A Heresia Nestoriana Sob a Ótica Protestante
Publicado neste site no dia:
29 de Junho de 2014, Domingo, 03h51

No dia 16 de setembro de 2008 eu pesquisava no site Google o significado para Nestorianismo. Encontrei uma definição num blog de um cidadão católico romano. Só que na definição que ele dava, havia um equivoco dele sobre a posição protestante quanto ao tema. Ele afirmava que "o nestorianismo seja o alicerce protestante por excelência". Então, não podendo concordar com esse equivoco dele, escrevi o texto que segue.

"Sr. Emanuel,

Procurando eu na internet uma definição sobre o significado da expressão nestorianismo, encontrei vossa definição. No entanto, encontrei nela uma conceituação divergente com respeito a posição protestante sobre a questão. Portanto, venho aqui afirmar, com base em documentos históricos Protestantes, que não é correto dizer que "o nestorianismo seja o alicerce protestante por excelência" como o senhor afirma em vosso artigo. Se o senhor. verificar atentamente as Confissões de Fé das igrejas protestantes históricas, reformadas, anglicanas, presbiterianas, congregacionais, entre outras, poderá verificar que todas elas expõem a crença e defendem a doutrina cristã ortodoxa, fundamentada na única autoridade que reconhecemos, cremos e proclamamos, a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.

Como cristão, membro da Igreja Reformada, adotamos símbolos confessionais históricos do cristianismo ortodoxo: as Três Formas de Unidade (das Igrejas Reformadas): A Confissão de Fé Belga, o Catecismo de Heidelberg e os Cânones de Dort, e os Três Credos Ecumênicos: O Credo Apostólico, o Credo Niceno e o Credo Atanasiano.

Quanto a expressão theotokos, sabemos que ela está historicamente relacionada a questão da divindade de Cristo. Maria foi mãe de Deus, no sentido que o Sr. expôs, reproduziu, no seu artigo: "não no sentido de que ela (Maria) seja anterior a Deus ou que seja a fonte de Deus, mas no sentido de que a Pessoa que ela carregou em seu útero era de fato o Deus Encarnado". Portanto ela, Maria, não deve ser, do ponto de vista da Palavra de Deus, ou contra a Palavra de Deus, venerada, adorada, ou coisa semelhante.

Segue abaixo algumas considerações a mais sobre o tema:

Teologia Sistemática/Charles Hodge; Tradução Valter Martins – São Paulo: Hagnos, 2001. Páginas 782,784,785,786.

Aqui, na Teologia Sistemática, pág. 782, Charles Hodge explica como surgiu a controvérsia nestoriana. É-nos informado que a controvérsia surgiu, por Nestório ter defendido um de seus presbíteros "que negava que a Virgem Maria pudesse propriamente ser chamada de Mãe de Deus." Nestório teria tentado esclarecer que havia um sentido no qual seria blasfemo designar Maria como mãe de Deus. O problema é que Nestório foi longe demais em suas "explicações" e "teorias", afastando-se da Palavra de Deus.

Com o Sínodo de Éfeso, em 431 d. C., e finalmente o Concílio geral de Constantinopla em 681 d.C., diz Charles Hodge, cessou o conflito acerca desta doutrina no sentido em que, desde então, não houve modificações posteriores da doutrina da Igreja. A decisão contra Nestório, na qual se firmou a unidade da pessoa de Cristo; a qual se fez contra Êutico, afirmando a distinção das naturezas e a tomada contra os monotelitas, declarando que a posse de uma natureza humana envolvia necessariamente a posse da vontade humana, foi recebida como verdadeira fé pela Igreja Universal: a grega, a latina e a protestante.

Nas páginas 784 a 786, Charles Hodge diz, referindo-se A Doutrina das Igrejas Reformadas: na época da Reforma, os reformadores aderiram estritamente à doutrina da Igreja Primitiva. Isso se faz evidente à luz de diversas Confissões adotadas pelos vários corpos reformados, especialmente na Segunda Confissão Helvética que... rejeita todas as antigas heresias acerca desta questão e adota a linguagem dos antigos credos." "E assim se torna patente que os reformados rejeitaram de maneira concreta todos os erros acerca da pessoa de Cristo que haviam sido condenados na Igreja Primitiva: os erros de Ário, dos ebionitas, dos gnósticos, o aplinarianismo, o nestorianismo, o eutiquianismo e o monotelitismo.... Os reformadores ensinaram o que haviam ensinado os seis primeiros concílios gerais, e o que recebeu a Igreja Universal: nem mais, nem menos. Com isso concorda a precisa, bela e clara afirmação da Confissão de Fé de Westminster: " O Filho de Deus, a segunda pessoa da Trindade, sendo verdadeiro e eterno Deus, igual e da mesma substância com o Pai, havendo chegado a plenitude do tempo, tomou para si a natureza humana com todas as suas propriedades essenciais e com suas debilidades comuns, todavia sem pecado. Foi concebido pelo poder do Espírito Santo no ventre da Virgem Maria, da substância dela. De modo que duas naturezas completas, perfeitas e distintas, a Deidade e a humanidade, foram inseparavelmente unidas numa só pessoa, sem conversão, composição ou confusão. Esta pessoa é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, um só Cristo, o único mediador entre Deus e o homem".

No livro A História das Doutrinas Cristãs/ Louis Berkhof, Ed. PÉS, pág. 106, encontramos: "a mais completa declaração oficial sobre a posição reformada acerca da doutrina de Cristo se acha na Segunda Confissão Helvética, preparada em 1566. Citamos algumas das mais pertinentes afirmações: "Portanto, o Filho de Deus é co-igual e consubstancial com o Pai, no que tange à sua divindade; verdadeiro Deus, e não de nome apenas, ou por adoção, ou por favor especial, mas na substância e na natureza... abominamos, pois, a blasfema doutrina de Ário, a qual foi proferida contra o Filho de Deus... Também ensinamos e cremos que o eterno Filho do eterno Deus foi feito Filho do Homem, da descendência de Abraão e de Davi; não por meio de qualquer homem, como Ebião afirmava, porém que ele foi purissimamente concebido pelo Espírito Santo e nasceu de uma virgem, Maria... Outrossim, o nosso Senhor Jesus Cristo não tinha alma sem sentidos ou sem razão, conforme Apolinário ensinava; nem carne sem alma, como Eunâmio ensinava; Ele tinha alma com sua razão e carne com sentidos... Reconhecemos, pois, que existem duas naturezas em um só e mesmo Jesus Cristo, nosso Senhor – a divina e a humana, e dizemos que essas duas estão de tal modo conjugadas ou unidas que não foram eliminadas, confundidas ou misturadas, mas, antes, foram unidas em uma pessoa (as propriedades de cada pessoa inatingidas e permanentes), de tal modo que adoramos um Cristo, nosso Senhor, e não dois... Portanto, assim como detestamos a heresia de Nestor, que fazia dois Cristos de um só e dissolvia a unidade da pessoa, também abominamos a loucura de Eutíquio e a dos monotelitas e monofisitas, que sobvertiam a propriedade da natureza humana. Por conseguinte, não ensinamos que a natureza divina em Cristo sofreu, ou que Cristo, de acordo com Sua natureza humana, ainda está no mundo e, assim, em toda parte. Pois nem pensamos nem ensinamos que o corpo de Cristo deixou de ser um verdadeiro corpo após sua glorificação, ou que o mesmo foi deificado, e deificado de tal maneira que se despiu das propriedades, no tocante a corpo e alma, e se tornou total natureza divina e começou a ser uma única substância."

Por último, deixo algumas afirmações do livro, de um pastor Reformado, A Alma em Busca de Deus – satisfazendo a fome espiritual pela comunhão com Deus, de R.C. Sproul, Capítulo 6, A Alma Obediente, págs. 91 e 92: " O MODELO DE MARIA - Por causa do papel central, e freqüentemente cultual, que Maria exerce na Teologia Católica Romana, os protestantes muitas vezes a negligenciam em suas opiniões. Contudo, Maria foi escolhida para ser a mãe de Cristo. A Teologia Protestante geralmente concorda com a doutrina aprovada nos grandes concílios ecumênicos da história da Igreja Primitiva. Isso inclui a adoção do título concedido a Maria: Theotokos, que significa "mãe de Deus". Em última análise, o título de Maria foi concedido nem tanto para honra-la ao ponto que se honra ao Filho que ela concebeu. O fato de Maria ter sido a mãe de Deus significa simplesmente que seu filho era Deus encarnado; não que ela tinha sido a genitora da deidade de Jesus. O "Pai" de Jesus em seu nascimento foi o Espírito Santo. Todavia, o primitivo concílio asseverava que Jesus recebeu sua natureza humana de sua mãe. Ele era nascido da semente de Davi, da qual descendia Maria. Não obstante, esta criança humana era também "vere Deus", verdadeiramente Deus."


Atenciosamente,
Salomão Freitas Alves
Cristão, membro da Igreja Reformada em Recife..


Fonte: Só a Bíblia Pode Dirigir a Nossa Vida na Vontade de Deus




Há alguma ligação entre o Nestorianismo e o Protestantismo? Opinem. (2 comentários)
Nome:

E-Mail:

Comentário:



MENSAGEM #02
Mensagem Recebida: 17 de Novembro de 2016, Quinta Feira, 22h07
Publicada no Site: 19 de Novembro de 2016, Sábado, 21h59
Nome: Luiz
Mensagem: Prezado Marcell de Oliveira

Boa noite

Conforme o meu comentário anterior fica então a compreensão de que Maria participou do processo da Santa Variação na Santa Natureza Divina de Jesus pois conforme explicado Jesus quando esteve na terra estava como 100% Divino e 100% Humano e isso caracterizava Ele como um todo e então Maria pode ser considerada Theotokos i.e. mãe de Deus sendo mãe dessa Natureza Divina e não apenas mãe da Natureza Humana pois a Santa Variação ocorreu dentro dela e não houve uma variação "da" mas "na" Natureza Divina de Jesus pois Ele estava em carne ou seja as pessoas viam Ele na terra em carne ( manifestação visível ) se Ele tivesse exatamente igual na terra quando estava na Eternidade ou no Céu a aparição dEle não teria essa aparência humana (em carne)por esse motivo a Natureza Divina dEle era diferente e só foi possível Jesus vir em carne graças a Santa Providência Divina que escolheu Maria, pois Maria era 100% carne e assim possibilitou Jesus nascer da maneira que nasceu. Algumas pessoas podem objetar argumentando que em Deus não existe variação porém temos que entender o que isso realmente significa pois Deus não é estático mas imutável, e é imutável no sentido de ter uma Natureza Divina com seus Santos atributos isso não muda mas Deus age, existe atividade em Deus pois Ele não fica totalmente parado e até na Eternidade Ele não estava estático e não está, e tinha pensamentos.

Deus criou o Universo ou seja um ato dEle e isso não alterou a Natureza Dele.

Um grande abraço

Luiz

MENSAGEM #01
Mensagem Recebida: 16 de Novembro de 2016, Quarta Feira, 21h19
Publicada no Site: 17 de Novembro de 2016, Quinta Feira, 19h43
Nome: Luiz
Mensagem: Prezado Marcell de Oliveria

Boa noite

Primeiramente gostaria de parabeniza-lo pelo site. Permita-me fazer um comentário sobre a questão de Theotokos:

Jesus sempre foi é e será Deus então logicamente na Eternidade pré-criação Ele era e estava como Deus e Ele existia assim como um todo ou seja a totalidade de Jesus existia na Eternidade dessa maneira Transcedental. Quando Jesus esteve na terra Ele também era um todo ou seja a Sua Santa totalidade era 100% Divina e 100% Humana era o Ser total pois Ele não eram 2 Jesus´s mas um só. Então a Natureza Divina de Jesus na Eternidade pré -criação e no santo Céu tem que ser diferente da Natureza Divina dEle na terra pois se fosse exatamente a mesma aparição e manifestação dEle na terra essa deveria ser exatamente igual a dEle tanto na Eternidade quanto no Céu e assim Ele na terra, Ele não seria 100% Divino e 100% Humano mas só 100% divino pois Ele na terra foi 100% Divino e 100% Humano e isso faz a manifestação dEle em Sua totalidade. Nesse sentido Maria participou do lado 100% Humano e participou também da Santa Variação na Natureza Divina pois a Natureza Divina dEle variou pois não poderia ser a mesma Natureza Divina de antes senão Ele teria que se manifestar como Ele existia na Eternidade e no Céu e Ele (Deus) se fez carne. então Maria participou da Santa Variação logo ela pode ser chamada Mãe de Deus ou seja mãe dessa Natureza Divina variada.

um grande abraço

Luiz



& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008