Os Quakers no Brasil
- Publicado neste site no dia: 21 de Setembro de 2020, Segunda Feira, 20h47



A Sociedade Religiosa dos Amigos, ou os Quakers[1], é um dos mais peculiares grupos religiosos originários da época conturbada do século XVII na Inglaterra. Em tempos de sectarismos político e religioso, emergiram das camadas populares de orientação puritana os chamado Sessenta Valentes, dentre eles o célebre George Fox (1624–1691).

Nunca formaram uma larga denominação religiosa, porém os Quakers se destacaram em ativismo social e nas ciências. Dentre as personalidades notáveis ligadas ao quakerismo contam-se as ativistas sociais Susan B. Anthony, Lucretia Mott e Elizabeth Fry, o químico John Dalton, o presidente norte-americano Herbet Hoover, o diplomata e laureado pelo Nobel barão Philip Noel-Baker, o pioneiro da antropologia E.B.Tylor, o poeta Walt Whitman, a escultora britânico-brasileira Josephine Vasconcelos.

Pacifista, foi a única denominação religiosa a receber o prêmio Nobel em 1947, por meio do Friends Service Council do Reino Unido e o American Friends Service Committee pelos trabalhos humanitários durante e após a Segunda Guerra. Hoje 300 mil Quakers vivem espalhados pelo Quênia, Reino Unido, Estados Unidos, Guatemala, Bolívia e poucos membros em outros países.

No Brasil a presença dos Quakers é ainda mais diminuta. Porém constitui uma interessante história.

No auge da repercussão do banimento do tráfico de escravos ao Brasil, a Sociedade Religiosa dos Amigos britânica enviou dois emissários para observar o estado da população escrava e o cumprimento da lei Eusébio de Queiroz em 1852. Os visitantes John Chandler [Candler] e Wilson Burgess encontram-se com o Imperador D. Pedro II, ministros de estado, o arcebispo de Salvador, juízes e deputados, comerciantes e fazendeiros. Visitaram minas, fazendas e a faculdade de Direito do Recife. O relatório Narrative of a Recent Visit to Brazil (1858) oferece uma interessante perspectiva do país no pouco tempo que aqui estiveram.

Como nessa visita, a presença Quaker no Brasil seguiria esse parâmetros: expatriados e agentes de missões humanitárias permanecendo pouco tempo no país.

A herança mais longeva é a Congregação Unitarista de Pernambuco. Foi fundada por expatriados de língua inglesa no Recife dos anos 1930, formada por uma singular mescla entre o unitarismo e o quakerismo. Em seus tempos áureos, teve reuniões até em Brasília. Hoje se mantém com uma congregação regular em Pernambuco e mais alinhada ao cristianismo progressista dos Unitários-Universalistas que aos Quakers.

Depois da Segunda Guerra Mundial, empresários, funcionários de multinacionais, diplomatas, agentes humanitários e missionários (alguns Quakers mantém filiação dual com outras denominações) formaram reuniões domésticas no Rio e São Paulo. Um típico Quaker da Pennsylvânia, William Ravdin descreve "Além de Mary, eu e dois Amigos ligados ao USAID, temos outro frequentador regular da Embaixada Japonesa, um protestante suíço que aprecia nosso silêncio, um brasileiro, um membro da Reunião Mensal de Zurique e poucos outros".

Em São Paulo, o casal Archibald Mulford Woodruff (1941-2012) e Linnis Cook, ele missionário presbiteriano e professor no Mackenzie, organizaram reuniões familiares desde os 1970. Ficaram no Brasil por 22 anos. Em 2009 a longa apoiadora desse grupo, a advogada e ativista social Linnis Cook, retornou aos Estados Unidos. Um grupo continua com reuniões esporádicas na Escola Graduada de São Paulo. A biblioteca do Swarthmore College na Pensilvânia mantém arquivos desses grupos.

Uma nota, as congregações locais são chamadas de Reuniões (Monthly Meetings) e os grupos maiores de Reuniões Anuais (como em "Ohio Yearly Meeting"). O culto Quakers é de dois tipos: cultos não programados, no qual os membros se reúnem em silêncio e só cantam, oram ou pregam conforme sentir inspirado pela Luz Interior; e o culto programado (na verdade, semi-programado), com um parâmetro fixo de hinos, leituras, orações e pregações. Organizacionalmente, há grupos com ministros regulares e outros sem ministros algum. Em comum, valorizam uma horizontalidade radical: todos - homens, mulheres, crianças, idosos, brancos, negros, - são iguais diante de Deus, resultando em um regime eclesiástico sem clero. No Brasil, os grupos de São Paulo e Rio parecem ter seguido em sua história um parâmetro mais aquém ao culto não programado e organização não pastoral.

Outro grupo e membros dispersos existem no estado de São Paulo. São de expatriados cuáqueros ou amigos bolivianos. No Altiplano da Bolívia um Quaker americano de etnia navajo, William Abel, distribuiu bíblias entre os aymarás em 1919. Como resultado, cerca de 35 mil Quakers, principalmente aymarás (mas com significantes membresia quéchua, mosetain, chimani e outros) vivem nesse país, organizados em cinco principais Reuniões Anuais: Iglesia Evangélica Misión Boliviana de Santidad Amigos (MBSA), Iglesia Evangélica Estrella de Belen (IEEB), Iglesia Evangélica Unión Boliviana Amigos (IEUBA), Iglesia Nacional Evangélica los Amigos (INELA) e Junta Anual de los Amigos Central (JALAC). Em São Paulo há reuniões mais ou menos regulares desde 2011, sob assistência da MBSA. Seguem uma linha evangélica-holiness de cultos programados e de ministério pastoral.

Além desses grupos, há a missão humanitária da América Friends Service - AFS - com sede no bairro da Aldeota, em Fortaleza, Ceará. Essa agência colabora com inciativas sociais brasileiras.

O quakerismo, ainda que pequeno numericamente, representa um relevante capítulo nas histórias das ações humanitárias e das migrações de língua inglesa e de bolivianos no Brasil.


Uma típica reunião Quaker no século XVIII.



NOTA
[1] Outras grafias quacres, quáqueros.


FONTE
ALVES, Leonardo Marcondes. Quakers no Brasil. Ensaios e Notas, 2016. Disponível em: https://wp.me/pHDzN-nQ. Acesso em: 21 set. 2020.



Links Relacionados
[Estudos & Reflexões] A Validade Permanente da Teologia Reformada
No capítulo introdutório deste livro, referimo-nos ao debate entre os historiadores sobre a questão de a Reforma ter sido primordialmente medieval ou moderna em seu impuslo e perspectiva básicos. Muitas vezes, aqueles que defendem a segunda hipótese - que a Reforma assinalou o despertar de uma nova era - fazem-no com uma sensação de júbilo por ter sido libertados das algemas da superstição e do dogmatismo, os quais pensa-se que caracterizaram a chamada "Idade das Trevas". Adolf von Harnack, grande historiador da igreja, acreditava que a história total do dogma cristão havia culminado e sido transcendida na teologia de Lutero: Lutero foi o fim do dogma, da mesma forma que Cristo foi o término da lei! Entretanto, qualquer tentativa de avaliar a importância da teologia da Reforma para a igreja de hoje deve reconhecer a absoluta impossibilidade de tal visão. Contra a ostentação de Erasmo de que ele não se deleitava com asserções, Lutero respondia que as asserções, que ele definiu como uma constante devoção, afirmação, confissão, sustentação e perseverança, pertenciam à própria essência do cristianismo. "Devem-se desfrutar as asserções, ou então não ser um cristão." Apesar de todas as suas críticas das doutrinas oficiais do catolicismo medieval, os reformadores viam-se numa ligação báscia com os dogmas fundamentais da igreja primitiva.


[Estudos & Reflexões] Legados da Reforma
Uma das consequências mais óbvias da Reforma foi a divisão do catolicismo medieval em diversas Igrejas; a historiografia recente rotulou o processo pelo qual essas diversas comunidades estabeleceram sua própria identidade de "confessionalização". Na erudição alemã, o termo tornou-se paradigma de história social. Confessionalização "designa a fragmentação da cristandade unitária (Christianitas latina) da Idade Média em ao menos três Igrejas confessionais: luterana, calvinista (ou "reformada") e católico-romana pós-tridentina. Cada qual formou um sistema altamente organizado, inclinado a monopolizar a visão do mundo com respeito ao indivíduo, o Estado e a sociedade, e a estabelecer normas estritamente formuladas na política e moralidade" (Schilling, 1986, p. 22; 1992: Capítulo, 5).


[Estudos & Reflexões] A Relação do Protestantismo com o Capitalismo, Segundo Max Weber
Neste artigo procuro mostrar a relação existente entre o protestantismo e o capitalismo, tomado como objeto de estudo por Max Weber. Esta pesquisa bibliográfica, baseada principalmente em sua obra mais conhecida A ética protestante e o "espírito" do capitalismo, em que o referido sociólogo alemão percebe que a ética protestante foi um dos fatores (não único) que favoreceu o desenvolvimento do capitalismo. Pois, segundo ele, durante a Idade Média, o catolicismo pregava o desprezo aos bens materiais e a usura. Porém esse pensamento muda com a reforma protestante. Há a valorização do trabalho como também outras doutrinas, a exemplo da predestinação calvinista, afirmando que o bom êxito econômico seria o indício da benção de Deus. O que favoreceu a seus fiéis a buscarem esse sucesso material, para mostrarem que estavam agraciados por Deus. Porém, tal mentalidade enfraqueceu, continuando a busca do sucesso nos negócios.


[Estudos & Reflexões] Pentecostalismo e Calvinismo: Alguma Relação Possível?
Historicamente, a relação entre calvinistas e pentecostais não tem sido sempre amistosa. Em muitas obras publicadas o tom belicoso não foi evitado. Contudo, em tempos mais recentes e de forma crescente, pentecostais em busca de uma teologia mais robusta tem se aproximado do calvinismo, enquanto estes têm demonstrado maior abertura à liturgia pentecostal. Mesmo assim, essa crescente minoria tem sido vista com cautela, tanto por pentecostais como por calvinistas. E embora se admita que seja "muito possível que um crente individual, ou uma igreja, creiam firmemente nos cinco pontos do calvinismo e ao mesmo tempo creiam no batismo com o Espírito Santo como segunda experiência e na continuidade do dom de línguas"[1], tais crentes e igrejas são vistas como inconsistentes. A questão, pois, é se os dois sistemas são necessariamente auto excludentes ou existe compatibilidade entre as doutrinas distintivas de pentecostais e calvinistas.


[Estudos & Reflexões] John Wycliffe e a Crítica à Igreja Institucionalizada
Neste ano de 2017 comemora-se os 500 anos da chamada Reforma Protestante, ocorrido no século XVI e exaltada em versos e prosas pelas chamadas Igrejas Históricas e/ou Protestante. Todavia, são muito poucos aqueles historiadores e teólogos destas denominações, provenientes daquele movimento original, que realmente colocam o dedo nas feridas abertas que tanto dilaceraram e transformaram a Igreja Cristã em uma instituição moribunda na Idade Média.


[Estudos & Reflexões] As Origens do Evangelicalismo
O evangelicalismo tem sua origem no interior da Igreja da Inglaterra no século XVIII. Havia, desde o século XVI, a herança da ala mais protestante da Igreja ("igreja baixa"), com a influência luterana e calvinista e a presença de puritanos que optaram pela permanência na instituição. Com os irmãos John e Charles Wesley, George Whitefield e John Fletcher vem a influência armeniana.


[Estudos & Reflexões] Quaker
Quaker (também denomidado Quacre em Português) é o nome dado a vários grupos religiosos, com origem comum num movimento protestante britânico do século XVII. A denominação quaker é chamada de Quakerismo, Sociedade Religiosa dos Amigos (em inglês: Religious Society of Friends), ou simplesmente Sociedade dos Amigos ou Amigos. Eles são conhecidos pela defesa do pacifismo e da simplicidade. Estima-se que haja 360.000 quakers no mundo, sendo o Quênia na África o local que possui a maior comunidade quaker.


[Estudos & Reflexões] A História dos Jovens Missionários Moravianos
Os Moravianos foram os primeiros protestantes a colocar em prática a ideia de que a evangelização dos perdidos é dever de toda a igreja, e não somente de uma sociedade ou de alguns indivíduos.

Paul Pierson, missiólogo, escreveu: "Os Moravianos se envolveram com o mundo das missões como uma igreja, isto é, toda a igreja se tornou uma sociedade missionária". Devido ao seu profundo envolvimento, esse pequeno grupo ofereceu mais da metade dos missionários Protestantes que deixaram a Europa em todo o século XVIII.


[Estudos & Reflexões] Pietismo
Pietismo é um movimento oriundo do Luteranismo que valoriza as experiências individuais do crente. Tal movimento surgiu no final do século XVII, como oposição à negligência da ortodoxia luterana para com a dimensão pessoal da religião, e teve seu auge entre 1650-1800.


[Estudos & Reflexões] O Primeiro Culto Protestante no Brasil e Seus Desdobramentos
Num país de secular hegemonia católica em que os livros didáticos de história apresentavam até pouco tempo atrás como data a ser memorizada pelos alunos a Primeira Missa no Brasil, quem se lembra ou a quem interessa saber quem e quando foi realizado o Primeiro Culto Protestante no Brasil?? Infelizmente os próprios evangélico-protestantes não dão muito (para não dizer quase nenhum) valor à sua própria História - então por que outros valorizaram?


[Estudos & Reflexões] O Protestantismo no Brasil
O estudo da história da igreja cristã, especialmente no Brasil, têm provocado alguns estudiosos a observar e escrever sobre os problemas do protestantismo em nosso país, as perspectivas do movimento é discutido a necessidade de uma teologia tupiniquim. O professor Luiz Sayão, nos convida a fazer essa análise:

"É preciso pensar o protestantismo pau-brasil! Protestantismo do país pentacampeão, pentasecular, pós-pentecostal, perigosamente problemático, praticamente pós-moderno! Para pensar, em prolegômenos, o protestantismo principiante do principal país português, precisamos proferir palavras propriamente planejadas, previamente preparadas, pesquisando os períodos do protestantismo pau-brasil: partindo-se do pioneiro e principiante, e prosseguindo até o presente e pós-moderno. Possivelmente poderemos prosseguir pincelando o painel polimorfo protestante! Podemos prosseguir? Perfeitamente!"

Comente!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008