkner leu o relatório, e disse: "eles estão basicamente argumentando que 'pensamos que podemos ter encontrado', o que não é o mesmo que dizer que definitivamente encontraram."

Os experimentos, observou, descartam uma hipótese contra a inflação que não prova que a inflação aconteceu.

Em resposta, Meyer afirmou que compreende a nota de advertência, mas acrescentou: "o suporte para um universo finito tem sido estabelecido desde 1900." Ele também disse que "é muito estranho para as pessoas de uma perspectiva criacionista negarem uma teoria que diz que o universo começou a partir do nada físico."

Ross também citou as Escrituras para argumentar contra os seis dias literais da criação de 24 horas, e citou Hebreus 4, John 5 e Salmo 95 para apoiar seu ponto de vista de que a humanidade está vivendo no sétimo dia da criação.

De acordo com Gênesis 1, Deus fez o homem, macho e fêmea, no sexto dia. Ross acredita que esses seis dias devem ter sido um longo período de tempo, porque Gênesis 2 narra que Adão cuidava do jardim, com o nome dos animais e percebeu que ele estava sozinho antes de Deus criar Eva.

Meyer também apontou para três grandes descobertas científicas do século passado, que apoia o relato bíblico da criação: o big bang, que diz: "o universo teve um começo," "o princípio antrópico do ajuste fino do universo", que afirma que as regras da matéria agem de uma forma mais adequada para a vida humana, e evidência das propriedades portadoras de informação do DNA que os blocos básicos da vida têm uma espécie de conhecimento.

Ele também comentou sobre seu artigo "O retorno da hipótese de Deus", que apenas o teísmo, não o deísmo, panteísmo ou materialismo, pode ser responsável ??por estas novas descobertas.

Meyer reiterou sua crença de que os cristãos devem usar as melhores evidências científicas disponíveis e nos melhores conhecimentos disponíveis da Bíblia e conciliar os dois.

Abaixo está um vídeo de Reason to Belive sobre a teoria do Big Bang:




Fonte: http://www.christianpost.com/news/big-bang-gravity-wave-discovery-supports-biblical-creation-say-old-earth-creationists-116363/cpf
Tradução: Emerson de Oliveira

Retirado do Logos Apologética
Link: http://logosapologetica.com/descoberta-onda-gravidade-big-bang-reforca-criacao-biblica-astronomo/




O que você achou do artigo?
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008