O Grande Despertar
- Publicado neste site no dia: 18 de Setembro de 2020, Sexta Feira, 15h25



- INTRODUÇÃO
O Grande Despertar foi um renascimento religioso que impactou as colônias inglesas na América durante as décadas de 1730 e 1740. O movimento surgiu em um momento em que as ideias da Razão e da Ciência estavam sendo mais enfatizadas do que a fé e a religião em si. Contudo, muitos líderes cristãos viajavam com muita frequência de cidade em cidade, pregando o evangelho, enfatizando a salvação dos pecadores e promovendo o entusiasmo pelo Cristianismo. O resultado foi uma dedicação renovada à religião. Muitos historiadores acreditam que o Grande Despertar teve um impacto duradouro em várias denominações cristãs e na cultura americana em geral.


- O PRIMEIRO GRANDE DESPERTAR
No decorrer do século XVIII, um movimento filosófico europeu conhecido como Iluminismo, ou Idade da Razão, estava atravessando o Oceano Atlântico e chegando nas colônias americanas. Os pensadores iluministas enfatizavam uma visão científica e lógica do mundo, pregando uma ideia de que a religião/a fé é um retrocesso para o intelecto humano.

De uma maneira ou de outra, a religião estava tornando-se mais formal e menos pessoal naquela ocasião, o que fazia diminuir as práticas de frequentar igrejas. Os cristãos estavam se sentindo complacentes com seus métodos de adoração, e alguns ficaram desiludidos com a forma da riqueza e do racionalismo dominando a cultura. Sendo assim, muitos começaram a clamar por um retorno à piedade religiosa.

Naquela época, as 13 colônias estavam religiosamente divididas. A maior parte da Nova Inglaterra pertencia as igrejas congregacionais. As colônias centrais eram compostas por quakers, anglicanos, luteranos, batistas, presbiterianos, reformados holandeses e congregacionais. Ja as colônias do sul eram, em sua grande maioria, pertencentes a Igreja Anglicana, mas também haviam muitos batistas, presbiterianos e quakers.

O cenário estava armado para uma renovação da fé e, no final da década de 1720, um avivamento se enraizou quando os pregadores alteraram suas mensagens enfatizando novamente os conceitos calvinistas. Conceitos esses que exaltavam a importância das Escrituras, da fé, da predestinação e da Graça de Deus.


- JONATHAN EDWARDS
A maioria dos historiadores considera Jonathan Edwards, um ministro anglicano de Northampton, como um dos principais personagens do Grande Despertar.

A mensagem de Edwards centrava-se na ideia de que os homens eram pecadores, Deus era um juíz vingativo e os pecadores precisavam clamar por perdão. Ele também pregava a justificação pela fé somente.

No ano de 1741, Edwards pregou um sermão emocionante intitulado "Pecadores nas mãos de um Deus irado". A notícia sobre a mensagem pregada espalhou-se rapidamente pelas colônias.

Edwards era conhecido por sua paixão e energia, embora geralmente pregava em sua paróquia, ao contrário de outros pregadores do avivamento que viajavam pelas colônias. Por outro lado, em Edwards é creditado por inspirar centenas de conversões. Tais registros está documentado no livro "Narratives of Suprising Conversions".


- GEORGE WHITEFIELD
George Whitefield, um ministro da Grã-Bretanha, teve um impacto significativo durante o Grande Despertar. Whitefield percorreu as colônias ao longo da costa atlântica, pregando sua mensagem. Em apenas um ano, Whitefield cobriu 5 mil milhas na América (aprox. 8 mil km) pregando mais de 350 vezes.

Em seu estilo caristmático, teatral e expressivo, Whitefield costumava aumentar o tom da voz e a tremer durante a pregação de seus sermões. As pessoas se reuniam aos milhares para ouvi-lo falar. Ele pregou para pessoas comuns, escravos e nativos americanos. Parecia que ninguém estava fora do seu alcance. Até mesmo Benjamin Franklin, um cético religioso, ficou cativado pelos sermões de Whitefield, e os dois tornaram-se amigos. O sucesso de Whitefield convenceu os colonos ingleses a se unirem em suas igrejas e reenergizar uma fé cristã antes decadente.


- OUTROS LÍDERES
Vários outros pastores e líderes cristãos lideraram o movimento durante o Grande Despertar, incluindo David Brainard, Samuel Davies, Theodore Frelinghuysen, Gilbert Tennet entre outros.

Embora as origens desses líderes sejam diferentes, suas mensagens serviram para o mesmo propósito: despertar a fé cristã e retornar a uma religião que era relevante para as pessoas da época.


- TEMAS BÁSICOS DO GRANDE DESPERTAR
O Grande Despertar trouxe várias filosofias, ideias e doutrinas para a vanguarda da fé cristã. Alguns desses temas podemos destacar:

* Todas as pessoas nascem no pecado;

* O pecado nos leva para o inferno;

* Todas as pessoas podem ser salvas caso se arrependerem e confessarem seus pecados a Deus. Assim sendo, alcançarão a Graça Divina;

* Todas as pessoas podem ter uma conexão direta com Deus. Não dependem de autoridades religiosas, como padres ou pastores. O rasgar do véu do templo de alto a baixo (Ev. S. Mateus 27) é uma representação do livre acesso ao Pai;

* O Cristianismo não deve ser formal e institucionalizado, mas sim casual e pessoal;


- LUZ VELHA VS LUZ NOVA
Nem todos abraçaram as ideias do Grande Despertar. Uma das principais vozes da oposição foi Charles Chauncy, um ministro em Boston. Chauncy foi especialmente crítico da pregação de Whitefield, apoiando uma religião mais tradicional e formalizada.

Por volta do ano de 1742, o debate sobre o Grande Despertar dividiu o clero da Nova Inglaterra juntamente com os seus colonos em dois grupos.

Pregadores e seguidores que adotaram as novas ideias trazidas pelo Grande Despertar tornaram-se conhecidos como "novas luzes". Aqueles que abraçaram os métodos tradicionais e antiquados da igreja foram chamados de "luzes antigas".


- O SEGUNDO GRANDE DESPERTAR
O Grande Despertar chegou ao fim em algum momento durante a década de 1740. Já na década de 1790, um outro avivamento ocorreu e ficou conhecido como o Segundo Grande Despertar. Este movimento é tipicamente considerado como menos "emocional" como foi no Primeiro Grande Despertar, o que levou na fundação de várias faculdades, seminários e sociedades missionárias.

Dizia-se que um terceiro grande despertar se estendia do final da década de 1850 ao início do século XX. Alguns estudiosos, no entanto, discordam de que esse movimento sempre foi um evento significativo.


- EFEITOS DO GRANDE DESPERTAR
O Grande Despertar alterou notavelmente o clima religioso nas colônias americanas. Pessoas comuns eram encorajadas a fazer uma conexão com Deus, em vez de depender de um ministro.

Novas denominações como metodistas e batistas cresceram rapidamente. Enquanto o movimento unificou as colônias e impulsionou o crescimento da igreja, especialistas dizem que também causou divisão entre aqueles que o apoiaram e aqueles que o rejeitaram.

Muitos historiadores afirmam que o Grande Despertar influenciou a Guerra Revolucionária, encorajando as noções de nacionalismo e direitos individuais.

O renascimento também levou ao estabelecimento de várias instituições educacionais renomadas, incluindo as universidades de Princeton, Rutgers, Brown e Dartmouth.

O Grande Despertar, sem dúvida, teve um impacto significativo no Cristianismo. Ele revigorou a fé cristão norte-americana em uma época em que estava em declínio constante e introduziu ideias que penetrariam na cultura americana por muitos anos.




Fonte: History.com
Tradução: Marcell de Oliveira



Links Relacionados
[Estudos & Reflexões] A Validade Permanente da Teologia Reformada
No capítulo introdutório deste livro, referimo-nos ao debate entre os historiadores sobre a questão de a Reforma ter sido primordialmente medieval ou moderna em seu impuslo e perspectiva básicos. Muitas vezes, aqueles que defendem a segunda hipótese - que a Reforma assinalou o despertar de uma nova era - fazem-no com uma sensação de júbilo por ter sido libertados das algemas da superstição e do dogmatismo, os quais pensa-se que caracterizaram a chamada "Idade das Trevas". Adolf von Harnack, grande historiador da igreja, acreditava que a história total do dogma cristão havia culminado e sido transcendida na teologia de Lutero: Lutero foi o fim do dogma, da mesma forma que Cristo foi o término da lei! Entretanto, qualquer tentativa de avaliar a importância da teologia da Reforma para a igreja de hoje deve reconhecer a absoluta impossibilidade de tal visão. Contra a ostentação de Erasmo de que ele não se deleitava com asserções, Lutero respondia que as asserções, que ele definiu como uma constante devoção, afirmação, confissão, sustentação e perseverança, pertenciam à própria essência do cristianismo. "Devem-se desfrutar as asserções, ou então não ser um cristão." Apesar de todas as suas críticas das doutrinas oficiais do catolicismo medieval, os reformadores viam-se numa ligação báscia com os dogmas fundamentais da igreja primitiva.


[Estudos & Reflexões] Legados da Reforma
Uma das consequências mais óbvias da Reforma foi a divisão do catolicismo medieval em diversas Igrejas; a historiografia recente rotulou o processo pelo qual essas diversas comunidades estabeleceram sua própria identidade de "confessionalização". Na erudição alemã, o termo tornou-se paradigma de história social. Confessionalização "designa a fragmentação da cristandade unitária (Christianitas latina) da Idade Média em ao menos três Igrejas confessionais: luterana, calvinista (ou "reformada") e católico-romana pós-tridentina. Cada qual formou um sistema altamente organizado, inclinado a monopolizar a visão do mundo com respeito ao indivíduo, o Estado e a sociedade, e a estabelecer normas estritamente formuladas na política e moralidade" (Schilling, 1986, p. 22; 1992: Capítulo, 5).


[Estudos & Reflexões] A Relação do Protestantismo com o Capitalismo, Segundo Max Weber
Neste artigo procuro mostrar a relação existente entre o protestantismo e o capitalismo, tomado como objeto de estudo por Max Weber. Esta pesquisa bibliográfica, baseada principalmente em sua obra mais conhecida A ética protestante e o "espírito" do capitalismo, em que o referido sociólogo alemão percebe que a ética protestante foi um dos fatores (não único) que favoreceu o desenvolvimento do capitalismo. Pois, segundo ele, durante a Idade Média, o catolicismo pregava o desprezo aos bens materiais e a usura. Porém esse pensamento muda com a reforma protestante. Há a valorização do trabalho como também outras doutrinas, a exemplo da predestinação calvinista, afirmando que o bom êxito econômico seria o indício da benção de Deus. O que favoreceu a seus fiéis a buscarem esse sucesso material, para mostrarem que estavam agraciados por Deus. Porém, tal mentalidade enfraqueceu, continuando a busca do sucesso nos negócios.


[Estudos & Reflexões] Pentecostalismo e Calvinismo: Alguma Relação Possível?
Historicamente, a relação entre calvinistas e pentecostais não tem sido sempre amistosa. Em muitas obras publicadas o tom belicoso não foi evitado. Contudo, em tempos mais recentes e de forma crescente, pentecostais em busca de uma teologia mais robusta tem se aproximado do calvinismo, enquanto estes têm demonstrado maior abertura à liturgia pentecostal. Mesmo assim, essa crescente minoria tem sido vista com cautela, tanto por pentecostais como por calvinistas. E embora se admita que seja "muito possível que um crente individual, ou uma igreja, creiam firmemente nos cinco pontos do calvinismo e ao mesmo tempo creiam no batismo com o Espírito Santo como segunda experiência e na continuidade do dom de línguas"[1], tais crentes e igrejas são vistas como inconsistentes. A questão, pois, é se os dois sistemas são necessariamente auto excludentes ou existe compatibilidade entre as doutrinas distintivas de pentecostais e calvinistas.


[Estudos & Reflexões] John Wycliffe e a Crítica à Igreja Institucionalizada
Neste ano de 2017 comemora-se os 500 anos da chamada Reforma Protestante, ocorrido no século XVI e exaltada em versos e prosas pelas chamadas Igrejas Históricas e/ou Protestante. Todavia, são muito poucos aqueles historiadores e teólogos destas denominações, provenientes daquele movimento original, que realmente colocam o dedo nas feridas abertas que tanto dilaceraram e transformaram a Igreja Cristã em uma instituição moribunda na Idade Média.


[Estudos & Reflexões] As Origens do Evangelicalismo
O evangelicalismo tem sua origem no interior da Igreja da Inglaterra no século XVIII. Havia, desde o século XVI, a herança da ala mais protestante da Igreja ("igreja baixa"), com a influência luterana e calvinista e a presença de puritanos que optaram pela permanência na instituição. Com os irmãos John e Charles Wesley, George Whitefield e John Fletcher vem a influência armeniana.


[Estudos & Reflexões] Quaker
Quaker (também denomidado Quacre em Português) é o nome dado a vários grupos religiosos, com origem comum num movimento protestante britânico do século XVII. A denominação quaker é chamada de Quakerismo, Sociedade Religiosa dos Amigos (em inglês: Religious Society of Friends), ou simplesmente Sociedade dos Amigos ou Amigos. Eles são conhecidos pela defesa do pacifismo e da simplicidade. Estima-se que haja 360.000 quakers no mundo, sendo o Quênia na África o local que possui a maior comunidade quaker.


[Estudos & Reflexões] A História dos Jovens Missionários Moravianos
Os Moravianos foram os primeiros protestantes a colocar em prática a ideia de que a evangelização dos perdidos é dever de toda a igreja, e não somente de uma sociedade ou de alguns indivíduos.

Paul Pierson, missiólogo, escreveu: "Os Moravianos se envolveram com o mundo das missões como uma igreja, isto é, toda a igreja se tornou uma sociedade missionária". Devido ao seu profundo envolvimento, esse pequeno grupo ofereceu mais da metade dos missionários Protestantes que deixaram a Europa em todo o século XVIII.


[Estudos & Reflexões] Pietismo
Pietismo é um movimento oriundo do Luteranismo que valoriza as experiências individuais do crente. Tal movimento surgiu no final do século XVII, como oposição à negligência da ortodoxia luterana para com a dimensão pessoal da religião, e teve seu auge entre 1650-1800.

Comente!
Nome:

E-Mail:

Comentário:





& PROTESTANTISMO &
Desde 03 de Agosto de 2008