ADQUIRA JÁ!
Livro do Colunista Hudson Lebourg
Pietismo

Publicado neste site no dia:
04 de Junho de 2013, Segunda Feira, 14h23

Pietismo é um movimento oriundo do Luteranismo que valoriza as experiências individuais do crente. Tal movimento surgiu no final do século XVII, como oposição à negligência da ortodoxia luterana para com a dimensão pessoal da religião, e teve seu auge entre 1650-1800.

O Pietismo combinava o Luteranismo do tempo da Reforma, enfatizando a conversão pessoal, a santificação, a experiência religiosa, diminuição na ênfase aos credos e confissões, a necessidade de renunciar o mundo, a fraternidade universal dos crentes e uma abertura à expressão religiosa das emoções.

O mentor e pioneiro do movimento, Philip Jacob Spener (1635-1705), conhecido pela sua obra Pia desideria (1676) influenciou outras figuras como August Hermann Francke, Albrecht Bengel, Paul Anton e Johann Kaspar Schade.

O Pietismo influenciou o surgimento de movimentos religiosos independentes de inspiração protestante tais como o metodismo, o Movimento de Santidade, o evangelicalismo, pentecostalismo, o neo-pentecostalismo e grupos carismáticos, além de influenciar a teologia liberal de Friedrich Schleiermacher e a filosofia de Immanuel Kant.


Histórico
A origem do Pietismo é atribuída a Philip Jacob Spener. Nascido em Rappoltsweiler na Alsácia no dia 13 de janeiro de 1635. Treinado por uma madrinha devota que se utilizava de livros de devoção como Wahres Christentum de Johann Arndt, Spener foi convencido da necessidade de uma reforma moral e religiosa no luteranismo germânico. Ele estudou teologia em Strasbourg, onde os professores da época (especialmente Sebastian Schmidt) tinham inclinação para o "Cristianismo prático" ao invés da disputa teológica. Posteriormente, Spener passou um ano em Genebra e foi influenciado pela rígida disciplina eclesiástica e pela vida moral estrita aí prevalecente. Influenciaram-lhe também pela pregação e piedade do professor valdense Antoine Leger e do pregador jesuíta convertido ao protestantismo Jean de Labadie.

Durante uma estada em Tübingen, Spener leu o Waechterstimme aus dem Verwuesteten Zion de Teophilus Grossgebauer, panfleto que criticava a morosidade espiritual das igrejas de então. Em 1666 Spener recebeu seu primeiro encargo pastoral em Frankfurt com a opinião de que a vida cristã no seio do luteranismo estava a ser sacrificada pelo rígido zelo da ortodoxia. O Pietismo, como um movimento distinto na Igreja alemã, originando-se através de Spener que promovia reuniões religiosas em sua casa (collegia pietatis) em que pregava seus sermões, expondo passagens do Novo Testamento e induzindo os presentes a participar na discussão de questões religiosas que surgiram. Em 1675 publicou o Pia desideria ou Desejos pios para a reforma da verdadeira Igreja evangélica, uma introdução a uma coletânea de sermões de Arndt, mas o ensaio ganhou vida própria. O título deu origem ao termo "Pietistas" e tornou-se um manifesto para a renovação da Igreja. Nesta publicação fez seis propostas como o melhor meio de restaurar a vida da Igreja:

- Sério e profundo estudo da Bíblia em reuniões privadas em ecclesiolae ecclesia ( "igrejas dentro da Igreja");

- O Cristianismo sendo o sacerdócio universal, os leigos devem partilhar no governo espiritual da Igreja;

- O conhecimento do Cristianismo deve ser alcançado através da prática;

- Ao invés de ataques aos incrédulos e heterodoxos, dar um tratamento simpático e gentil a eles;

- Uma reorganização da formação teológica das universidades, dando maior destaque à vida devocional;

- Um estilo diferente de pregação, ou seja, no lugar de retórica agradável, a implantação do cristianismo, no interior ou novo homem, que é a alma da fé, devendo trazer frutos para a vida.

Este trabalho produziu uma grande impressão em toda a Alemanha e, embora um grande número de teólogos e pastores luteranos ortodoxos tenham sido profundamente ofendidos por Spener em seu livro, as suas reivindicações foram admitidas e muito bem justificadas. Consequentemente, um grande número de pastores imediatamente adotaram as propostas de Spener.

Enquanto o pietismo tradicional permaneceu dentro das igrejas luteranas apesar de suas críticas, o pietismo radical distanciou-se das igrejas estabelecidas ainda mais. Doutrinariamente, muitas vezes os pietistas radicais refletem as influências de Jacob Boehme, mas eram separatistas formando suas próprias congregações. O pietismo radical criticou as noções luteranas de expiação, a autoridade das Escrituras, sacramentos e no ministério.

O pietismo prático foi promovido pela nova universidade pietista de Halle (Saale). Em Halle o pastor August Hermann Francke fundou em 1695 orfanatos, asilos e gráficas, dando um caráter de ação social do pietismo. A Universidade de Halle tornou-se o centro de divulgação de pietismo a partir de 1698. A gráfica social de Francke distribui 80 mil Bíblias completas e 100 mil Novos Testamentos em apenas sete anos - um fato notável, já que antes na Alemanha, cerca de 80 anos (1534-1626) foram produzidas apenas 20.000 Bíblias.

Outros movimentos acabaram por ser influenciado pelo pietismo e ganharam identidades denominacionais próprias, como o metodismo, as Igrejas Livres, os Dunkers e alguns ramos anabatistas, como a Igreja dos Irmãos Mennonitas.

Um pietismo intimamente ligado a um organização eclesial surgiu em Württemberg. Mais tarde, o conde Nikolaus Ludwig von Zinzendorf fundou uma comunidade dos irmãos de Herrnhut.

No Brasil o Pietismo se encontra presente dentro da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil por meio da Missão Evangélica União Cristã. Há denominações de identidade pietista como os Dunkers ou Igreja Evangélica dos Irmãos, a Igreja Evangélica Congregacional do Brasil e a Igreja do Cristianismo Decidido surgiu no Brasil a partir de uma missão luterana pietista da Alemanha na cidade de Curitiba.


Doutrina
O tema central do pietismo é a experiência do crente com Deus, sua condição de pecador e o caminho para sua salvação. Sublinhava-se a necessidade da conversão individual e do nascer de uma nova conduta no crente, desapegada do mundo material e firmada no apoio mútuo da comunidade reunida em culto ao redor do estudo da Bíblia.

Ao enfatizar a dimensão experiencial e a prática da fé, os pietistas, por um lado, desenvolveram uma moralidade ascética por vezes áspera, especialmente no que tange à alimentação, vestimenta e lazer; por outro lado, enfatizaram um sentimento de responsabilidade para com o mundo, do qual desdobraram-se atividades de missão e caridade. Além disso, dada a ênfase no contato direto da pessoa com Deus, as diferenciações entre clero e laicato foram amainadas e o sentimento de pertença eclesiástica arrefecido nas experiências de pequenos grupos ecclesiola in ecclesiae, os "collegia pietatis".

Defendia uma experiência vitalista da fé, pela demonstração e comprovação desta numa piedade prática, através da rejeição do espírito mundano e pela participação ativa dos leigos em reuniões ou conventículos de cristãos conversos.

O pietismo reduzia a importância da jurisdição eclesiástica, dando grande importância à teologia mística e a contemplação espiritual. Atacava com veemência a imoralidade que imperava desde a Guerra dos Trinta Anos.


Pietismo Radical
Um ramo do pietismo não contentou de ficar no seio das igrejas luteranas e reformadas. Defensores de uma igreja formada por regenerados, os pietistas radicais empregaram as influências de Jakob Böhme, Gottfried Arnold, e Philipp Jakob Spener para propagar um cristianismo separado do mundo e das igrejas estabelecidas.

Esses grupos separatistas encontraram dificuldades de coexistir em países de religiões estabelecidas. Muitos emigraram para as Américas e para a Rússia. Alguns formaram comunidades coletivistas como Nova Harmonia nos Estados Unidos.


Tese de Merton
Semelhante à tese de Max Weber que correlaciona o protestantismo a uma instituição secular, no caso o espírito do capitalismo, o sociólogo Robert K. Merton correlaciona o pietismo ao surgimento das ciências naturais.


Ilustração popular alemã pietista do "Caminho largo e caminho estreito"



Fonte: Wikipédia




Links Relacionados
[Outras Obras] Pietismo: Um Desafio à Piedade e à Teologia
Sempre existiram diferentes formas de pietismo no seio da igreja, como manifestações de uma "posição dialética face ao intelectualismo e ao clericalismo". Essas manifestações podem ser mais ou menos isoladas e individuais, tendo como válvula de escape uma religiosidade fortemente mística (Meister Eckhart, Johannes Tauler, Thomas à Kempis, Kaspar Schwenckfeld), ou manifestar-se através de movimentos até certo ponto amorfos, mas que têm em comum o elã vital de buscar a pureza e um contato mais direto com Deus, sem intermediações (cátaros ou albigenses). Contra estes a igreja romana lutou arduamente, criando inclusive a Inquisição, que estreou no cenário histórico em 1022, com as primeiras execuções em Orléans e Toulouse dos "hereges" albigenses, que haviam se tornado numerosos no sul da França e no norte da Itália. A cruzada contra os albigenses, quando concluída, cerca de 50 anos depois, teria eliminado um milhão de pessoas. A supressão dos albigenses provavelmente foi a maior "vitória" da Inquisição nesse período.

* Arquivo em PDF contendo 20 páginas. Aproximadamente 200kb.

* Retirado do site Portal Mackenzie;


[Biografias] Philipp Jacob Spener (1635-1705)
Philipp Jacob Spener (Rappoltsweiler, Alsácia, 13 de janeiro de 1635 — Berlim, 5 de fevereiro de 1705) foi um teólogo luterano alemão, considerado o pai do Pietismo protestante. Era um autodidata que cedo percebeu o fato da Reforma Protestante não estar completa. Em sua vida, entrou em contato com importantes teólogos e seus livros, tendo estes exercido influência direta em suas obras posteriores.


[Estudos & Reflexões] A Teologia e a Vida Espiritual na Baixa Idade Média
A baixa Idade Média em geral é descrita sobretudo sob o aspecto do declínio, da desintegração e da decadência, uma interpretação que se reflete no título de um estudo clássico desse período, The Waning of the Middle Ages [O Declínio da Idade Média], de Johan Huizinga. Época de adversidade e instabilidade, os séculos XIV e XV tornaram-se terra de ninguém entre a síntese medieval do século XIII, com suas catedrais góticas e sumas escolásticas, e os grandes movimentos reformadores do século XVI.


[Estudos & Reflexões] O Sacerdócio Universal dos Crentes
Pregar o sacerdócio universal dos crentes foi um dos pilares fundamentais resgatado e defendidos pelos reformadores do século XVI, a fim de contrapor o clericalismo desenvolvido na Idade Média, de que apenas o povo teria acesso a Deus através do sacerdote. Isto nos ensinam, que todos crentes tem livre acesso a Deus, através do sumo sacerdote Jesus Cristo. Nos mostra o grande privilégio que temos todos os crentes como filhos de Deus: cada cristão é um sacerdote; cada cristão tem livre e direto acesso ao Trono da Graça, tendo como único mediador o Senhor Jesus Cristo.


[Estudos & Reflexões] A Validade Permanente da Teologia Reformada
No capítulo introdutório deste livro, referimo-nos ao debate entre os historiadores sobre a questão de a Reforma ter sido primordialmente medieval ou moderna em seu impuslo e perspectiva básicos. Muitas vezes, aqueles que defendem a segunda hipótese - que a Reforma assinalou o despertar de uma nova era - fazem-no com uma sensação de júbilo por ter sido libertados das algemas da superstição e do dogmatismo, os quais pensa-se que caracterizaram a chamada "Idade das Trevas". Adolf von Harnack, grande historiador da igreja, acreditava que a história total do dogma cristão havia culminado e sido transcendida na teologia de Lutero: Lutero foi o fim do dogma, da mesma forma que Cristo foi o término da lei! Entretanto, qualquer tentativa de avaliar a importância da teologia da Reforma para a igreja de hoje deve reconhecer a absoluta impossibilidade de tal visão. Contra a ostentação de Erasmo de que ele não se deleitava com asserções, Lutero respondia que as asserções, que ele definiu como uma constante devoção, afirmação, confissão, sustentação e perseverança, pertenciam à própria essência do cristianismo. "Devem-se desfrutar as asserções, ou então não ser um cristão." Apesar de todas as suas críticas das doutrinas oficiais do catolicismo medieval, os reformadores viam-se numa ligação báscia com os dogmas fundamentais da igreja primitiva.



[Estudos & Reflexões] Como Era o Pano de Fundo Político e Filosófico da Renascença, de onde brotou a Reforma Protestante?
Meu caro leitor, no pano de fundo do pensamento renascentista se destacam algumas figuras de vulto, começando com Nicolau de Cusa e terminando com Giordano Bruno. É uma nova concepção filosófica do mundo e da vida, ainda não bem claramente esboçada, de que seus próprios autores, às vezes, não tem clara consciência. É uma época de transição, em que novo e velho se entretecem mutuamente. A maior conquista do pensamento da Renascença está na história humana e na ciência natural. Daí derivam, em seguida, a ciência política e a técnica científica, que tiveram o seu grande início. É o fruto do vivo interesse e da penetrante observação da experiência e do concretismo, quase desconhecidos do pensamento clássico e medieval.


O que você tem a dizer sobre Pietismo? (7 Comentários)
Nome:

E-Mail:

Comentário:



MENSAGEM #07
Mensagem Recebida: 10 de Março de 2018, Sábado, 15h53
Publicada no Site: 11 de Março de 2018, Domingo, 16h02
Nome: Paulo Fixe
Mensagem: Olá, eu gostaria de mas informação sobre pietismo conservado e radical?

MENSAGEM #06
Mensagem Recebida: 28 de Novembro de 2017, Terça Feira, 11h32
Publicada no Site: 28 de Novembro de 2017, Terça Feira, 21h36
Nome: Oliveira Corcete Dutra
Mensagem: Movimento importantíssimo na História do Protestantismo, que deveria ser melhor estudado sobre as lições que nos deixaram para o protestantismo moderno.

MENSAGEM #05
Mensagem Recebida: 15 de Novembro de 2017, Quarta Feira, 22h11
Publicada no Site: 21 de Novembro de 2017, Terça Feira, 19h51
Nome: Samuel Vani Pires
Mensagem: Muito importante para consolidação do protestantismo e retorno aos valores da igreja primitiva.

MENSAGEM #04
Mensagem Recebida: 26 de Julho de 2017, Quarta Feira, 11h29
Publicada no Site: 27 de Julho de 2017, Quinta Feira, 21h33
Nome: Hildejardes Pacífico
Mensagem: Este movimento foi importante para a disseminação da história bíblica. Pois através dele o mundo se abriu aos acontecimentos cristãos.

MENSAGEM #03
Mensagem Recebida: 15 de Julho de 2017, Sábado, 11h13
Publicada no Site: 16 de Julho de 2017, Domingo, 14h49
Nome: anonimo
Mensagem: Um assunto de grande importância para os nossos dias, porém não devemos dar muito credito a artigos baseados na wikipedia muitos não são confiaveis. Já vi erros grosseiros sobre determinados assuntos.

MENSAGEM #02
Mensagem Recebida: 13 de Junho de 2017, Terça Feira, 18h46
Publicada no Site: 15 de Junho de 2017, Quinta Feira, 02h39
Nome: Antonio Alves da Silva
Mensagem: São fatos históricos que a igreja deveria saber (pastores), pregam a palavra destorcida, com isso provocam grandes evasões nas igrejas.

MENSAGEM #01
Mensagem Recebida: 24 de Novembro de 2016, Quinta Feira, 15h28
Publicada no Site: 28 de Novembro de 2016, Segunda Feira, 20h14
Nome: Alex
Mensagem: Desse movimento, derivaram muitas outras idéias e correntes doutrinárias, necessita-se mais estudo sobre o tema em questão.



& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008