Conversão em Massa na Alemanha Após Ataques

Refugiados veem no Cristianismo chance de romper com passado e se integrar à vida alemã

Publicado neste site no dia:
11 de Agosto de 2016, Quinta Feira, 01h51

BERLIM — Centenas de milhares de refugiados muçulmanos converteram-se ao cristianismo nos últimos meses. Embora em alguns dos seus países de origem a conversão seja vista como um delito que pode ser punido até com a pena de morte, as igrejas alemãs, protestantes e católicas, voltaram a celebrar missas com bancos lotados. Em algumas, como na da Trindade, no bairro berlinense de Steglitz, cerca de 80% dos fiéis são ex-muçulmanos.

Para o pastor Gottfried Martens, que já batizou 1.200 convertidos, os refugiados desejam romper definitivamente com o passado e aumentar suas chances de integração na sociedade alemã. Mas Daniel Ottenberg, da ONG Open Doors, encontra outra explicação. Com o debate sobre o terrorismo islâmico, muitos muçulmanos começaram a sentir um alto grau de insegurança em relação à própria religião.

- Eles cresceram na crença de pertencer à melhor religião do mundo, mas começaram a questionar isso depois que, em nome da religião, foram cometidos tantos atos de violência - sustenta Ottenberg.

Enquanto as duas grandes igrejas oficiais, católica e luterana protestante, veem os novos fiéis como uma chance de compensar as perdas dramáticas de membros nos últimos dez anos, as organizações muçulmanas reagem com cautela.

- Cada um deve agir de acordo com os seus próprios interesses - disse um representante do Conselho dos Muçulmanos na Alemanha.

Por outro lado, islamistas e fundamentalistas bombardeiam os novos cristãos com ameaças. Um estudo da Open Doors revela que muitos convertidos desistem do batismo na última hora com medo de pôr em risco os parentes que ficaram em seus países.

Mesmo em alguns locais que passaram pela Primavera Árabe, como o Egito, a conversão ao cristianismo é vista como um delito na sociedade muçulmana. Parentes dos convertidos podem ser alvo de represálias.

- Para os refugiados, o problema não é apenas os conflitos naturais que podem surgir entre os vindos das regiões de crise, traumatizados pela guerra e pela fuga, que vivem com frequência em abrigos lotados. O mais alarmante é o fato de que os fugitivos cristãos e de outras minorias religiosas cada vez mais são alvo da mesma perseguição e discriminação das quais eram vítimas nos seus países de origem - diz Daniel Ottenberg.

Praticamente todos os participantes da missa de domingo passado na Igreja da Trindade já passaram pelo trauma da perseguição religiosa, mas a maioria vê a nova religião como a perspectiva de uma vida melhor.


Evangelho em farsi e árabe
Na opinião do afegão Ali Mirzace, o fundamentalismo, as guerras religiosas e a brutalidade do Estado Islâmico ou dos talibãs dividem os jovens muçulmanos. Enquanto uns adotam a doutrina do Islã político, outros desenvolvem uma aversão contra a própria identidade cultural, da qual se julgam vítimas.

- Tudo continua difícil, mas acreditar em Jesus nos ajuda a enfrentar as adversidades - sustenta.

O amigo Mohamed Hakime, de 17 anos, também é afegão. Os dois se conheceram durante a fuga através do Mar Mediterrâneo, no ano passado, em um momento no qual o barco parecia que ia afundar. Hakime confessa que decidiu se batizar para provar que tinha um enorme interesse em se integrar à sociedade alemã.

O batismo é para eles a conclusão de um processo de abandono definitivo do passado. Há um clima de entusiasmo. Todos os frequentadores da Igreja da Trindade de Steglitz acompanham a missa com o manual que oferece o texto e os cantos em alemão, com tradução para farsi e árabe. E todos cantam juntos.

Embora a missa dure quase duas horas, ninguém vai embora quando termina. A festa da eucaristia continua no salão paroquial, onde os alimentos trazidos pelos visitantes e preparados pela paróquia são divididos.

Nesses momentos, lembra Ali Mirzace, eles conseguem esquecer as dificuldades que nunca acabam. Como os refugiados não têm muita privacidade nos abrigos coletivos, onde precisam dividir quartos uns com outros, logo que um aparece com um terço, uma Bíblia ou começa a frequentar uma igreja cristã torna-se alvo da hostilidade.

O curdo sírio Sava Soheili, de 27 anos, está desde o ano passado em Berlim. Desde o início do ano, é um luterano fervoroso que gosta de mostrar o crucifixo pendurado em um cordão de ouro. Soheili afirma que os convertidos são, na opinião dos fundamentalistas, "verdadeiros criminosos que merecem a pena de morte".

- Nós somos considerados kuffars, palavra que para os muçulmanos fundamentalistas significa um descrente que cometeu um grave crime religioso. Os kuffars são vistos como criminosos religiosos que merecem a pena de morte - explica.

Segundo o pastor Gottfried Martens, a igreja e o Estado tentam proteger os refugiados cristãos, mas é difícil uma solução porque trata-se de um problema bastante complexo.

- Uma possível solução seria criar abrigos para refugiados cristãos, mas a separação dos convertidos ofereceria um outro risco - disse.

A prefeitura de Berlim também recusou a criação de abrigos para convertidos alegando que, separados, esses refugiados ostentariam abertamente a sua condição como um estigma e assim poderiam tornar-se um alvo fácil de terroristas.

Mostafa, um iraniano de 23 anos, diz que a opção pelo cristianismo é também pela liberdade individual.

- Há também casos de cristãos que se convertem ao Islã, mas não há com certeza nenhum que por isso tenha sido perseguido - desabafa.


Luteranismo e catolicismo são as opções
O iraniano Ali, de 29 anos, lembra, porém, que muitos não são culpados pela imagem deturpada que têm de outras religiões.

- Em muitos países muçulmanos, há um processo de lavagem cerebral. E o pior é que acreditamos mesmo em tudo o que dizem. Só quando chegamos a um país livre temos a chance de abrir os olhos e ver que os muçulmanos não são melhores do que pessoas de outras religiões.

Ali e Mostafa foram batizados antes de aprenderem o idioma alemão. O curso de catecismo foi feito em farsi. Dependendo do lugar onde moram, os refugiados interessados no cristianismo optam pela igreja luterana - em Berlim, a religião da maioria - ou pelo catolicismo - dominante na região da Renânia, como na cidade de Colônia, que tem a famosa catedral.

Mas as pessoas nessas igrejas, pastores, padres e fiéis, convivem com o medo. A proteção é discreta. Na entrada da Igreja da Trindade, três homens cuidam da segurança. Com a desculpa de distribuir os manuais de orações e cantos, eles avaliam todos os que chegam. Durante toda a missa, ficam atentos para qualquer eventualidade com o número da emergência da polícia gravado nos celulares.


Fonte: O Globo


Links Relacionados
[Artigos Interessantes] Igrejas Fecham as Portas na Europa
O rápido enfraquecimento da fé cristã na Europa resultou no fechamento de muitas igrejas, que por estarem vazias, tiveram de ser vendidas. Locais de adoração a Deus se tornaram academias, supermercados, lojas e até bares. Na Europa, o cenário de outras religiões é muito diferente do cristianismo. O Judaísmo Ortodoxo, que é o judaísmo predominante na Europa, tem se mantido relativamente estável. Por outro lado, o Islamismo cresceu pela influência de imigrantes da África e do Oriente Médio, e pelo alto índice de natalidade das famílias muçulmanas.


[Artigos Interessantes] Igreja Católica Alemã Perde Número Recorde de Fiéis
A Igreja Católica alemã perdeu um número recorde de fiéis, mais ainda do que em 2010, um ano marcado por casos de pedofilia, anunciou nesta sexta-feira a Conferência Episcopal da Alemanha. Mais de 280.000 residentes na Alemanha deixaram a Igreja Católica em 2014, 39.000 a mais do que no ano anterior. Os católicos declarados, que ainda estão muito presentes no sul, chegam a apenas 24 milhões no total, o que representa 29,5% da população alemã, um refluxo que o presidente da Conferência Episcopal Alemã, o cardeal Reinhard Marx, "lamenta profundamente". As autoridades católicas não conseguem explicar este fenômeno, cujas causas são menos evidentes do que em outros anos marcados por casos de pedofilia entre os sacerdotes, como aconteceu em 2010, quando 181.193 pessoas deixaram a Igreja.


[Artigos Interessantes] Cristãos São o Povo Mais Perseguido do Mundo, Aponta Relatório
Um relatório da Fundação "Ajuda à Igreja que Sofre" (AIS) revela que o número de violações à liberdade religiosa tende a aumentar, e que a intolerância em relação aos cristãos está crescendo, até mesmo nos países ocidentais. No relatório de 2010 sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, que analisa a situação em 194 países, a AIS considera particularmente preocupantes "as discriminações com base na religião, em especial na área de predomínio islâmico, e a hostilidade face à religião com motivações políticas".


[Artigos Interessantes] Cresce Perseguição a Cristãos Vinda de Radicais Islâmicos
Relatórios recentes de agências missionárias dão conta de que os cristãos estão cada vez mais sendo alvos nas sociedades regidas pelo islamismo. Apesar dos protestos por democracia ecoados por todo o mundo, países tomados por radicais muçulmanos empreendem uma verdadeira caça contra seus cidadãos que professam o Cristianismo.


[Testemunhos] Filho do Elevado Líder do Grupo Terrorista Palestino se Converte para Jesus Cristo
JERUSALÉM, Israel — O filho de um dos líderes mais populares da organização terrorista Hamas mudou-se para os Estados Unidos e se converteu ao Cristianismo. Numa entrevista exclusiva ao jornal Haaretz, Masab Yousuf, filho do sheik Hassan Yousef, líder do Hamas da Margem Ocidental, criticou duramente o Hamas, elogiou Israel e disse esperar que seu pai terrorista abra os olhos para Jesus e para o Cristianismo. "Sei que estou colocando minha vida em perigo e estou em risco de perder meu pai, mas espero que ele entenderá isso e que Deus dará a ele e minha família paciência e disposição de abrir os olhos para Jesus e para o Cristianismo. Talvez um dia poderei voltar à Palestina e para Ramalá com Jesus, no Reino de Deus", disse Masab.


[Testemunhos] Cristão Condenado por Blasfêmia Continua Pregando na Indonésia
Um ex-muçulmano que vive na Indonésia foi condenado à prisão por "falsos ensinamentos". O homem e seu irmãos foram processados por vizinhos após o batismo de um adolescente da família. Rudi, nome fictício para preservar sua identidade oficial, é um antigo estudioso muçulmano e filho de um famoso líder da religião no Oeste de Java, o que agravou ainda mais sua condição, já que no país há a lei de blasfêmia.


[Testemunhos] Muçulmana se Converte ao Ter uma Visão de Jesus, na Líbia
São nos locais de intensa perseguição religiosa que Jesus Cristo se revela em experiências sobrenaturais e íntimas. Uma delas aconteceu com Maizah — uma jovem que, depois de se converter ao sonhar com Cristo, teve de fugir de casa, na Líbia. Maizah cresceu frequentando diferentes mesquitas, em sua busca de conhecer a Deus. Em um momento de sua vida, ela escolheu viver sem religião, até que se deparou com uma intensa experiência com Jesus Cristo.


[Testemunhos] Dr. Nabeel Qureshi: Jovem Muçulmano Aceita Cristo e Difunde Evangelho nas Universidades
Dr. Nabeel Qureshi é um ex-muçulmano devoto que se converteu a Cristo. Desde sua conversão, ele tem dedicado sua vida à difusão do Evangelho através do ensino, pregação, livros e debates. Nabeel dá palestras em universidades e seminários na América do Norte, incluindo as universidades de Nova York, Rutgers, Carolina do Norte, Ottawa, Eastern Virginia Medical School e Biola, além do Seminário Teológico Batista do Sul. Ele já participou de 17 debates públicos em universidades nos Estados Unidos, Europa e Ásia. Seu foco é o contraste entre os fundamentos da fé cristã e os ensinamentos do Islã.


[Testemunhos] Família Islâmica da Palestina se Rende aos Pés do Senhor
A bela história dos pais do irmão Ragm Husni Isa Ágil começou quando o seu pai, Husni Isa Mohamed, muçulmano, e a sua mãe, Maria José, evangélica, se conheceram. Em 1955, o pai de Ragm veio para o Brasil e foi morar em Uberlândia, (MG). "Lá, ele conheceu minha mãe e se apaixonou, porém ela disse que não aceitaria namorar com ele, pois era evangélica e isso se constituía no jugo desigual. Vendo a firmeza de sua fé, ele tratou de se 'converter' a Cristo", conta.

COMENTE!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008