O Que Resta do Protestantismo Conduzido Pelos Reformadores
A manutenção e o distanciamento das marcas distintivas da Reforma Protestante: Sola Scrpitura, Solo Christus, Sola Gratia e Sola Fide

A Reforma Protestante, assim como todos os demais eventos históricos, passou por um processo de evolução com desdobramentos e transformações ao longo de quase cinco séculos. Cabe aqui olharmos para o atual estado do universo protestante, que representa mais de 800 milhões de pessoas em todo mundo em especial ao universo religioso brasileiro, onde os protestantes são mais de 42 milhões, para avaliarmos o que permanece do ideal defendido pelos reformadores.

Ressalta-se, aqui, que infelizmente o desconhecimento desse grande legado teológico deixado por homens como Lutero, Zwinglio, Calvino e Meno Simon (representando os anabatistas moderados), tem feito muita falta, como bem expressa Timothy George em seu livro Teologia dos Reformadores: "Jerônimo disse certa vez que, quando lia as cartas do apóstolo Paulo, podia ouvir trovões. Os mesmos trovões também ecoam mediante os escritos dos reformadores. Os teólogos contemporâneos fariam bem em ouvir novamente a mensagem desses cristãos corajosos que desafiaram imperadores e papas, reis e câmaras municipais, porque suas consciências estavam cativas à Palavra de Deus". Os fatos falam por si mesmo sobre o que resta desse movimento que mudou não apenas a face da Europa do século XVI, mas do mundo como um todo. A marca distintiva da Reforma Protestante Sola Scriptura, Solo Christus, Sola Gratia, e Sola Fide sintetizam a teologia do movimento. Vejamos essas marcas hoje.

Sola Scriptura, "somente a Bíblia". Numa época onde os dogmas e tradições tomaram o lugar das Escrituras Sagradas como guia dos fiéis, os reformadores clamaram por um retorno à Bíblia. Lutero ao ser instado a retratar-se disse: "A menos que eu seja convencido de erro pelo testemunho da Escritura ou - visto que não dou valor à autoridade não provada do papa e dos concílios, por ser claro que eles muitas vezes erraram e frequentemente se contradisseram - por um raciocínio evidente, continuo convencido pelas Escrituras, às quais apelei e minha consciência foi feita cativa pela palavra de Deus, não posso e não quero retratar-me de qualquer coisa, pois agir contra nossa consciência não é coisa segura nem permitida a nós. É esta a minha posição. Não posso agir diversamente. Deus me ajude. Amém". Para o cristão não há outra bússola, não há outra fonte de luz para os seus caminhos que a Palavra de Deus (Sl 119.105).

Infelizmente hoje o analfabetismo bíblico tem atingido muitos cristãos, que preferem sentir a fé a pensá-la, utilizando a Bíblia como uma "caixinha de promessas" ao invés de mapa e bússola. Isso é o resultado da inserção nos arraiais cristãos dos valores da sociedade consumista, onde infelizmente a fé passa a ser vista como uma chave mágica para obter os objetos desejados. Assim, muitos conhecem os textos onde as promessas ocorrem, mas poucos conhecem os textos onde as responsabilidades surgem. Voltemos à integridade da Palavra, para que não percamos o rumo dos Céus!

Solus Christus, "somente Cristo". A exclusividade da intermediação entre Deus e o homem feita pelo Senhor Jesus Cristo (At 4.12; 1 Tm 2.5) voltou a tomar seu lugar correto dentro da igreja através da ação dos reformadores. Hoje o "politicamente correto" pressiona a igreja para que aceite todas as outras formas de adoração como iguais e capazes de reconciliar o homem com Deus. No meio evangélico brasileiro infelizmente alguns movimentos tem feito mais propaganda de seu próprio nome do que do nome de Cristo, esquecendo-se de que somos apenas representantes dEle. Persistamos na defesa da fé em Cristo como meio de comunhão com Deus, sendo esse o nome que é sobre todo o nome, não sendo ele posse da igreja "A ou B"!

Sola Gratia, "somente a graça". O Dicionário Vine define graça como "a disposição graciosa ou amigável da qual procede o ato benevolente, graciosidade, ternura, clemência". É a forma como o Deus Santo e Todo Poderoso aceita todos os pecadores que Ele se chegam por intermédio de Cristo (Ef 2.8-9). Não haveria forma de nós mesmos redimirmos nossos pecados (Is 64.6), por eles merecemos o inferno, mas por meio de Sua graça o Senhor nos traz para Si. Esse grande favor imerecido da parte de Deus tem sido deixado de lado em muitos púlpitos em favor de uma mensagem de "autoajuda", que certamente fariam Lutero lembrar os discursos de Tetzel sobre os benefícios das indulgências!

Sola Fides, "somente a fé"; sola fide, "somente pela fé". "Fé" é uma pequena palavra, mas que provocou um dos maiores turbilhões da história! Martinho Lutero teve sua vida transformada por um texto bíblico pequeno que diz: "O justo viverá da fé" (Rm 1.17). Entendeu ele que a justificação perante Deus é dada somente pela fé em Cristo (Rm 5.1) e não por meio de sacrifícios de qualquer espécie. Essa verdade eterna tem sido pregada de forma deturpada hoje, com mensagem onde a fé aparece como uma chave mágica para solução de todos os problemas, e mais: a fé é transformada em um fim em si mesma, a fé na fé. A questão principal é muitas vezes deixada de lado: a fé deve ser exercida no Senhor Jesus Cristo, seu autor e consumidor (Hb 12.2)!

Soli Deo Gloria, "glória a Deus somente". O ressoar desse brado necessita ser ouvido novamente! Aqueles que fazem a obra de Deus não devem ser como objetivo ter glória para si, mas sim fazer tudo para a glória de Deus! (1 Co 10.31). O Senhor não entrega sua glória a ninguém! (Is 42.8). Não podemos aceitar as propostas do mundo que nos pressiona para termos uma posição "politicamente correta" aceitando a igualdade de outros deuses com o Senhor! Também não podemos deixar que a glória do mundo (Mt 4.8,9) ofusque a nossa visão, levando-nos a buscar a glória própria, armadilha na qual infelizmente vários líderes cristãos tem caído!

Vemos que as bases do protestantismo original ainda permanecem, representadas por igrejas e líderes cristãos sérios e sinceros em sua fé e firmes na sã doutrina. Mas há uma grande massa que se desviou e que segue atrás de doutirnas "novas" que apenas satisfazem seus próprios desejos. Para combater tal situação, seja em termo mundial ou no Brasil, a solução é a mesma indicada pelo professor Émile-G. Léonard quando avaliava o problema do iluminismo religioso entre os protestantes em nosso país, e que nos remete ao primeiro dos pilares da Reforma: reconduzi-los à Bíblia.


Autor:
Esequias Soares é pastor, líder da AD Jundiaí (SP); presidente da Comissão de Apologética Cristã da CGADB; e autor de diversos livros e comentarista de Lições Bíblicas da Escola Dominical (CPAD).


Fonte: Mensageiro da Paz, Agosto 2014




Qual sua opinião sobre o Protestantismo de hoje?
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008