Descoberta Arqueológica Revela Mistério Bíblico

Uma Descoberta Promete Lançar Luz Sobre Um dos Povos Mais Misteriosos da Bíblia

Publicado neste site no dia:
04 de Agosto de 2016, Quinta Feira, 01h39

Arqueólogos da expedição Leon Levy encontraram um cemitério filisteu perto da cidade de Ascalona, em Israel.

No cemitério, foram encontrados 200 corpos filisteus enterrados com joias, perfumes e armamentos. Pela primeira vez na história, os pesquisadores contam com material para ajudar a compreender a origem e a cultura do antigo povo. Lawrence Stager, líder da expedição desde 1985, explica: "os filisteus tinham uma reputação muito ruim. Isso vai derrubar muitos mitos".

A Bíblia descreve os filisteus como um povo selvagem e ignorante, inimigo dos israelitas. Entre seus representantes mais famosos está Golias, o gigante derrotado pelo jovem rei Davi na história bíblica.

Com base nos objetos encontrados nas sepulturas, os arqueólogos acreditam que os filisteus eram muito mais cultos e refinados do que se imaginava. À medida que as pesquisas avançarem, mais segredos serão revelados sobre esse misterioso povo.


Fonte: History


Links Relacionados
[Artigos Interessantes] Papiro Egípcio Fora da Bíblia Narra as 10 Pragas do Egito
Também conhecido como Conselhos de um sábio Egípcio, o Papiro de Ipuwer descoberto em Mênfis (Sakkara) no Egito, foi comprado por Giovanni Anastasi (1780-1860) um rico mercador nascido em Damasco, na Síria, que tinha o hábito de comprar antiguidades. Giovanni vendeu uma grande coleção de antiguidades para o Governo Holandês, inclusive o Papiro de Ipuwer, que foi então entregue ao Museu Nacional Holandês de Antiguidades, em Leiden, em 1828. Quando Giovanni era Consul no Egito, foi então que comprou este papiro de alguns egípcios na época em que fazia negócios no mercado Alexandrino.


[Artigos Interessantes] A Bíblia é o Documento Mais Historicamente Correto de Todos os Tempos
Chad Hovind, pastor da mega igreja Horizon Community, de 5.000 membros, em Cincinnati, Ohio, quer ajudar os cristãos a entender melhor por que a Bíblia é o documento "mais historicamente correto de todos os tempos". Segundo Hovind, a visita do conhecido pregador Josh McDowell à sua igreja ajudou muitas pessoas a "abrirem os olhos" para alguns fatos fascinantes. O autor de "Mais que um carpinteiro" usou em suas palestras um rolo com os cinco primeiros livros da Bíblia (Torá) com cerca de 500 anos de idade. Ele permitiu que os presentes o tocassem e examinassem. Depois, explicou que aquele era um dos poucos manuscritos completos da Torá do mundo que não está em algum museu.


[Artigos Interessantes] Professor: Texto de 3 Mil Anos Comprovaria Reinos Bíblicos
Um professor da Universidade de Haifa (Israel) afirma que uma inscrição em um jarro de barro descoberto em Jerusalém pode provar a existência dos reinos bíblicos de Davi e Salomão. O objeto, de quase 3 mil anos, foi encontrado em julho e é o mais antigo texto alfabético já achado na cidade histórica. As informações são da Fox News.


[Artigos Interessantes] "Pedra de Gabriel" Mostra Anseio de Judeus por Ação Divina
Desde 1 de maio, está em exposição no Museu de Israel, para visitação ao público, e pela primeira vez desde o anúncio de sua descoberta em 2007, "A Pedra de Gabriel". Esta pedra é, na verdade, um imenso tablete com uma inscrição em hebraico antigo, datada do primeiro século antes de Cristo, que descreve uma visão de um ataque a Jerusalém, durante o qual Deus aparece com os anjos e resgata a cidade. Liderando os anjos, ou pelo menos agindo como o personagem central, está o anjo Gabriel, que aparece pela primeira vez na Bíblia no Livro de Daniel (Dn 8.16; 9.21). A "Pedra de Gabriel" é considerada o mais importante achado arqueológico na região desde a descoberta dos Manuscritos do Mar Morto, nas décadas de 1940 e 1950. Ela tem quase dois metros e traz, em suas 87 linhas de texto em hebraico, referências aos livros de Daniel, Zacarias e Ageu. Escrito em tinta sobre pedra, o texto está em primeira pessoa e o narrador identifica-se como o anjo Gabriel.


[Artigos Interessantes] Evidências do Êxodo em Artefato Egípcio
O registro bíblico do Êxodo é um dos mais fascinantes do Antigo Testamento e, por causa de seus eventos maravilhosos, sempre foi alvo de inúmeros questionamentos. Mas, recentemente, arqueólogos alemães apresentaram um bloco de granito no Museu Egípcio de Berlim com 46cm de altura e 39,5cm de largura e ainda com uma espessura desconhecida, por ter sido cortado a partir de um pedaço maior. A cronologia bíblica indica que o Êxodo ocorreu no século 15 aC (1446 aC) e a conquista de Canaã entre 1406-1400 aC. Agora, pela primeira vez, existem fortes evidências em uma fonte egípcia que apoia o relato bíblico.


[Artigos Interessantes] Cientistas Descobrem Sodoma e Gomorra
A espantosa descoberta revelou que as duas cidades foram destruídas exatamente como descreve a Bíblia. "Nenhuma outra civilização chegou a tais extremos de perversão", declarou o chefe da equipe de arqueólogos, doutor Yehuda Peleg. "Mesmo para esta época de pornografia desmedida, o que encontramos é incrivelmente obsceno!"


[Artigos Interessantes] Achado Material da Igreja Primitiva com Face de Jesus
Numa gruta de Saham, Jordânia, localizada em uma colina com vista ao Mar da Galiléia, foram encontrados 70 livros do primeiro século da Era Cristã que, segundo as primeiras avaliações de especialistas, contém as mais antigas representações do Cristianismo. Os livros têm a peculiaridade de serem gravados em folhas de bronze presas por anéis metálicos. O tamanho das folhas vai de 7,62cm x 50,8cm a 25,4cm x 20,32cm. Em média, cada livro tem entre oito e nove páginas, com imagens na frente e no verso de cada uma delas.


[Artigos Interessantes] Urna de Tiago é Legítima
Durante os últimos oito anos, a urna funerária atribuída ao apóstolo Tiago, irmão de Jesus, que data do primeiro século da Era Cristã, foi alvo de divergências no meio acadêmico por causa da inscrição "Tiago, filho de José e irmão de Jesus". Especialistas se dividiam em relação à autenticidade da última parte da inscrição ("...e irmão de Jesus"), que, se considerada autêntica, provocaria mais um duro golpe no equivocado ensino mariolátrico do catolicismo romano de que Maria, mãe de Jesus, não tivera outros filhos além do Messias. As discussões se avolumaram tanto que, em janeiro de 2005, foi às raias dos tribunais, com a decisão saindo definitivamente no final de outubro próximo, quase seis anos depois: a inscrição da Urna de Tiago é totalmente autêntica, datada mesmo do primeiro século, isto é, da mesma época da urna.

COMENTE!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008